19/07/2018
Login
Entrar




Minas 2032

11/11/2015

Falta estímulo à inovação no País

Luciane Lisboa
Email
A-   A+
Outra crítica do presidente da Fapemig em relação à falta de estímulo à inovação no Brasil é a dificuldade que os estudantes brasileiros têm de pôr em prática, aqui, os ensinamentos aprendidos na academia.

Vilela contou que em recente visita feita à Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, onde estão muitos bolsistas do "Ciência sem Fronteira", o diretor do programa na universidade disse a ele que os estudantes brasileiros são excelentes, que sabem tudo de teoria, mas são muito mal educados.

"Perguntei a ele por quê, e ele me explicou que os alunos brasileiros não conseguem ficar só olhando, quando têm oportunidade querem colocar a mão na massa. Isso acontece porque aqui eles não têm mecanismos para isso. Têm dificuldade de colocar em prática o que aprendem, porque não há peças, ferramentas para isso", ressaltou.

Conforme o presidente da Fapemig, o diretor da universidade norte-americana também criticou a falta de conhecimento dos estudantes brasileiros sobre negócios. Segundo ele, embora fossem excelentes pesquisadores, só pensavam em ciência, não sabiam como tirar o projeto do papel. Por isso ele tinha criado um curso chamado Science plus Bussiness (Ciência mais Negócios) para ajudar nessa parte. "O engraçado é que em 2004 eu fui tentar fazer algo do tipo aqui no Brasil e a Capes não deixou. Mas lá eles deixam. A questão do corporativismo aqui é muito grave e o resultado disso é que nossos estudantes brilhantes acabam não voltando para o País depois de finalizarem os estudos lá fora, o que é lamentável."

Mesmo assim, Vilela disse que continua acreditando muito no País e espera que a crise atual sirva para apresentar novos caminhos. "O que a gente precisa é de políticas públicas focadas no coletivo e na transferência de tecnologia. Criar uma forma de aquilo que nós geramos no meio acadêmico chegue de fato ao mercado", vislumbra.

Leia também

DC Logistics mantém ação para plantio de árvores
BH Shopping reaproveita resíduos para produzir fertilizante
Diversidade: caminho ainda é longo
Promoção está prevista no Objetivos do Desenvolvimento Sustentável 8
MRV reduz emissão de gases do efeito estufa

Inércia - O professor também defende mais investimentos no agronegócio brasileiro, já que hoje a atividade se sustenta praticamente com tecnologia e insumos vindos de fora. "Nós perdemos a transgenia por uma bobagem muito grande. Compramos uma briga que não era nossa (entre a França e a multinacional Monsanto) e proibimos a Embrapa, UFV, Lavras, Piracicaba, entre outras instituições, de fazer soja transgênica. Perdemos porque foi considerado um alimento frankstein. A França inventou isso e nós embarcamos", relatou.

Vilela disse, ainda, que o Brasil precisa aprender a valorizar mais os jovens, já que o maior patrimônio de um país é a juventude. "Nós criminalizamos a agricultura, criminalizamos a mineração e agora estamos criminalizando os jovens. Os universitários brasileiros são um espetáculo. Mas o retorno que estamos dando para eles é péssimo."

Na opinião do professor, a culpa de os jovens não se interessarem mais pelos estudos é do sistema. "Aqui se coloca um menino que nasceu com a internet, que nunca conheceu o mundo sem estar conectado na internet, dentro de uma sala de aula e o proíbe de usar a tecnologia. Aí, exige-se dele que fique duas horas assistindo a uma aula chata de um professor que sabe menos que o Google", criticou.

E continuou: "Quando você questiona isso na universidade, ninguém aceita, porque a instituição envelheceu se autoprotegendo. Existe aquele velho corporativismo que não aceita mudanças, que prefere colocar a culpa do problema no estudante. O jovem é taxado de desinteressado e isso é um perigo, pois nenhum país do mundo cresceu criminalizando a sua juventude", completou.

A solução, segundo o presidente da Fapemig, é criar mecanismos, como as startups, para dar guarida para os estudantes que querem transformar ciência em negócios. "Mas as dificuldades são enormes.  muito difícil conseguir montar um parque tecnológico dentro do campus de uma universidade brasileira. Não se tem apoio quase nenhum do governo. Isso é incompreensível, tendo em vista que tinha que ser uma mania nesse país, uma prioridade. Também é preciso convencer a sociedade brasileira de que a ciência e a tecnologia são parte da salvação desse momento que nós vivemos", concluiu.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

13/07/2018
DC Logistics mantém ação para plantio de árvores
Já foram 25 mil mudas plantadas
13/07/2018
BH Shopping reaproveita resíduos para produzir fertilizante
Reduzir o impacto ambiental e reutilizar materiais que seriam descartados, além de gerar custo zero nos negócios, é bem-visto aos olhos do consumidor e pode fazer com que a...
06/07/2018
Diversidade: caminho ainda é longo
Levantamento mostra que empresas não mantêm programas para melhorar o quadro
06/07/2018
Promoção está prevista no Objetivos do Desenvolvimento Sustentável 8
A promoção da diversidade é um dos interesses dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) promovidos pela Organização das Nações...
13/06/2018
MRV reduz emissão de gases do efeito estufa
Empresa mantém programa em seus escritórios, lojas e obras para diminuir o impacto ambiental da atividade
› últimas notícias
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Antecipação do abono anima CDL-BH
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.