Publicidade
22 de June de 2017
Login
Entrar

Economia

18/03/2017

FGV aponta fatores de risco para economia

Email
A-   A+
Rio e Baden-Baden - Os rumos da reforma da Previdência, o cenário internacional e as eleições de 2018 são os principais fatores de risco para o crescimento econômico no Brasil entre este e o próximo ano, afirmou na sexta-feira Armando Castelar, professor da UFRJ e pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).
Citando as projeções do Ibre/FGV, recentemente revisadas, de crescimento de 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano e de 2,3% em 2018, com inflação controlada (IPCA em 4,1% em 2017 e em 4,3% em 2018), Castelar destacou a importância desses fatores para que o cenário de concretize.

Segundo o pesquisador, o mercado está “precificando” que a reforma da Previdência será aprovada no Congresso Nacional de forma “bastante integral”. “Eu acho que passa e passa ‘bastante integral’, mas não é risco zero”, disse Castelar em palestra no seminário sobre conjuntura promovido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no Rio.
Castelar lembrou que a situação fiscal ainda é delicada e, sem a reforma das regras de aposentadoria ou se a proposta passar “de forma muito ‘aguada’”, os ativos “vão ter que mudar de preço”. “A gente está numa corda bamba fiscal e, se o Congresso não aprovar a reforma da Previdência, pode ter um amargo despertar”, afirmou Castelar.

O pesquisador da FGV pediu atenção ao risco vindo do cenário externo porque, em 2016, os fatores da economia internacional contribuíram muito para a economia brasileira. Houve recuperação das cotações de commodities, o que beneficiou os termos de troca e impulsionou o superávit da balança comercial. Até mesmo os riscos associados à gestão do presidente Donald Trump nos Estados Unidos se dissiparam.

O problema, segundo Castelar, é justamente isso. Da mesma forma que os mercados parecem olhar apenas para aspectos positivos de uma mudança na política econômica americana, ignorando guinadas negativas, tudo pode mudar. Para piorar, assim como há poucas explicações sobre os motivos para esse comportamento dos mercados, é difícil prever razões para uma virada no sentido do aumento do risco.

Por fim, o risco eleitoral de 2018 começará a entrar no radar. “Com a taxa de desemprego elevada, não vai ser simples. Há vários políticos com plataformas populistas à direita e à esquerda”, disse Castelar, lembrando que, quanto mais rapidamente as reformas forem aprovadas e o crescimento econômico voltar, mais difícil será uma plataforma populista sair vencedora nas eleições.

Meirelles - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse na sexta-feira que a primeira vez que declarou que o Brasil já mostrava sinais de crescimento foi recebido com ceticismo por parte da imprensa e uma dose de crítica também. Ele disse que para fazer essa análise se baseava em alguns indicadores, como a venda de papelão ondulado e consumo de energia, por exemplo, que são antecedentes do ritmo da atividade. As declarações foram feitas durante entrevista coletiva ao final do primeiro dia da reunião financeira do grupo dos 20 países mais ricos do mundo (G-20), em Baden-Baden, na Alemanha.

“A indicação era de que o Brasil estava no rumo certo e o dado do Caged de ontem (quinta-feira) confirma isso”, afirmou. (AE)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/06/2017
Betim terá sistema viário de R$ 250 milhões
O empreendimento reunirá indústria, comércio e serviços, com previsão de aportes de R$ 1 bi em dez anos
22/06/2017
Desembolsos do BNDE para Minas Gerais caem 3% até maio
Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para Minas Gerais caíram 3%, em valor, entre janeiro e maio deste ano frente ao mesmo período de...
22/06/2017
Especialistas alertam para aumento nos teores de ferro e alumínio no rio Doce
Brasília - O vazamento de rejeitos de mineração da barragem da Samarco em Mariana (MG), em novembro de 2015, afetou profundamente o meio ambiente, enfatizaram ontem...
22/06/2017
Preços dos imóveis estão em alta na região da Savassi
Valor do metro quadrado está 152,2% acima da média na Capital
22/06/2017
Setor movimentou R$ 354,4 bilhões em 2015, segundo o IBGE
Rio - O valor das incorporações, obras e serviços realizados pelas empresas de construção somaram R$ 354,4 bilhões em 2015, queda de 16,5% em termos...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.