Publicidade
13/12/2017
Login
Entrar

Finanças

08/12/2017

IGP-DI registra elevação de 0,80% em novembro

AE
Email
A-   A+
Rio - O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou alta de 0,80% em novembro, ante um aumento de 0,10% em outubro, divulgou na quinta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado do indicador ficou acima do intervalo das estimativas do mercado financeiro, que previam um avanço de 0,53% a 0,79. Com o resultado, o IGP-DI acumulou uma redução de 1,15% no ano e queda de 0,33% em 12 meses.

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-DI. O IPA-DI, que representa o atacado, teve alta de 1,06% em novembro, após a queda de 0,03% registrada em outubro. Os preços dos produtos agropecuários no atacado medidos pelo IPA Agrícola subiram 0,85% em novembro, após terem avançado 0,37% em outubro, dentro do IGP-DI, informou a FGV. Já os produtos industriais, mensurados pelo IPA Industrial, registraram avanço de 1,14% em novembro, depois de uma redução de 0,16% no atacado em outubro.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram elevação de 0,61% em novembro ante uma alta de 0,29% em outubro. Já os Os preços dos bens intermediários avançaram 1,98% em novembro, depois de terem subido 1,22% em outubro. Os preços das matérias-primas brutas registraram alta de 0,52% em novembro ante uma queda de 1,92% no mês anterior.

Consumidor - O Índice de Preços ao Consumidor - Disponibilidade Interna (IPC-DI) que apura a evolução de preços no varejo, teve um aumento de 0,36% em novembro, ante uma elevação de 0,33% em outubro. O núcleo do IPC-DI de novembro subiu 0,23%, após um aumento de 0,24% em outubro. O núcleo do IPC-DI é usado para mensurar tendências e calculado a partir da exclusão das principais quedas e das mais expressivas altas de preços no varejo. Ainda de acordo com a FGV, o núcleo acumulou uma elevação de 2,83% no ano. A taxa do núcleo acumulada em 12 meses foi de 3,30%.

Três das oito classes de despesa tiveram taxas de variação mais elevadas. A contribuição de maior magnitude para o avanço do IPC-DI partiu do grupo Transportes, que passou de 0,08% em outubro para 0,80% em novembro, sob influência do item gasolina, cuja taxa saiu de -0,18% para 3,17% no período.

Os demais acréscimos ocorreram em Educação, Leitura e Recreação (de -0,12% para 0,33%) e Habitação (de 0,70% para 0,77%), sob impacto de passagem aérea (de -6,88% para 3,88%) e tarifa de eletricidade residencial (de 3,37% para 3,98%), respectivamente

Na direção oposta, as taxas foram menores em Alimentação (de 0,24% para -0,26%), Despesas Diversas (de 0,32% para 0,08%), Comunicação (de 0,55% para 0,40%), Vestuário (de 0,05% para 0,01%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,42% para 0,39%), com destaque para os itens hortaliças e legumes (de 10,29% para -3,91%), cigarros (de 1,02% para 0,02%), tarifa de telefone móvel (de 1,37% para -0,04%), roupas (de 0,19% para -0,01%) e medicamentos em geral (de 0,17% para 0,08%), respectivamente.

O núcleo do IPC-DI registrou alta de 0,23% em novembro, ante avanço de 0,24% em outubro. Dos 85 itens componentes do IPC, 37 foram excluídos do cálculo do núcleo. O índice de difusão, que mede a proporção de itens com aumentos de preços, foi de 50,30% em novembro, 7,10 pontos porcentuais abaixo do resultado de 57,40% registrado em outubro.

Construção - Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI), que mensura o impacto de preços na construção, apresentou aumento de 0,31% em novembro, depois de ter registrado uma alta também de 0,31% em outubro. O aumento nas despesas com materiais e serviços na construção acelerou a inflação do setor IGP-DI.  O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços subiu 0,67% no último mês, ante um crescimento de 0,24% no mês anterior. O índice que representa o custo da mão de obra teve ligeira alta de 0,01% em outubro, depois de uma queda de 0,08% em setembro. O período de coleta de preços para o índice de novembro foi do dia 1º ao dia 30 do mês.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

13/12/2017
Presidente do Banco Central alerta para risco de bolha em mercado de moedas virtuais
O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn , alertou para o risco de bolha no mercado de moedas virtuais. “Moedas virtuais do jeito que estão hoje com essa subida vertiginosa,...
13/12/2017
Bolsa sobe 1,3% com julgamento de Lula
São Paulo - O principal índice da bolsa paulista fechou na máxima ontem, ganhando impulso na reta final após a definição de data para o julgamento de...
13/12/2017
Instituições privadas devem seguir redução de spread, diz ministro
São Paulo - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse ontem que os bancos públicos estão baixando o spread bancário, o que deve estimular...
13/12/2017
Taxa Selic pode cair ainda mais
Copom também sinaliza que reformas são essenciais para manter inflação baixa
12/12/2017
PIB do Brasil deve crescer acima do esperado neste ano
Entidades revisaram para cima suas projeções
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.