Publicidade
26/04/2018
Login
Entrar

Finanças

14/04/2018

Incerteza eleitoral leva o dólar a fechar com alta de 1,88%

Ibovespa registra queda de 0,57% na semana
AE
Email
A-   A+
O dólar chegou a ser vendido a R$ 3,43 na máxima de sexta-feira diante da volatilidade/Gary Cameron/File Photo/Divulgação
São Paulo - O dólar à vista voltou a fechar em alta na sexta-feira (13), mantendo-se na casa dos R$ 3,40. Encerrou o dia cotado a R$ 3,4263, com valorização de 0,49%, na maior cotação desde 2 de dezembro de 2016. Na primeira semana após a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acumulou alta de 1,88%.

Na manhã de sexta-feira e na reta final do pregão, a moeda americana alcançou o patamar de R$ 3,43, mas logo recuou. Na máxima do dia, a alta bateu em 0,63%, com a moeda a R$ 3,4311. A manhã foi de volatilidade, a tarde sem tendência definida, e a alta se firmou no fechamento diante da expectativa do fim de semana recheado de notícias nos cenários interno e externo capazes de fazer preço nas cotações. Às 17h20, o dólar futuro para maio era negociado a R$ 3,4280, com alta de 0,32%. Na sexta-feira houve também alta nas cotações do petróleo.

Neste sábado a Datafolha deverá divulgar pesquisa sobre os presidenciáveis brasileiros. O mercado quer saber qual o impacto da prisão de Lula no cenário e quais os efeitos que isso levará para outras candidaturas, em especial a do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa - esse é o candidato cujo perfil traz mais dúvidas ao mercado. Outro temor no mercado é a possibilidade de os Estados Unidos fazerem um ataque na Síria.

Cautela - Uma série de dúvidas a respeito da cena política interna, mas também externa, fez com que os investidores não quisessem arriscar na ponta compradora antes do fim de semana em que será divulgada a primeira pesquisa Datafolha após a prisão do ex-presidente Lula. Assim, acompanhando o comportamento dos índices em Nova York, o Ibovespa passou a sexta-feira em baixa, para encerrar o pregão com perdas de 1,30%, aos 84.334,41 pontos. Na semana, a desvalorização foi de 0,57%. No entanto, em 2018, os ganhos ainda superam 10%.

“Um clima pessimista tomou conta da sessão de negócios hoje e, diante das incertezas, ninguém quer tomar risco para passar o final de semana”, assinalou um operador de renda variável, para quem as discussões no Supremo Tribunal Federal (STF) que têm ocorrido em torno da prisão ou liberdade de políticos condenados em 2ª instância - expressas por ministros da Corte nos julgamentos de habeas corpus pedidos - deixa os investidores ressabiados.

“Nunca se sabe qual a decisão será tomada nas votações do STF, pois a Corte está muito parelha e, dependendo de apenas um voto, pode ir para um lado ou para outro”, complementa Victor Martins, analista da Planner Corretora Valores. Além disso, diz, a indefinição dos candidatos e suas plataformas econômicas deixa o mercado sem visibilidade.

Nesse contexto, a primeira pesquisa Datafolha desde a prisão do ex-presidente Lula será divulgada. A pesquisa vai trazer um total de 19 presidenciáveis entre eles o petista em três de nove cenários e ainda o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa em todos eles.
Para além dos problemas internos, a trajetória de queda do mercado acionário dos Estados Unidos também deu o tom por aqui. Entre as blue chips, as ações do setor bancário, que têm peso significativo no Ibovespa, tiveram forte recuo, em parte, sendo influenciadas pelas perdas de seus pares em Wall Street, como JPMorgan (-2,71%), Citigroup (-1,55%) e Goldman Sachs (-1,41%). Por aqui, Banco do Brasil ON perdeu 3,36% e foi seguido por Itaú Unibanco PN (-2,32%), Bradesco (-2,19%) e as units do Santander (-1,52%).

Os juros futuros encerraram a semana em alta, quando observados os contratos mais longos, e em torno da estabilidade, nos vencimentos mais curtos. A inclinação da curva de juros aconteceu na sexta-feira de dólar mais caro e temor global com o conflito comercial do presidente americano, Donald Trump, com a China e do embate geopolítico dos Estados Unidos com a Síria. Na máxima, o contrato para maio do dólar chegou aos R$ 3,4355.

“O motivo doméstico da inclinação da curva não mudou: a incerteza eleitoral continua. Sendo que, da incerteza eleitoral, faz parte a incerteza com a condução do resultado fiscal do Brasil e também incerteza política”, afirmou a gestora de Renda Fixa da Mongeral Aegon Investimentos, Patrícia Pereira.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/04/2018
Taxa de juros do cheque especial sobe para 324,7% ao ano
No ano, a elevação é de 1,7 ponto percentual
26/04/2018
Déficit primário passa de R$ 24 bi
Valor, afetado pela antecipação de precatórios, é o pior para o mês na série histórica
26/04/2018
Precatórios e ações judiciais somaram R$ 9,5 bi
Brasília - O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, comentou ontem que o déficit primário de R$ 24,828 bilhões em março se deveu à...
26/04/2018
Criação de despesas pelo Congresso é minimizada
Brasília - O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse ontem que o governo não precisa se defender da criação de novas despesas...
25/04/2018
Portabilidade permite a busca de taxas mais atrativas para mutuários
Financiamento imobiliário pode ser transferido entre bancos
› últimas notícias
Taxa de juros do cheque especial sobe para 324,7% ao ano
Incertezas do Brasil e juros dos EUA levam o dólar a subir
Porto de Santos atinge nível recorde no movimento de cargas em março
Confiança do consumidor sobe só 0,3%
Caixa retoma 1.089 imóveis em Minas
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


27 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.