17/06/2018
Login
Entrar




Internacional

06/03/2018

EUA ficam perto de atingir autossuficiência

Reuters
Email
A-   A+
Londres - A produção de petróleo shale dos Estados Unidos (EUA) deverá aumentar nos próximos cinco anos, roubando participação de mercado de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e levando o país, que já foi o maior importador global de petróleo, para perto da autossuficiência, disse ontem a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês).

Um acordo marcante em 2017 entre a Opep e outros produtores de petróleo, incluindo a Rússia, para reduzir a produção e cortar o excesso de oferta global melhorou consideravelmente as perspectivas para outros produtores, à medida que os preços do petróleo avançaram acentuadamente ao longo do ano, disse a IEA.

Como resultado, a produção de petróleo dos EUA retomou um crescimento acentuado ao longo do ano passado e deverá aumentar em 2,7 milhões de barris por dia (bpd), para 12,1 milhões de bpd até 2023, já que o crescimento dos campos de shale mais do que compensará a diminuição no fornecimento convencional.

Os líquidos de gás natural adicionarão mais 1 milhão de bpd, para 4,7 milhões de bpd em 2023.

Com a produção total de líquidos dos EUA prevista para atingir quase 17 milhões de barris por ano em 2023, ante 13,2 milhões em 2017, os Estados Unidos serão, de longe, o maior produtor mundial de líquidos de petróleo.
“Os Estados Unidos devem mostrar sua força nos mercados mundiais de petróleo nos próximos cinco anos”, disse o diretor-executivo da IEA, Fatih Birol, em uma perspectiva de mercado de médio prazo.

Cenário - O crescimento da produção de petróleo de Estados Unidos, Brasil, Canadá e Noruega deverá ser mais que suficiente para atender à expansão da demanda global de petróleo até 2020, disse a entidade, acrescentando que mais investimentos seriam necessários para aumentar a produção depois disso.

A produção de fora da Opep deve subir em 5,2 milhões de bpd até 2023, para 63,3 milhões de bpd, com os EUA sozinhos respondendo por cerca de 60% do crescimento global da oferta.

O movimento será guiado pela bacia de Permian e pelo Novo México, onde a produção deverá dobrar até 2023.

Já a capacidade de produção da Opep deverá crescer em apenas 750 mil bpd até 2023, para 36,31 milhões de bpd. Com isso, a Opep atenderia menos de 35% da demanda global, contra sua atual fatia de cerca de 40%.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/06/2018
EUA impõe tarifas e inicia ?guerra? com a China
Em resposta, chineses anunciaram que aplicarão mesma taxa sobre igual volume de produtos americanos
16/06/2018
Venda a chineses pode ser menor em 8 anos
São Paulo - As importações chinesas de petróleo venezuelano podem cair para o menor patamar em quase oito anos em julho, enquanto o produtor da...
16/06/2018
Produção industrial americana recua 0,1% em maio
Washington - A produção industrial dos Estados Unidos diminuiu 0,1% em maio, ante abril, segundo pesquisa divulgada na sexta-feira (15) pelo Federal Reserve (Fed, o banco central...
15/06/2018
Blocos terão primeiro encontro em julho
Reunião de cúpula entre líderes será no México e tem como meta consolidação de acordos pelas partes
15/06/2018
País revela planos para atingir objetivos traçados em programa de ajuda do FMI
Buenos Aires - A Argentina divulgou planos para reduzir seu déficit fiscal e tornar o banco central independente, em uma carta de intenção ao Fundo Monetário...
› últimas notícias
BDMG reduz juros para MPEs
Valor de dívidas de estados e municípios foi de R$ 594,1 mi
Fazenda critica MP do frete ao STF
Liberação de saque deve injetar R$ 39,3 bi no mercado
Uberlândia está no rumo da universalização
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


16 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.