Publicidade
11/12/2017
Login
Entrar

Economia

12/10/2017

Horário de verão: consumo deve cair

Cemig estima que a demanda máxima em sua área de concessão vai recuar 4%
Reuters
Email
A-   A+
Total que deve ser economizado é suficiente para abastecer Belo Horizonte por nove dias, segundo a estatal mineira/Grupo Rede/Divulgação
São Paulo - O horário de verão, que começa à zero hora do domingo, 15, deve permitir à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) uma redução de 350 megawatts (MW) de potência em sua demanda máxima de energia, o que equivale a 4%, informou, na quarta-feira, a companhia. O montante, explica a empresa, é suficiente para abastecer a demanda de pico de um município de 800 mil habitantes.

Com relação ao consumo de energia, a redução esperada é de até 0,5%, que representa cerca de 110 mil megawatts-hora (MWh), suficiente para abastecer Belo Horizonte por nove dias.

Para os consumidores comerciais e residenciais, a Cemig estima que o consumo de energia pode reduzir até 5%, devido ao menor tempo de utilização da iluminação artificial.

Em nota, a companhia mineira lembra que a redução no consumo de energia é um benefício secundário, porém desejável, em especial tendo em vista o cenário hidrológico desfavorável.

Neste ano, o governo federal chegou a cogitar não estabelecer o horário de verão, após estudos realizados pelo Ministério de Minas e Energia apontarem que a medida não se justifica, do ponto de vista do setor elétrico, tendo em vista que o atual horário de pico de consumo ocorre entre 14 horas e 15 horas, quando o uso de ar-condicionado é mais intenso, e não mais entre 17 horas e 20 horas.

Ainda assim, o engenheiro de planejamento energético da Cemig, Wilson Fernandes Lage, defende que a medida tem como objetivo aumentar a segurança da operação do sistema elétrico brasileiro e salienta que a alteração do horário não tem relação com o aumento do consumo de energia decorrente das altas temperaturas. “Devido a esse aumento, o consumo na parte da tarde não é alterado com o horário de verão, mas a mudança colabora para que não haja a ocorrência de um segundo pico de consumo, já que as pessoas passam a aproveitar por mais tempo a luz natural do dia, evitando assim a ligação simultânea de chuveiros, por exemplo, e da iluminação artificial”, explica.

“Nesse período, há uma redução da demanda máxima por energia durante o horário de pico de consumo, que ocorre entre 18 e 23 horas”, afirma, em nota.

De acordo com as avaliações do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), nos últimos anos o horário de verão alcançou uma redução média de 4,5% na demanda no horário de pico e uma economia diária de 0,5%. A economia tida no período em que o horário de verão vigora equivale à demanda de uma cidade como Brasília durante 30 dias.

Leia também:
Governo avalia acordo Aneel reduz o ritmo de fiscalização com a Cesp
Aneel reduz o ritmo de fiscalização


Ganhos - Além disso, o ONS estima que os ganhos com o horário de verão chegam a R$ 147 milhões. Esse valor representa o custo evitado em despacho de usinas térmicas por questões de segurança elétrica e atendimento à ponta de carga no período de vigência desse horário.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

08/12/2017
Governo quer mais celeridade nos processos
Plano de Eficiência Ambiental permitirá aprovações concomitantes das diferentes etapas de um empreendimento
08/12/2017
Vulcabras investirá R$ 100 mi em suas três fábricas em 2018 para ganhar em produtividade
São Paulo - A fabricante de calçados Vulcabras retomou investimento em seu parque fabril e está se preparando para reativar sua marca voltada ao público feminino...
08/12/2017
Indústria fecha 2017 com bons resultados e prevê geração de 20 mil postos de trabalho em 2018
São Paulo - A indústria têxtil deve encerrar 2017 com crescimento de 3,5% na produção de vestuário, alcançando 5,9 bilhões de peças....
08/12/2017
Trabalhadores mantêm a greve
Sem consenso com o governo estadual, imbróglio deverá ser resolvido na Justiça
08/12/2017
BNDES planeja se desfazer de 10% das participações em grandes grupos privados
Rio de Janeiro - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve se desfazer de, pelo menos, 10% das participações que possui em grandes grupos privados. O...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.