Publicidade
22 de May de 2017
Login
Entrar

Agronegócio

17/02/2017

Importação de café gera embate entre os produtores e a indústria

Diante da autorização, pelo Conselho Executivo da Camex , a estratégia será recorrer a Michel Temer
Michelle Valverde
Email
A-   A+
A importação pode afetar a rentabilidade do setor/Cleverson Beje/Faep/Divulgação
Enquanto a indústria brasileira do café comemora a possibilidade de compra no mercado externo, com estabelecimento da cota de 1 milhão de sacas de 60 quilos e a redução do imposto para a importação do conilon de 10% para 2%, o setor produtivo segue apreensivo e vai recorrer ao presidente da República, Michel Temer, para tentar impedir a liberação. A decisão quanto à possibilidade de o País importar o grão deve ser anunciada nas próximas semanas pela Câmara de Comércio Exterior (Camex). Na última quarta-feira, o Comitê Executivo de Gestão do órgão aprovou a importação.

O pedido de autorização de compra do grão no mercado externo foi feito pela indústria do café torrado, moído e solúvel ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em decorrência da baixa oferta do café no mercado interno. A seca prolongada comprometeu a produção do conilon no Espírito Santo e na falta do produto, as indústrias têm recorrido ao café arábica para manter a produção. Porém, os custos com a aquisição do grão são mais elevados.

Já o setor produtivo alega que a oferta de café é suficiente para garantir o abastecimento e que a importação, caso autorizada, prejudicará a formação dos preços pagos aos cafeicultores e deixará a produção vulnerável às novas pragas e doenças. Além disso, a autorização abrirá precedentes para que em outros períodos de menor oferta e preços elevados novas remessas de café sejam autorizadas e ingressem no País. A insegurança tende a afetar a intenção de investimentos por parte dos cafeicultores.

Autorização - O Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Gecex), órgão vinculado à Camex, autorizou, na última quarta-feira, a importação de café conilon entre fevereiro e maio. O volume aprovado é de 1 milhão de sacas de 60 quilos, sendo limitada a 250 mil sacas por mês. A taxa de importação para este volume foi reduzida de 10% para 2% no período. A decisão precisa ser validade pela Camex, o que pode acontecer nas próximas semanas. O volume que for importado após maio e ultrapassar o total de 1 milhão de sacas autorizado será taxado em 35%. Antes, o imposto cobrado era de 10%.

O próximo passo é a publicação das medidas de mitigação de risco fitossanitário do café importando do Vietnã, resultado da Análise de Risco de Pragas (ARP) elaborada pelo Mapa.

Leia também
Para Faemg, liberação prejudica cafeicultores
Abertura pode afetar Minas Gerais, alega Seapa


Indústria - O diretor-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Nathan Herszkowicz, acredita que a Camex aprovará a importação. A aquisição do café é considerada fundamental para que a indústria, principalmente do solúvel, continue produzindo e atendendo a demanda externa e evitando a perda do mercado para outros países.

“A cota estabelecida é limitada e pequena para atender a demanda da indústria, que utiliza cerca de 1 milhão de sacas por mês. O volume autorizado não é representativo e não prejudicará o produtor de café. Fora da cota estabelecida, a importação é inviável porque a alíquota de 35% eleva muito o custo. Caso aprovada, a importação vai resolver parte do problema da indústria, com o café chegando no pico da entressafra, momento mais crítico já que convivemos com a falta de estoques e a oferta de café fica mais restrita”, explicou Herszkowicz.

Setor produtivo - O setor produtivo do café é contra a importação do grão e afirma que o levantamento dos estoques utilizado pelo Mapa para justificar a importação não é compatível com a realidade.

Outro ponto questionado é o período em que as importações irão acontecer. De acordo com o diretor da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e presidente das Comissões de Cafeicultura da Faemg e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Breno Mesquita, o café só chegará ao País em meados de abril, período de colheita da safra de café, o que provocará recuo nos valores pagos aos produtores. Para impedir a aprovação, o setor irá recorrer ao presidente da República, Michel Temer.

“A solução agora é muito mais política do que técnica. Tecnicamente o Mapa já levou ao conhecimento da Camex que é preciso importar o café, o que nós não concordamos de jeito nenhum. A estratégia do setor produtivo será recorrer ao presidente Temer, que é a única pessoa, hoje, que pode interferir para que essa loucura não seja cometida. A impressão que nos dá é que nós não estamos no Mapa e, sim, no Ministério da Indústria e do Comércio, porque o foco do Mapa passou a ser a indústria em detrimento dos produtores. É assustador”, explicou Mesquita.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/05/2017
Produtor desenvolve o Uber do agronegócio no Sul de MG
Uller Agro permite o compartilhamento de máquinas agrícolas
20/05/2017
Estoques de suco de laranja na atual temporada deverão aumentar 185%
São Paulo - Os estoques globais de suco de laranja do Brasil, maior exportador mundial, devem terminar a temporada 2017/18 (julho/junho) com volumes entre 200 mil e 300 mil toneladas, o...
20/05/2017
Sistema aumenta a produtividade do gado leiteiro
Um novo sistema de produção de vacas leiteiras, pouco comum no Brasil, tem sido adotado com sucesso por produtores de Patos de Minas, no Alto Paranaíba, e região....
19/05/2017
Safra de café deve cair 16,3% em Minas Gerais
Conab estima que serão produzidas 25,7 milhões de sacas de 60 kg no Estado
19/05/2017
Política não deve atrapalhar transações da JBS se eles tiverem produtos, afirma Blairo Maggi
Brasília - Em viagem ao Oriente Médio para reabrir mercados à carne brasileira, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse ontem que a política não deve...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.