22/07/2018
Login
Entrar




Negócios

11/07/2018

Hermes Pardini compra fatia do Psychemedics

Operação envolve 55% do capital da empresa de toxicologia e deve movimentar R$ 45,2 milhões
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Ferreira: decisão segue a estratégia do grupo de diversificação de tecnologias e ampliação do portfólio/Leo Lara - Divulgação
O Grupo Hermes Pardini dá mais um passo em sua estratégia de diversificação de tecnologias e ampliação de portfólio com o anúncio da compra de 55% do capital da Psychemedics Brasil, uma das mais respeitadas empresas de toxicologia do País. O valor da aquisição é de R$ 45,2 milhões, mas ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O investimento abre portas para uma nova aposta da empresa: a criação de uma unidade de negócios dedicada ao segmento de toxicologia.

O vice-presidente Comercial e de Marketing do Grupo Hermes Pardini, Alessandro Ferreira, explica que a empresa já oferecia alguns exames de toxicologia, desde março deste ano, quando o grupo comprou a empresa Labfar. Trata-se de exames a partir de amostra de urina ou sangue e que detectam a presença de drogas cujo consumo aconteceu recentemente. Com a aquisição da Psychemedics Brasil, o grupo passará a oferecer, também, exames de toxicologia de janela ampliada, que é realizado a partir de amostras de fios de cabelo e que são capazes de detectar drogas consumidas até seis meses antes da coleta.

“Até então fazíamos exames toxicológicos para aplicação ocupacional, que é realizado, por exemplo, para a detecção de componentes no sangue do trabalhador exposto a determinado ambiente de trabalho, e também para aplicação clínica, que pode ser para auxiliar o médico em relação à dosagem de determinada droga. Com a Psychemedics Brasil passamos a atuar também na área forense, que é para detecção de drogas de abuso”, explica.

O executivo afirma que a decisão do grupo de ampliar sua área de toxicologia segue uma estratégia do Hermes Pardini de diversificação de tecnologias e ampliação de portfólio, mas também é uma resposta à demanda de mercado. De acordo com ele, a procura por exames toxicológicos está crescendo no Brasil desde 2015, quando a Lei Federal 13.103 tornou obrigatória a realização de testes que detectam o uso de drogas para motoristas profissionais das categorias C, D e E. A lei especifica que o exame precisa detectar o uso de drogas em um período de 90 dias antes da realização do teste.

“A lei abre um novo mercado para o Hermes Pardini, que poderá oferecer o teste para dois públicos diferentes: para os motoristas que precisam tirar ou renovar a carteira e para as empresas que precisam contratar ou demitir motoristas”, afirma. O executivo lembra que os exames também estarão disponíveis para os 5.300 laboratórios no Brasil, que já são clientes do Hermes Pardini em outros tipos de exame. “Nosso objetivo é promover acesso à tecnologia em saúde, independente de onde pessoa mora e, por isso, essa atuação Lab-to-Lab é tão importante”, diz.

Ferreira explica que a aquisição de 55% do capital da Psychemedics Brasil no valor de R$ 45,2 milhões já foi aprovado no Conselho Administrativo do Hermes Pardini, mas ainda depende da aprovação do Cade.

Efeitos positivos - O executivo afirma que a expectativa é que a aquisição gere resultados significativos para o grupo, mas ele não pode divulgar metas enquanto o Cade não aprovar. De acordo com ele, a Psychemedics Brasil realiza, em média, 70 mil exames por mês, tendo faturado R$ 132 milhões em 2017.

“Esse é um mercado que cresce mais de 20% por ano, então as perspectivas são positivas. Além disso, o grupo Hermes Pardini e a Psychemedics Brasil têm grande sinergia em pesquisa e desenvolvimento, então estamos apostando em novas pesquisas, que poderão gerar inovação na área clínica com soluções que ajudam os médicos a chegarem em seus diagnósticos”, afirma.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
CasaCor Minas começa em agosto
Edição deve atrair cerca de 50 mil pessoas até setembro e gerar 550 novos negócios
21/07/2018
Empresas usam redes como ferramenta de gestão
Nos últimos três anos, os pequenos negócios no Brasil apostaram na informatização e na utilização de novas ferramentas digitais, em especial nas...
21/07/2018
Profissionais precisam reagir com ânimo à crise
O cenário político e econômico atual faz com que instabilidade tome conta nas empresas. O resultado disso são as várias demissões que ocorrem, deixando um...
21/07/2018
IDEIAS | A melhor forma para se tornar uma empresa inovadora
O mundo está cada vez mais dinâmico e os consumidores mais empoderados. Por isso, inovar é o caminho natural das empresas, que precisam estar em constante...
21/07/2018
Funcionários não conseguem se desligar do trabalho durante as férias
Manter completa distância do trabalho durante o período de férias talvez seja coisa do passado. De acordo com uma pesquisa da Robert Half realizada em maio de 2018, com base...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.