Publicidade
12/12/2017
Login
Entrar

Negócios

12/09/2017

FAZ Makerspace amplia área de atuação

Local passará também a alugar ambientes exclusivos para empresas e empreendedores inovadores
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
O FAZ oferece impressão 3D, corte a laser, prensa térmica para estamparia, entre outros/Alisson J. Silva
Com mais de 300 metros quadrados e localizado em uma das principais vias de Belo Horizonte - a avenida Afonso Pena -, o espaço de cocriação FAZ Makerspace acaba de ampliar a área de atuação. O local que, até então, oferecia espaço e tecnologia para a criação de produtos, passará também a alugar ambientes exclusivos para empresas e empreendedores inovadores, além de oferecer programação de cursos de criação de produtos para diferentes públicos. A expectativa do fundador, Carlos Ribeiro, é triplicar o faturamento da FAZ a partir das novas ofertas.

Inaugurado na Capital há um ano, o espaço é um verdadeiro convite à materialização de ideias inovadoras. O empreendimento tem um modelo de negócios diferenciado de outros fab-labs existentes na cidade, pois oferece espaço criativo e equipamentos de alta tecnologia para qualquer pessoa interessada em criar um produto, sem a necessidade de vinculação a instituições e sem burocracia. Os interessados em utilizar os espaços e equipamentos da FAZ precisam fazer uma reserva e um pagamento que pode ser por hora, diária ou mês.

De acordo com o fundador, o espaço oferece equipamentos de impressão 3D, corte a laser, fresa CNC, prensa térmica para estamparia de camisetas e placas, termoformagem a vácuo, plotter de recorte, dobra de acrílico, bancada de eletrônica, além de várias ferramentas manuais. Ao todo, o fundador investiu R$ 300 mil na estrutura do FAZ.

Os makers, como são chamados os clientes que usam o espaço para produzir, podem utilizar a própria matéria-prima. Mas o FAZ também disponibiliza estoque de produtos, como chapas de madeira, filamentos para impressão 3D, retalhos de acrílico, plástico, entre outros. De acordo com Ribeiro, desde a inauguração, o FAZ já recebeu 550 makers, que utilizam o espaço para diferentes finalidades.

“Há quem venha para produzir um presente e há empreendedores que querem fazer o protótipo de um projeto. O espaço também é um lugar muito interessante para pequenos empresários que querem inovar, mas não têm a estrutura de uma indústria para fazer protótipos e até um primeiro lote”, diz. Ribeiro acredita que espaços como o FAZ são uma tendência, principalmente em Belo Horizonte, que se consolida cada vez mais como uma capital de inovação.

Leia também:
Okay prevê faturar R$ 450 mil
Receita da Obah saltou 30% até agosto


Finit - Ele cita a Mini Maker Faire, feira internacional de makers que acontecerá dentro da Feira Internacional de Tecnologia e Inovação (Finit), na capital mineira, entre outubro e novembro deste ano. “Essa feira será um marco importante para atingir um público mais amplo para a atividade. Aos poucos o espaço maker vai ficando mais conhecido: hoje percebo que as pessoas entendem o que nós oferecemos e qual é o nosso papel. Não somos uma fábrica e nem uma gráfica rápida: somos uma plataforma para criação de negócios”, frisa.

Ao mesmo tempo em que cresce a recepção do negócio, cresce a área de atuação do empreendimento. O fundador explica que a mudança para um espaço maior, ocorrida em junho deste ano, permitiu que o FAZ oferecesse, também, a opção de aluguel de salas exclusivas para empreendedores ou empresas inovadoras. Segundo ele, é uma espécie de coworking diferenciado. “São escritórios para empresas que querem e precisam estar nesse ambiente de criação. Então elas fazem a gestão do escritório e, ao lado, têm acesso ao espaço de criação do FAZ”, explica.

Além disso, o espaço também será utilizado para a oferta de cursos de criação de produtos para diferentes públicos. A programação deve ser divulgada em breve, segundo o fundador. De acordo com ele, a ideia é oferecer opções básicas, como técnicas de uso de ferramentas, mas também cursos especializados, como oficinas de impressão 3D e corte a laser. Outra modalidade que será oferecida pelo FAZ são cursos temáticos, como oficina para construção de carrinho de rolimã e marcenaria. A expectativa do fundador é triplicar o faturamento da FAZ a partir dessas novas ofertas.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

12/12/2017
Minas representa 10,8% do comércio eletrônico nacional
Faturamento do setor no País deve superar os R$ 50 bi em 2017
12/12/2017
Estudo aponta consolidação de circuitos em Minas
Setor segue em crescimento
12/12/2017
Tracksale firma base na Argentina com dois grandes clientes em carteira
O mercado de inovação na Argentina acaba de receber mais um concorrente que vem direto das terras mineiras. Com cinco anos de operação, a Tracksale, que oferece o...
12/12/2017
Segmento de comércio eletrônico é promissor, aponta Fecomércio
O segmento de comércio eletrônico registrou crescimento nominal de 7,4% em 2016, de acordo com levantamento da Ebit, enquanto as vendas físicas recuaram 8,7%, conforme dados do...
12/12/2017
Demoday Trends reúne 84 startups
Uma tarde de inovação e oportunidades de negócios para novos empreendedores e investidores reuniu 84 startups entre as mais promissoras de Belo Horizonte e um público...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.