Publicidade
19/01/2018
Login
Entrar

Negócios

13/09/2017

Fábrica de ímãs vai gerar 5,6 mil empregos

Capacidade de produção anual da planta, que será instalada em Lagoa Santa, será de 100 toneladas
Leonardo Francia
Email
A-   A+
A Codemig pode produzir 100 toneladas de ímãs por ano/Divulgação
O laboratório-fábrica de ímãs de terras-raras da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) será implantado em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). A planta está recebendo investimentos de R$ 80 milhões, distribuídos em obras civis, compra de equipamentos e estudos de viabilidade, e será a primeira do País na fabricação de ímãs. Apesar de não ter informado a previsão de conclusão das obras e de início das operações, a estimativa da Codemig é de que o empreendimento vai gerar 5,6 mil empregos, entre diretos e indiretos.

Conforme informou a Codemig, até o momento foram investidos R$ 3 milhões, referentes ao contrato com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi), que já entregou o Plano de Negócios e o Projeto Executivo do empreendimento. Com esses documentos entregues, o processo de licitação para a obra civil da fábrica já foi aberto e o investimento projetado é de R$ 33,6 milhões.

Além do custo da obra civil (R$ 33,6 milhões), o restante do montante que completa os R$ 80 milhões refere-se à compra de equipamentos da fábrica e do laboratório. A capacidade anual do empreendimento será de 100 toneladas de ímãs e área construída deve ser de 5,1 mil metros quadrados.

Apesar de o foco do projeto ser o desenvolvimento da tecnologia, a Certi também realizou estudo preliminar para a construção de uma unidade industrial. Outro estudo, este mais robusto, deverá ser feito depois dos primeiros anos de operação do laboratório-fábrica, já que o objetivo do empreendimento é viabilizar o desenvolvimento de toda a cadeia, desde a produção dos óxidos de terras-raras até suas aplicações.

Aplicação - Os produtos de terras-raras que serão usados como matéria-prima para a fabricação dos ímãs serão extraídos no mesmo processo de produção do nióbio pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), líder mundial no mercado do produto, a partir de seu complexo industrial em Araxá, no Alto Paranaíba. A jazida pertence à Codemig e a CBMM também é parceira no projeto.

O projeto pode cobrir uma lacuna porque o mercado internacional desse tipo de ímã forçou os fabricantes a instalarem fábricas em regiões com oferta abundante de matéria-prima, como a China, impondo um monopólio de 97% da produção mundial de óxidos de terras-raras e limitando a exportação por meio de cotas. Como consequência, o mercado nacional passou a ser atendido exclusivamente via importação, o que resulta em volatilidade de preços e escassez de oferta.

Os ímãs de terras-raras são componentes-chave de aplicações intensivas em energia, como aerogeradores e motores elétricos para máquinas industriais, eletrodomésticos, elevadores e carros híbridos e elétricos.

Além da Certi e da CBMM, o projeto conta com a participação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), do Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN) e das empresas Imag e Brats. A Codemig já recebeu Cartas de Interesse de Teste e Desenvolvimento de Produtos utilizando ímãs nacionais de empresas nacionais e estrangeiras.

Terras-raras no Brasil

O Brasil tem uma das maiores reservas de terras-raras do planeta, mas não as explora - o Brasil tem reservas estimadas em 40 mil toneladas cúbicas de terras-raras, contra 36 milhões da China. As ocorrências de terras-raras no território nacional estão associadas a minerais radioativos, o que caracteriza a presença de outros elementos com valor comercial.

Terras-raras no mundo

Cerca de 97% da produção de terras-raras no mundo estão concentradas na China. Essa situação permitiu ao país alterar bruscamente em 2010 os preços dos componentes e estabelecer cotas de exportação, colocando em ameaça o fornecimento para a indústria de todo o mundo.

A China adotou a estratégia do baixo preço, inibindo investimentos no setor em outros países.

Agora, com o setor de produtos de alta tecnologia já desenvolvido, o país restringe a exportação das matérias-primas para não criar concorrentes para sua indústria de bens acabados.

No final de 2010, o preço da tonelada do lantânio, que girava em torno de US$ 5,7 mil, chegou a custar US$ 50 mil após a China, responsável por 97% da produção mundial de terras-raras, limitar a exportação por cotas.

Estados Unidos, Japão e União Europeia já estão buscando alternativas para garantir o suprimento desses materiais, já tendo inclusive solicitado informações sobre o potencial de exploração e produção mineral das terras-raras no Brasil.

Os ministérios de Minas e Energia (MME) e da Ciência Tecnologia e Inovação (MCTI) querem criar uma política para a exploração de minerais conhecidos como terras-raras, que apresentam propriedades químicas e físicas úteis para aplicação industrial em produtos de alta tecnologia

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/01/2018
Trevo conclui joint venture com Ehrmann
Associação entre as duas companhias resultará em um investimento de R$ 200 milhões em 5 anos
19/01/2018
MedLogic apresenta software voltado para o atendimento de idosos
A startup mineira MedLogic está entre as idealizadoras de um projeto inovador que pretende trazer mais qualidade para a saúde dos idosos no Brasil. Junto com empresas britânicas...
19/01/2018
Estudantes desenvolvem bengala para cegos que detecta obstáculos
Um grupo de cinco alunos do 3º ano do curso técnico em informática do Cotemig unidade Barroca, região Oeste de Belo Horizonte, que desenvolveu uma bengala que vibra diante...
18/01/2018
Pharma Nectar abre unidade no exterior
Nova operação vai refletir na fábrica em Minas Gerais, que deve crescer seis vezes em produção
18/01/2018
Governo vai investir R$ 1,8 milhão no artesanato
O edital de fomento ao artesanato, lançado pelo governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), em dezembro, irá...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.