Publicidade
20/01/2018
Login
Entrar

Internacional

29/08/2017

Ex-procuradora afirma que Maduro desviou US$ 8 mi

ABr
Email
A-   A+
Brasília - O impacto daBrasília - A ex-procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, afirmou ontem, em San Jose, na Costa Rica, que tem provas de um caso em que o presidente de seu país, Nicolás Maduro, desviou entre US$ 8 milhões e US$ 10 milhões. A informação é da EFE.

“Há muitos funcionários comprometidos com o caso de corrupção da Odebrecht, além do presidente Nicolás Maduro, que subtraiu do Fisco entre US$ 8 milhões e US$ 10 milhões em dinheiro e os pagou a uma importante empresa”, disse Ortega em uma entrevista coletiva.
Segundo a ex-procuradora-geral, para a “milionária trama de corrupção” utilizou “como fachada a empresa venezuelana chamada Contextus Comunicação Corporativa”. Essa empresa, de acordo com Luisa Ortega, é propriedade de Mónika Ortigosa, esposa de Alejandro Escarrá, que por sua vez é sobrinho de Hermann Escarrá, membro da Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

Luisa assegurou que recentemente entregou provas desse e de outros casos a “procuradores dos Estados Unidos” e ontem ao procurador-geral da Costa Rica, Jorge Chavarría, que também exerce o cargo de secretário-geral da Associação Ibero-Americana de Ministérios Públicos.

A ex-procuradora-geral destacou que no caso da Odebrecht está envolvido Diosdado Cabello, mas não revelou detalhes do caso, como fez no Brasil, onde disse que o montante ascendia a US$ 100 milhões.

“Tenho muitas provas do último escândalo de corrupção que afeta não só à Venezuela, mas toda a região. Essas provas que envolvem Cabello foram entregues a funcionários das procuradorias de Estados Unidos e Brasil e vamos continuar com outros temas”, afirmou.
A ex-procuradora chegou ontem à Costa Rica e não revelou os detalhes da sua agenda de atividades no país por motivos de segurança. Na entrevista coletiva garantiu que não retornará ao seu país porque sua vida corre perigo, mas ressaltou que seguirá lutando de fora para que na Venezuela “retorne a democracia e a liberdade”.

Destituição - Luisa Ortega foi destituída em 5 de agosto pela ANC, que a acusou de “atos imorais” e apontou que seu marido fazia parte de trama de extorsão que supostamente operava no Ministério Público. Após a acusação, ela abandonou a Venezuela e viajou para a Colômbia, por Aruba.

A ex-procuradora, que foi vinculada ao chavismo, mas se distanciou do governo de Maduro, denunciou a ruptura da ordem constitucional no seu país após duas sentenças do Tribunal Supremo que tiravam competências do Parlamento e limitavam a imunidade dos deputados.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
Paralisação federal não muda o rating
Agência de classificação Fitch diz que nota AAA se mantém, apesar de ameaça de interrupção no governo
19/01/2018
Demanda do País deve ter 1ª alta desde 2014
Previsão do relatório mensal da Opep para o Brasil em 2017 prevê consumo de 30 mil barris/dia ante 2016
19/01/2018
Petrobras espera mesma produção neste ano
Londres - Para este ano, a Opep manteve a projeção de produção de 3,50 milhões de bpd pelo Brasil. A estabilidade da expectativa da oferta, porém, embute...
18/01/2018
Brasil não paga organismos estrangeiros
Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão confirma que contas são quitadas com atraso
17/01/2018
Discussão partidária sobre imigração quase para governo federal
Congresso e Casa Branca têm embate político
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.