Publicidade
23/09/2017
Login
Entrar

Minas 2032

11/11/2015

Falta estímulo à inovação no País

Luciane Lisboa
Email
A-   A+
Outra crítica do presidente da Fapemig em relação à falta de estímulo à inovação no Brasil é a dificuldade que os estudantes brasileiros têm de pôr em prática, aqui, os ensinamentos aprendidos na academia.

Vilela contou que em recente visita feita à Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, onde estão muitos bolsistas do "Ciência sem Fronteira", o diretor do programa na universidade disse a ele que os estudantes brasileiros são excelentes, que sabem tudo de teoria, mas são muito mal educados.

"Perguntei a ele por quê, e ele me explicou que os alunos brasileiros não conseguem ficar só olhando, quando têm oportunidade querem colocar a mão na massa. Isso acontece porque aqui eles não têm mecanismos para isso. Têm dificuldade de colocar em prática o que aprendem, porque não há peças, ferramentas para isso", ressaltou.

Conforme o presidente da Fapemig, o diretor da universidade norte-americana também criticou a falta de conhecimento dos estudantes brasileiros sobre negócios. Segundo ele, embora fossem excelentes pesquisadores, só pensavam em ciência, não sabiam como tirar o projeto do papel. Por isso ele tinha criado um curso chamado Science plus Bussiness (Ciência mais Negócios) para ajudar nessa parte. "O engraçado é que em 2004 eu fui tentar fazer algo do tipo aqui no Brasil e a Capes não deixou. Mas lá eles deixam. A questão do corporativismo aqui é muito grave e o resultado disso é que nossos estudantes brilhantes acabam não voltando para o País depois de finalizarem os estudos lá fora, o que é lamentável."

Mesmo assim, Vilela disse que continua acreditando muito no País e espera que a crise atual sirva para apresentar novos caminhos. "O que a gente precisa é de políticas públicas focadas no coletivo e na transferência de tecnologia. Criar uma forma de aquilo que nós geramos no meio acadêmico chegue de fato ao mercado", vislumbra.

Leia também

Superar gargalos para garantir a oferta
Brasil, historicamente, é um péssimo vendedor
Planejamento é fundamental
Manter-se em evolução é o maior desafio do agronegócio
Acesso ao conhecimento ainda é restrito no campo

Inércia - O professor também defende mais investimentos no agronegócio brasileiro, já que hoje a atividade se sustenta praticamente com tecnologia e insumos vindos de fora. "Nós perdemos a transgenia por uma bobagem muito grande. Compramos uma briga que não era nossa (entre a França e a multinacional Monsanto) e proibimos a Embrapa, UFV, Lavras, Piracicaba, entre outras instituições, de fazer soja transgênica. Perdemos porque foi considerado um alimento frankstein. A França inventou isso e nós embarcamos", relatou.

Vilela disse, ainda, que o Brasil precisa aprender a valorizar mais os jovens, já que o maior patrimônio de um país é a juventude. "Nós criminalizamos a agricultura, criminalizamos a mineração e agora estamos criminalizando os jovens. Os universitários brasileiros são um espetáculo. Mas o retorno que estamos dando para eles é péssimo."

Na opinião do professor, a culpa de os jovens não se interessarem mais pelos estudos é do sistema. "Aqui se coloca um menino que nasceu com a internet, que nunca conheceu o mundo sem estar conectado na internet, dentro de uma sala de aula e o proíbe de usar a tecnologia. Aí, exige-se dele que fique duas horas assistindo a uma aula chata de um professor que sabe menos que o Google", criticou.

E continuou: "Quando você questiona isso na universidade, ninguém aceita, porque a instituição envelheceu se autoprotegendo. Existe aquele velho corporativismo que não aceita mudanças, que prefere colocar a culpa do problema no estudante. O jovem é taxado de desinteressado e isso é um perigo, pois nenhum país do mundo cresceu criminalizando a sua juventude", completou.

A solução, segundo o presidente da Fapemig, é criar mecanismos, como as startups, para dar guarida para os estudantes que querem transformar ciência em negócios. "Mas as dificuldades são enormes.  muito difícil conseguir montar um parque tecnológico dentro do campus de uma universidade brasileira. Não se tem apoio quase nenhum do governo. Isso é incompreensível, tendo em vista que tinha que ser uma mania nesse país, uma prioridade. Também é preciso convencer a sociedade brasileira de que a ciência e a tecnologia são parte da salvação desse momento que nós vivemos", concluiu.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

11/11/2015
Superar gargalos para garantir a oferta
Ao traçar o panorama da situação atual do agronegócio brasileiro - apresentação que abriu o seminário Minas 2032 - Agronegócio - Desafios e...
11/11/2015
Brasil, historicamente, é um péssimo vendedor
O presidente da Faemg disse ver com muita tristeza a condução da política externa no tocante ao agronegócio. "O Brasil historicamente é um péssimo...
11/11/2015
Planejamento é fundamental
Como não poderia ser diferente, o presidente da Faemg considera fundamental os investimentos em pesquisas de base tecnológica para o avanço do agronegócio. "Chamo a...
11/11/2015
Manter-se em evolução é o maior desafio do agronegócio
Futuro pautado na produtividade, agregação de valor, redução de perdas e desenvolvimento sustentável
11/11/2015
Acesso ao conhecimento ainda é restrito no campo
Como produtor rural, o diretor da Rehgagro Clóvis Correa acredita que o agronegócio tem papel importante na retomada do crescimento da economia brasileira nos próximos anos....
› últimas notícias
Minas Gerais terá planta de grafeno até 2020
Planta da Mercedes em Juiz de Fora opera com estabilidade
Empresariado está mais otimista e Icei atinge o maior nível desde março de 2013, aponta CNI
Carrefour Brasil troca de presidente e anuncia a emissão de R$ 2 bi em notas
Unifei entre as mil melhores universidades do mundo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.