Publicidade
24/05/2018
Login
Entrar

Economia

10/02/2018

GE adota modelo de montadoras de veículos

Planta da companhia em Contagem, na RMBH, agora conta com linha de montagem em movimento
Ana Amélia Hamdan
Email
A-   A+
A linha se move a uma velocidade entre 1,15 metro/hora e 2,20 metros /hora/Divulgação
O conceito é antigo, mas ganhou nova aplicação: a unidade da GE Transportation, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, pegou “emprestado” o modelo da linha de montagem em movimento das montadoras de automóveis e está utilizando-o para a produção de locomotivas. É a chamada Mix Moving Line. A empresa não revela os valores de investimento. Segundo o diretor industrial da GE Transportation LatAm, Afonso Borges, o sistema inédito garantiu redução de 20% no tempo de montagem das locomotivas e melhor aproveitamento do espaço fabril, entre outros ganhos. Com isso, há redução de custos na fabricação e do tempo de entrega da máquina, além do aumento da produtividade e da competitividade.

De acordo com Borges, essa é a primeira vez que uma indústria de locomotiva implanta esse modelo de produção. A inovação pode ser adotada por outras unidades da GE que fabricam locomotivas, como a localizada nos Estados Unidos. Ele explica que o modelo atende à mentalidade de produção enxuta e, como é absolutamente transparente, idealizado utilizando conceito amplamente adotado, pode ser levado para as outras unidades.

Até então, as locomotivas eram produzidas na linha de produção estacionária, ou seja, a máquina ficava estática durante a sua montagem. Agora, ela é tracionada por correntes, a baixa velocidade – já que é pesada – durante sua montagem. A Mix Moving Line se move em uma velocidade entre 1,15 metro/hora e 2,20 metros /hora.

Pelo novo processo, podem ser fabricados diversos modelos de locomotiva.  De acordo com a GE, esse é outro ganho da nova linha de produção. A Mix Moving Line é projetada para que diferentes modelos de locomotivas sejam montados em uma mesma linha em movimento.

Todo o sistema é acompanhado remotamente. A estrutura é conectada com sensores que identificam o andamento das etapas de fabricação, de forma que atrasos e outros problemas são informados em tempo real por software desenvolvido para gerir a linha.

Para a implantação do novo modelo de produção, está sendo usada a mesma estrutura da fábrica, que passou a ter melhor aproveitamento. Segundo Borges, houve economia de 1.250 metros quadrados de espaço fabril. Não houve alterações significativas no quadro de pessoal. É basicamente o mesmo layout, sendo usado de maneira diferente.
Os principais mercados consumidores são operadores logísticos nacionais, como Vale e MRS, além de clientes da América Latina e África.

Estudos - Segundo Afonso Borges, os estudos para implantação do novo processo de produção foram iniciados há quatro anos, com análise do conceito de manufatura enxuta, sempre com observação de aplicação e benefícios. Nesse período, foram realizados cerca de 100 testes com a utilização de protótipo.

Inicialmente, foi criada uma célula pequena de produção, dentro da unidade fabril. À medida que o projeto foi avançando, o conceito foi aplicado em outras áreas. Para tal foi usado o processo japonês de desdobramento da estratégia.

A implantação da Mix Moving Line na unidade de Contagem faz parte da iniciativa da GE de se tornar uma operação de classe mundial até 2020, baseada em cinco pilares: segurança, qualidade, entrega, custos e pessoas. Com isso, a empresa busca ser competitividade mundial.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/05/2018
Preço do etanol acompanha alta da gasolina na Capital
Associação de produtores alerta para risco de colapso
24/05/2018
Plano Diretor da Capital é questionado
Sinduscon defende crescimento sustentável das construções, com participação da sociedade nas discussões
24/05/2018
Sem acordo, caminhoneiros decidem continuar greve
Brasília - Caminhoneiros continuarão de braços cruzados hoje depois do fracasso de uma reunião da categoria com representantes do governo federal na tarde de ontem,...
24/05/2018
Biomm aciona Anvisa para liberar remédio
Medicamento no qual a fábrica de insulina humana já gastou R$ 180 mi ainda não tem registro aprovado
24/05/2018
Quatro de cada cinco empresas do País planejam investimentos para este ano
› últimas notícias
Mestre-Cervejeiro está em expansão
Preço do etanol acompanha alta da gasolina na Capital
Plano Diretor da Capital é questionado
Sem acordo, caminhoneiros decidem continuar greve
Biomm aciona Anvisa para liberar remédio
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


25 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.