Publicidade
18/01/2018
Login
Entrar

Economia

14/11/2017

Governo mineiro concederá MG-424 à iniciativa privada

Serão R$ 400 milhões para um período de 25 anos
Mara Bianchetti
Email
A-   A+
O plano prevê a construção de contornos nos municípios de Matozinhos e Prudente de Morais/Divulgação
Após dois anos e meio de pesquisas e estudos técnicos, o governo de Minas Gerais vai enfim lançar o edital para concessão da MG-424 à iniciativa privada. De acordo com o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Murilo Valadares, são estimados R$ 400 milhões de investimentos para um período de 25 anos no trecho que vai de Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), até Sete Lagoas, na região Central.

Na próxima semana, serão realizadas audiências públicas nas cidades de Sete Lagoas, Matozinhos (20), Pedro Leopoldo e Belo Horizonte (21). Após esse período, em 15 dias, será publicado o edital para uma concorrência no modelo de parceria público-privada (PPP).

Segundo o secretário, cerca de 60 quilômetros de extensão de rodovia deverão ser privatizados. Para isso, duas praças de pedágio deverão ser construídas no trajeto que vai da Região Metropolitana de Belo Horizonte até Sete Lagoas.

A previsão, segundo Valadares, é que no final de 2018 parte da estrada já esteja sob concessão da iniciativa privada e melhores condições de trafegabilidade. De acordo com ele, a taxa paga pela população trará melhorias, como redução de fluxo, infraestrutura, segurança, entre outros benefícios.

O plano prevê a construção de contornos nos municípios de Matozinhos e Prudente de Morais, retirando de dentro das cidades o trânsito que a rodovia recebe diariamente. Além de novas pistas, serão construídas pontes, além de viadutos e passagens especiais.

O projeto integra a proposta lançada pelo governo mineiro em meados de 2015 de conceder à iniciativa privada a malha rodoviária estadual e federal que corta o Estado. Ao todo são 28,7 mil quilômetros de extensão, a maior malha do Brasil.

Entre os benefícios da modelagem adotada pelo governo à época, em forma de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), estão a desoneração dos gastos estaduais em parte de suas despesas em investimentos e manutenção de vias; a geração de empregos; a redução de acidentes e mortes; e atração de indústrias.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/01/2018
Preço do gás de cozinha cai 5% nas refinarias a partir de sexta-feira
O preço do botijão do gás de cozinha (GLP) cairá 5% a partir de amanhã (19) nas refinarias da Petrobras em todo o país e os reajustes do botijão...
18/01/2018
Sigma investirá R$ 230 mi em projeto de lítio
As inversões serão feitas no biênio 2018/2019 para exploração e produção em Araçuaí e Itinga, no Jequitinhonha
18/01/2018
Saída da BHP Billiton deve favorecer retomada das operações da Samarco
São Paulo - O retorno às operações da mineradora Samarco poderá ser mais fácil caso a Vale seja a única dona da empresa, controlada também...
18/01/2018
Leilões devem atrair players globais
Certames para geração renovável previstos para este ano devem contar com gigantes do setor
18/01/2018
Indicador da FGV aponta superávit recorde em 2017
Rio - O superávit da balança comercial atingiu o montante recorde de US$ 67 bilhões em 2017, segundo os dados do Indicador do Comércio Exterior - Icomex, divulgado...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.