Publicidade
24/05/2018
Login
Entrar

Internacional

13/04/2018

EUA propõe cotas para isentar o Brasil da sobretaxa para aço e alumínio

Modelo seria semelhante ao apresentado à Coreia do Sul, em negociações avançadas com os americanos
Reuters
Email
A-   A+
Brasil tenta se livrar de tarifas de 25% sobre o aço exportado/IABR/DIVULGAÇÃO
Lima - O governo norte-americano propôs usar cotas de exportação para isentar o Brasil da sobretaxa para aço e alumínio, disseram à Reuters fontes do governo brasileiro que participaram ontem de reunião, em Lima, com o secretário de Comércio dos Estados Unidos (EUA), Wilbur Ross.

Segundo as fontes, Ross defendeu que a medida facilitaria o avanço das negociações e está dando resultado com a Coreia do Sul, país com quem o diálogo está mais avançado.
Segundo as fontes, a proposta norte-americana, ainda em uma versão preliminar, prevê cotas baseadas na exportação atual dos países em negociação, o que impediria o avanço sobre a parte das exportações aos EUA hoje preenchida pelo aço chinês, que representa cerca de 20% das importações norte-americanas.

A ideia foi apresentada por Ross ao ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, à margem da Cúpula das Américas. Segundo uma das fontes que participou do encontro, foi uma reunião política para avançar os pontos de vista do Brasil, mas não entrou detalhes técnicos.

Termos do negócio - Os norte-americanos têm defendido a ideia de cotas associada à restrição do aumento de produção. Ross afirmou aos diplomatas brasileiros que o fórum que discute o excesso de produção de aço não tem atendido às necessidades dos EUA, mas uma negociação país a país, nesses termos, funcionaria.

Os EUA adotaram, no mês passado, tarifas de 25% sobre importações de aço e de 10% sobre de alumínio, mas isentaram temporariamente o Brasil e outros países, enquanto negocia uma isenção permanente.

O governo brasileiro abriu negociações em março e já teve uma reunião inicial com o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer. Nesse período, o Brasil obteve a suspensão da cobrança da tarifa, válida até o dia 30 deste mês.

De acordo com as fontes, o secretário de comércio reforçou que as negociações continuarão em dois trilhos, o de governo a governo e também o de empresas com o governo dos EUA, para a isenção individualmente da taxa.

Ross, de acordo com uma das fontes, insistiu que o governo brasileiro incentive as empresas brasileiras que exportam diretamente a empresas norte-americanas a iniciarem os procedimentos para pedir a isenção tarifária. Segundo ele, mesmo sendo um processo demorado, auxilia na negociação e as empresas que forem taxadas podem ser ressarcidas posteriormente.

Triangulação - O governo brasileiro reforçou a Ross que não há risco de triangulação de aço chinês pelo Brasil e retomou pedidos para que o País seja isentado permanentemente das tarifas sobre o aço e o alumínio.

“Mostramos novamente todos os nossos pontos. No aço, o Brasil é parte da cadeia norte-americana, e no alumínio, nós importamos mais que exportamos”, disse uma das fontes.
Segundo essa fonte, houve duas conversas até agora sobre esse assunto e elas têm se concentrado na questão tarifária do aço e alumínio, não incluindo outros temas. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/05/2018
Fed sinaliza alta dos juros em próxima reunião
Washington - A maioria dos membros do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos (EUA), avaliou que outro aumento dos juros seria justificado “em breve”, se a perspectiva...
24/05/2018
G-7 pressiona e pede novas eleições
Genebra - Os presidentes e primeiros-ministros das maiores economias do mundo estão pressionando a Venezuela e pedem que o presidente Nicolás Maduro convoque novas...
23/05/2018
Trump admite que cúpula pode não acontecer
Dúvida do presidente norte-americano ocorre por receio de que Kim não esteja comprometido com acordo
23/05/2018
Opep pode aumentar produção em junho
Khobar (Arábia Saudita)/Londres - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) pode decidir aumentar a produção de petróleo em...
23/05/2018
Pela primeira vez em 226 anos, mulher irá presidir a Bolsa de Nova York
Brasília - Engenheira industrial por formação, Stacey Cunningham, de 43 anos, será a primeira mulher em 226 anos a presidir a Bolsa de Valores de Nova York –...
› últimas notícias
Preço do etanol acompanha alta da gasolina na Capital
Plano Diretor da Capital é questionado
Sem acordo, caminhoneiros decidem continuar greve
Biomm aciona Anvisa para liberar remédio
Quatro de cada cinco empresas do País planejam investimentos para este ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.