Publicidade
21/04/2018
Login
Entrar

Política

12/04/2018

Ex-diretor da Dersa deve ficar preso

AE
Email
A-   A+
São Paulo - A juíza Maria Izabel do Prado, da 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo, decidiu manter a prisão preventiva do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, apontado como operador do PSDB. Ele está encarcerado desde a última sexta-feira. Souza é suspeito de coagir uma mulher acusada no processo que investiga desvio de recursos de R$ 7,7 milhões da Dersa, entre 2009 e 2011 (governos Serra e Alckmin). Na mesma decisão, a juíza também manteve em cárcere outro investigado, José Geraldo Casas Vilela.

Para a juíza, “não se trata, portanto, de mera coincidência que a ré colaboradora tenha sido ameaçada por várias vezes e que esteja adotando medidas para sua própria proteção (mudança rotineira de local de residência) e que outra testemunha importante mude diametralmente seu depoimento em versão favorável aos réus Paulo Vieira de Souza e José Geraldo Casas Vilela”.

“Assim, a liberdade dos acusados constituiria imediato risco à colheita das provas testemunhais”, afirma.

Vieira de Souza também teve bloqueados R$ 113 milhões em quatro contas na Suíça pela juíza federal Maria Isabel do Prado. “Constam das informações que em 7 de junho de 2016 as quatro contas bancárias atingiam o saldo conjunto de cerca de 35 milhões de francos suíços, equivalente a 113 milhões de reais, convertidos na cotação atual”, diz o despacho da magistrada.

Em outro inquérito, no Supremo Tribunal Federal, ele é apontado por ex-executivos da Odebrecht, da OAS e da Andrade Gutierrez como operador de propinas na Dersa. Os empresários afirmaram que ele pediu 0,75% de contratos para obras do Rodoanel, Trecho Sul, para abastecer campanhas do partido em 2010.

Defesas - A defesa de Paulo Vieira de Souza, representada pelos advogados criminalistas Daniel Bialski e José Roberto Santoro, contesta a decisão da juíza Maria Isabel do Prado, que manteve a prisão do ex-diretor da Dersa. “Paulo Vieira é inocente das acusações e esta prisão é arbitrária. Diante disso, faremos o pedido de habeas corpus”, afirma Daniel Bialski.

Em nota, a defesa de José Geraldo Casas Vilela, representada pelo advogado Fernando Araneo, sócio do escritório Leite, Tosto e Barros Advogados, reafirma que seu cliente nunca ameaçou Mercia Ferreira Gomes. “Ele sequer tinha razões para isso. Quem ganhou apartamento no CDHU foi a irmã da Mercia, Marcia Ferreira Gomes. O sr. Casas Vilela não tem nenhum parente reassentado e vai entrar com pedido de Habeas Corpus para reverter essa prisão descabida, que foi decretada por suposta ameaça ocorrida há três anos”, afirma Araneo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/04/2018
MP abre inquérito sobre Alckmin
São Paulo - O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para investigar o ex-governador e pré-candidato do PSDB à Presidência da...
21/04/2018
Aécio recebeu R$ 110 mi, afirma Joesley
Valores teriam sido distribuídos na campanha do senador à Presidência da República em 2014
20/04/2018
Cumprimento da pena de Maluf em regime domiciliar
Deputado afastado não pode apresentar recurso
20/04/2018
Mello envia ADC do PCdoB ao plenário
Inclusão da ação na pauta de julgamentos do Supremo depende agora da presidente Cármen Lúcia
20/04/2018
Investigações sobre Aécio são prorrogadas
Brasília - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu prorrogar por 60 dias as investigações sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG) no...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.