Publicidade
20/02/2018
Login
Entrar

Agronegócio

09/11/2017

Importação de leite do Uruguai preocupa setor produtivo

Menos de um mês após anunciar suspensão das compras feitas no país vizinho, governo autorizou a retomada
Michelle Valverde
Email
A-   A+
Aumento da importação de leite afeta os preços que são pagos aos produtores brasileiros/Alisson J. Silva
Menos de um mês após anunciar a suspensão das importações de leite do Uruguai, o governo brasileiro autorizou a retomada dos desembarques, o que desagradou o setor produtivo do leite. A autorização para a retomada das importações aconteceu após uma equipe do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) avaliar a produção e a condição de exportação de leite uruguaio após as suspeitas da prática de triangulação. O setor produtivo vai continuar buscando soluções para conter a crise do leite. A principal demanda é que sejam estabelecidas cotas de importação, como já é feito com a Argentina.

A missão técnica do Mapa passou cinco dias no Uruguai. A equipe, comandada pelo secretário de Defesa Agropecuária, Luiz Rangel, constatou que não há triangulação na comercialização do leite. A suspeita do setor produtivo brasileiro era de que o leite produzido em outros países passava pelo Uruguai e depois seria destinando ao mercado do Brasil. Diante do levantamento, as importações de leite do Uruguai, que estavam suspensas desde meados de setembro, já foram retomadas.

A decisão do governo federal desagradou o setor produtivo, que vem enfrentando uma forte crise em função da maior oferta, preços abaixo dos custos de produção e consumo menor, devido à crise financeira.

Com a liberação das importações, o receio é que ocorra aumento da oferta de leite e novas quedas nos preços. Por isso, o setor produtivo do leite vai continuar requerendo que as importações de leite do Uruguai sejam, pelo menos, limitadas, como já foi feito com a Argentina, com o estabelecimento de cotas anuais.

O primeiro vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite), Evandro do Carmo Guimarães, explica que a pecuária leiteira do Uruguai é extremamente desenvolvida, tem baixo custo de produção e a maior parcela do leite é destinada à exportação, sendo boa parte direcionada ao Brasil, que produz muito mais leite que o Uruguai. Além disso, o preço do leite em pó uruguaio chega ao Brasil mais competitivos, prejudicando a formação de preços local.

“A importação de leite em pó do Uruguai acontece no momento em que há uma oportunidade de regularização da oferta no mercado interno. A produção de leite tem ciclos no Brasil e exatamente no período seco, quando a produção cai, é que as importações acontecem. A manobra é feita para comprimir os preços pagos aos produtores. Não estamos falando apenas na quantidade de leite importado, estamos falando do leite importado sendo usado como arma que fere de morte o preço que será pago ao produtor”, explicou.

Ainda segundo o representante da Abraleite, a política brasileira privilegia as formas de combater o aumento dos preços para os consumidores, porém, esquece da cadeia produtiva.

“A cadeia produtiva precisa ter sustentação ao longo de todo ano. O leite importado afeta os preços pagos aos produtores no momento muito peculiar. O pequeno e o médio produtor são os mais prejudicados, uma vez que eles já têm pouco poder de negociação com as cooperativas e laticínios. Desta forma, o setor produtivo fica desamparado porque no Brasil não tem política pública que garanta um preço mínimo para o leite, como é feito com outros produtos e em outros países produtores de leite”.

Vendas externas - Além de defender o estabelecimento de uma cota para a importação, Guimarães explica que a Abraleite também vai trabalhar para estimular as exportações do leite nacional.

“Se tivermos mecanismos de exportação, a regulação dos preços se fará também pela redução da oferta, que no Brasil é muito alta em determinados períodos dos anos”, disse Guimarães.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/02/2018
VBP em Minas deve recuar em 2018
Influência negativa vem, principalmente, da pecuária, com previsão de queda de 5,12%
20/02/2018
Circuito Megaleite promete estimular negócios no País
Com a presença de diversas lideranças do setor rural, teve início ontem a 1ª Exposição Interestadual de Girolando - Circuito Megaleite Etapa Sul/Sudeste, em...
20/02/2018
País também sinaliza redução no indicador
São Paulo - O Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária nacional para 2018 deve alcançar R$ 516,6 bilhões, 4,9% a menos que os R$ 543,3 bilhões...
17/02/2018
Tecnologia aproxima máquinas de produtores
Plataforma web desenvolvida pela Agrishare disponibiliza diversas opções de equipamentos para aluguel
17/02/2018
Feira em Guaxupé apresentará a agricultores benefícios com adoção do Compost Barn
De 21 a 23 de fevereiro, os produtores rurais do Sul de Minas Gerais e da média mogiana do estado de São Paulo – importantes regiões de bacia leiteira –...
› últimas notícias
Mudanças legislativas geram divergências
Geração de eólicas cresce 26,5% no País
Tarifa sobre o aço nos EUA deve afetar o setor no Brasil
Petrobras passa a divulgar preços médios nas refinarias
Electric Ink investe R$ 12 mi em Uberaba
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Ibovespa mantém trajetória ascendente
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Colégio Pitágoras Cidade Jardim vai oferecer ensino bilíngue para crianças
Tiradentes e Camanducaia no topo do turismo
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.