Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

DC Auto

24/03/2017

Fiat Chrysler Automobiles em compasso de espera

Rogério Machado*
Email
A-   A+
Sergio Marchione, CEO do Grupo FCA/Rogério Machado
Quando a General Motors anunciou a venda das marcas Opel e Vauxhal, no início desse ano, estava claro que outros movimentos no setor automotivo iriam se processar. O comprador foi ninguém menos que o grupo PSA (detentor da Peugeot e da Citroën) que, com a aquisição, deu um passo importante, saltando para a segunda posição na lista das maiores montadoras europeias.

Uma má notícia para seus concorrentes diretos, entre os quais, a FCA (Fiat Chrysler Automobiles). Embora a FCA tenha sido formada recentemente, em 2014, suas raízes vêm de 2009, quando a Fiat se uniu à Chrysler para reverter o declínio provocado pela crise financeira aquele ano.

A Fiat lidava com inúmeros problemas domésticos na época e esse coquetel administrativo culminou na formação da FCA, mantendo a gestão distante das intempéries italianas.
A operação da FCA foi bem-sucedida no que se refere à marca Jeep, mas a volta da Fiat aos Estados Unidos não teve o retorno esperado. Um elevado número de concessionários americanos da marca está deficitário.

Interessante observar que, enquanto as maiores montadoras do planeta se voltam para o futuro do automóvel, tanto no aspecto energético quanto do carro autônomo, não se percebe grandes movimentos por parte do grupo italiano.

Por trás de todo esse processo, vale lembrar que a filial da montadora, aqui em Betim (MG), sempre serviu de suporte financeiro, atingindo um desempenho excepcional durante vários momentos difíceis para a Fiat no cenário internacional.
A crise brasileira compromete de modo importante este suporte que durante muitos momentos foi vital.

Nos bastidores do recente Salão de Genebra (Suíça), as especulações que já circulavam, desde o início de 2016, sobre uma eventual fusão da FCA com alguma concorrente no setor automotivo, saíram definitivamente do armário.

No início, o interessado era o grupo chinês Guangzhou Automobile Group, depois, foi a General Motors e, mais recentemente, a Volkswagen. O fato é que, pelo que já vimos anteriormente em outras fusões, é comum o uso da fase especulativa para tornar a mesa de negociações mais favorável para o vendedor.

Além disso, é evidente desde 2016 o movimento do grupo FCA para se tornar mais atraente, seja através de intervenções sobre os produtos oferecidos ou mesmo a partir da redução do custo operacional das unidades que estão deficitárias, o que inclui o Brasil.
O CEO da FCA, Sergio Marchione, hoje com 64 anos, já havia anunciado sua aposentadoria para o início de 2019, o que indica uma corrida contra o relógio.

*Colaborador

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/10/2017
Hilux ganha versão Challenge para 2018
Picape média passa a contar com onze versões e o utilitário SW4 amplia oferta para até sete versões
20/10/2017
Os dois modelos receberam 5 estrelas nos testes de segurança
Tanto a Hilux como o SW4, em suas linhas 2018, seguem equipados com motores diesel e flex. O motor 2.8 litros de quatro cilindros em linha com 16 válvulas, DOHC com corrente de...
12/10/2017
Novo Polo Highline é testado durante evento itinerante da marca
Modelo avaliado tem motor 1.0 turbo
12/10/2017
Itens de segurança levados à prova na pista
Fomos à pista do Mega Space para testar os equipamentos que garantem a segurança ativa do novo Polo. Entre eles, podemos destacar o controle de tração (TC), que é...
06/10/2017
Nova Frontier está pronta para a disputa
Picape da Nissan conta, agora, com bom pacote tecnológico, conforto e powertrain de respeito
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.