Publicidade
12/12/2017
Login
Entrar

Economia

12/10/2017

Ilan avalia que perspectiva para a economia global é benigna para o Brasil

AE
Email
A-   A+
Brasília - O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, defendeu nesta quarta-feira, a continuidade das reformas e dos ajustes na economia para o Brasil. “Gostaria de enfatizar que é essencial continuar com as reformas e os ajustes para manter o crescimento sustentável e a baixa inflação”, afirmou Ilan ao falar durante as reuniões do Encontro Anual do Fundo Monetário Internacional (FMI), que ocorre nos Estados Unidos.

Em sua fala, Ilan também retomou uma série de ideias presentes em documentos anteriores da autoridade monetária e em suas declarações públicas mais recentes. Segundo ele, a perspectiva para economia internacional é benigna para emergentes, mas não se deve esperar que isso dure para sempre.

Ilan disse que a economia brasileira está vivendo um período de desinflação, taxas de juros reais menores e recuperação econômica. De acordo com o presidente do BC, isso é resultado de reorientação da política econômica e de uma firme posição da política monetária.

Ilan também voltou a destacar medidas implementadas no âmbito da Agenda BC+, de mudanças estruturais. Entre elas, a aprovação de lei sobre garantias, a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP) e a proposta do cadastro positivo, em tramitação no Congresso.

Ele citou ainda novas ferramentas previstas na medida provisória 784 (MP da Leniência), mas não fez nenhuma menção ao fato de esta MP estar ameaçada. Depois de não ter sido votada na terça-feira, 10, na Câmara por falta de quórum, a medida pode caducar, já que seu prazo vai até dia 19.

Selic - O presidente do Banco Central afirmou ainda que o Comitê de Política Monetária (Copom) vê como apropriada a redução do ritmo de corte da Selic (a taxa básica de juros) no próximo encontro. Atualmente em 8,25% ao ano, a Selic será novamente discutida no encontro do Copom dos dias 24 e 25 de outubro.

Ilan destacou ainda que o cenário básico do Copom não mudou desde o último encontro e desde o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado em 21 de setembro. “As condições prescrevem política monetária acomodatícia”, disse. Segundo ele, isso significa taxa de juros abaixo da taxa estrutural.

Segundo Ilan, a recuperação do investimento é o próximo passo para um crescimento sustentável.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

12/12/2017
VÍDEO | Juca Ferreira, Secretário Muncipal de Cultura de BH
12/12/2017
Samarco dá passo para retomar operações
Pedidos de licença prévia e de licença de instalação para uso da cava Alegria do Sul são aprovados
12/12/2017
Lojistas dos shoppings de BH apostam em bons resultados
Otimista, setor adota estratégias para atender incremento da demanda
12/12/2017
Quantidade de devedores se mantém estável no País
O número de devedores no Brasil ficou estável em novembro em relação a outubro, com uma variação de 0,15%. Em comparação com o mesmo...
12/12/2017
Entidades vão à Justiça contra grandes voos no Aeroporto da Pampulha
Associações de moradores da região e a AV Norte contestam portaria do Ministério dos Transportes
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.