Publicidade

FEDERAMINAS - Negócios em Foco

18/02/2017

Federaminas vê como possível retomar crescimento neste ano

Assessoria de Comunicação Federaminas
Email
A-   A+
A elevada queda nas vendas do comércio varejista do País no ano passado, da ordem de 6,2%, conforme levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), teve reflexo na sobrevivência dos negócios do setor. Segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC), foram fechadas 108,7 mil lojas no País em 2016. No entanto, o presidente da Federaminas, Emílio Parolini, acredita que alguns parâmetros indicam, ainda que de forma tímida, que a reversão dessa tendência negativa pode começar a acontecer ainda neste ano.

Ele destaca que a própria pesquisa da CNC registra que o volume de empresas fechadas foi significativamente maior no primeiro semestre. À possível desaceleração da queda no fechamento de empresas se soma uma menor taxa de inflação para o mês (0,38%) registrada em janeiro e o Índice Nacional de Confiança – divulgado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) -, que sinaliza maior otimismo por parte de empresários e consumidores em relação ao futuro. Há ainda a injeção no mercado do volume de recursos relativo ao saque dos saldos de contas inativas do FGTS, bem como a continuidade da tendência de queda da taxa básica de juros, fatores que podem oxigenar a economia.

De acordo com o levantamento divulgado pelo IBGE, no ano passado, a maioria dos segmentos do comércio varejista registrou taxas negativas de vendas, estando entre os principais os hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que recuaram 3,1%, o pior resultado desde 2003.

No entanto, em dezembro de 2016, cresceram as vendas de combustíveis e lubrificantes (2,1%), equipamentos de escritório, informática e comunicação (1,9%), tecidos, vestuário e calçados e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, com alta de 0,1%.

Suporte – Dentro dessa conjuntura ainda bastante difícil para os negócios, o presidente Emílio Parolini chama a atenção para o papel que compete à entidade classista desempenhar, em suporte ao núcleo que representa. No caso da Federaminas, que aglutina cerca de 300 associações comerciais que têm como filiadas principalmente empresas de micro e pequeno portes, a capacitação em gestão e técnicas de vendas e a oferta de mercados alternativos para colocação de seus produtos estão entre os principais instrumentos voltados para a sobrevivência e a manutenção do nível de operações desses segmentos empresariais.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/03/2017
Federaminas empossa diretoria com Emílio Parolini na presidência
Em solenidade com a presença de autoridades e lideranças empresariais de vários estados, o empresário Emílio Parolini toma posse oficialmente na presidência...
18/03/2017
Federaminas completa 63 anos fortalecendo a rede das ACEs
Criada durante a V Reunião Regional das Classes Produtoras Mineiras, realizada em Uberaba, em 1954, por iniciativa das associações comerciais das cidades de Belo Horizonte,...
11/03/2017
TJMG capacita em conciliação integrantes de postos avançados
O Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG) capacitou em conciliação representantes de associações comerciais dos municípios mineiros de...
11/03/2017
Programa Empreender reúne em BH dezenas de entidades
Com a participação de representantes de 25 associações comerciais, a Federaminas realiza em Belo Horizonte o Encontro Estadual do Empreender, nos dias 13 a 15 de...
11/03/2017
Federada de São João del-Rei distingue os melhores do ano
A Associação Comercial de São João del-Rei (Acidelrei) promove em 25 de março o evento Melhores do Ano 2017, com o objetivo de premiar as empresas do...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.