Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Internacional

10/10/2017

GM almeja liderar mercado de veículos elétricos no Cone Sul das Américas

Email
A-   A+
São Paulo - O presidente da General Motors para o Mercosul, Carlos Zarlenga, afirmou ontem que a montadora norte-americana quer liderar o mercado de veículos elétricos no bloco econômico nos próximos anos.

Falando durante o Congresso Autodata Perspectivas 2018, o executivo afirmou que a GM tem como meta lançar 20 produtos elétricos no mundo nos próximos cinco anos.
“Se somos líderes no Mercosul (em vendas), temos que liderar em eletrificação”, falou o executivo. “Para liderarmos no Mercosul, vamos ter que trabalhar isso no Brasil também”, acrescentou Zarlenga, sem dar mais detalhes.

O executivo comentou que a venda de um veículo na região gera uma média de “US$ 25 mil a US$ 30 mil, incluindo pós-venda, mas se você pensar nos ganhos que tecnologias como veículos autônomos poderão gerar, isso sobe para US$ 500 mil ao longo da vida útil do veículo”, ponderou Zarlenga.

O executivo comentou à Reuters que o mercado brasileiro deverá passar por uma “evolução muito rápida” nos próximos anos.

Ele acrescentou que a GM deve anunciar novos investimentos no Brasil em breve. A empresa já anunciou investimentos de R$ 4,5 bilhões entre este ano e 2020, dentro de um pacote de R$ 13 bilhões que vem sendo aplicado desde 2014.

“Não acabamos com anúncios de investimento e vamos ter mais um proximamente”, afirmou o executivo na apresentação durante o congresso.

Lançamentos - Questionado pela Reuters sobre o foco da GM nos próximos investimentos, Zarlenga comentou que a montadora pretende ter lançamentos “em segmentos novos em que ainda não participamos”. Um exemplo é o utilitário esportivo Equinox, que teve vendas no País anunciadas pela montadora neste ano.

A categoria de SUVs foi uma das poucas a apresentar crescimento durante a crise do mercado nacional e tem continuado a atrair interesse, com novas entrantes no País, como a sul-coreana Ssangyong, que pretende voltar a exportar seus modelos de SUV e picapes para o Brasil a partir de 2018.

“Temos uma expectativa muito forte sobre a Equinox, segmento em que não estamos”, revelou Zarlenga, que espera um crescimento do mercado brasileiro de veículos em 2018 de 7% a 16%, para algo entre 2,4 milhões e 2,6 milhões de unidades.

Mais cedo, em apresentação gravada para o congresso, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, afirmou que a entidade prevê que as vendas de veículos no País cresçam dois dígitos no próximo ano, ante uma expansão projetada para 2017 de 7,3%.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.