18/06/2018
Login
Entrar




Internacional

24/05/2018

Fed sinaliza alta dos juros em próxima reunião

Reuters
Email
A-   A+
Banco central dos EUA é encorajado pela força da economia/kevin Lamarque
Washington - A maioria dos membros do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos (EUA), avaliou que outro aumento dos juros seria justificado “em breve”, se a perspectiva econômica do país continuar intacta, mostrou a ata do último encontro de política monetária da instituição ontem.

O documento também trouxe o alerta de alguns membros para a revisão do comunicado de política monetária do Fed em breve, para refletir que os juros poderiam, tão logo, ficar próximos ou acima das estimativas de longo prazo.

Na reunião de 1 e 2 de maio, os membros do Fed decidiram, de forma unânime, como esperado, manter a taxa de juros na faixa entre 1,5% e 1,75%.

“A maioria dos participantes julgou que, se as próximas informações confirmarem, de modo geral, seu cenário econômico atual, provavelmente será em breve apropriado tomar outro passo na remoção da política expansionista”, disse o Fed, na ata.

O banco central elevou os custos de empréstimos uma vez até agora neste ano, em março, e as autoridades estão atualmente divididas entre os que esperam mais dois aumentos este ano e os que preveem três. Entre os investidores, a expectativa é de um aumento dos juros no encontro de 12 e 13 de junho.

O Fed tem sido encorajado pela contínua força da economia, considerando o pacote de cortes tributários da administração Trump e os gastos do governo como impulsos adicionais ao crescimento econômico neste ano.

A taxa de desemprego dos EUA é de 3,9%, mínima de 17 anos e meio, enquanto a inflação está efetivamente na meta de 2% do Fed após anos abaixo dela.

Vários membros do Fed, incluindo o chair Jerome Powell, vêm destacando que irão tolerar uma alta da inflação para acima da meta do Fed por um tempo, sem se preocupar demais.

Segundo a ata, as autoridades, mais uma vez, debateram a trajetória da inflação. Várias delas destacaram que os recentes dados de salário deram “poucas evidências” de superaquecimento no mercado de trabalho, enquanto outras viram um risco de que “limitações de oferta intensificarão as pressões para cima dos salários e dos preços, ou de que possam emergir desequilíbrios financeiros”.

Tensão comercial - Uma fonte de preocupação do Fed tem sido a incerteza com as políticas comerciais protecionistas dos EUA e seus potenciais efeitos negativos sobre a economia.

A ata mostrou que vários membros disseram que a política comercial dos EUA levou a uma série “particularmente ampla” de riscos para a atividade econômica e para a inflação, e alguns disseram que a incerteza pode afetar os gastos das empresas.

Os membros também discutiram possíveis mudanças nos comunicados futuros de política monetária para refletir que os juros estão se aproximando do nível neutro, estimado em algo entre 2,3% e 3,5%.

Por anos, o Fed descreveu sua política monetária como “expansionista”. Alguns membros disseram, na última reunião, que, em breve, poderia ser apropriado revisar a linguagem de orientação futura no comunicado.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/06/2018
EUA impõe tarifas e inicia "guerra" com a China
Em resposta, chineses anunciaram que aplicarão mesma taxa sobre igual volume de produtos americanos
16/06/2018
Venda a chineses pode ser menor em 8 anos
São Paulo - As importações chinesas de petróleo venezuelano podem cair para o menor patamar em quase oito anos em julho, enquanto o produtor da...
16/06/2018
Produção industrial americana recua 0,1% em maio
Washington - A produção industrial dos Estados Unidos diminuiu 0,1% em maio, ante abril, segundo pesquisa divulgada na sexta-feira (15) pelo Federal Reserve (Fed, o banco central...
15/06/2018
Blocos terão primeiro encontro em julho
Reunião de cúpula entre líderes será no México e tem como meta consolidação de acordos pelas partes
15/06/2018
País revela planos para atingir objetivos traçados em programa de ajuda do FMI
Buenos Aires - A Argentina divulgou planos para reduzir seu déficit fiscal e tornar o banco central independente, em uma carta de intenção ao Fundo Monetário...
› últimas notícias
Economistas veem dólar acima de R$3,50 este ano e Selic a 6,5% esta semana, mostra Focus
BDMG reduz juros para MPEs
Valor de dívidas de estados e municípios foi de R$ 594,1 mi
Fazenda critica MP do frete ao STF
Liberação de saque do PIS/PASEP deve injetar R$ 39,3 bi no mercado
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.