Publicidade
23/04/2018
Login
Entrar

Minas 2032

20/11/2014

Indústrias de ponta atraem investidores para o Estado

Unitec está se instalando em Neves
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
A Unitec deverá começar a operar em setembro do ano que vem, mediante investimento superior a R$ 1 bilhão/Divulgação
Entre os principais atores que atuam no cenário da nova economia mineira estão as empresas de base tecnológica, com seus produtos inovadores e de alto valor agregado. Essas organizações não apenas atraem olhares de investidores para o Estado, como também geram renda, emprego de qualidade e criam um ambiente propício para o surgimento de novos empreendimentos.  o caso da Unitec, antiga SIX Semicondutores, que está se instalando em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Melo Horizonte (RMBH). A fábrica, que deve começar a operar em setembro de 2015, recebeu investimento de mais de R$ 1 bilhão e focará no processamento de wafers de silício para a produção de chips.

Segundo o chief executive oficcer (CEO) da empresa, Frederico Blumenschein, os escritórios começam a ser ocupados em fevereiro do ano que vem e o maquinário chega a partir do primeiro trimestre de 2015. A partir de setembro, a expectativa de produção é de 400 wafers por dia, sendo que cada um pode conter de cinco a sete mil chips, que serão aplicados na indústria, agricultura, smart cards e no setor de saúde. A fábrica deve gerar cerca de 290 empregos até o fim de 2015.

Saiba mais: Biomm constrói fábrica inédita no Brasil

Outra novidade é que a empresa está analisando a possibilidade de agregar alguns processos de encapsulamento do chip, que é uma fase posterior à produção do dispositivo, quando ele é inserido em uma espécie de capa que vai proteger seus contatos metálicos para a leitura no computador. Segundo Blumenschein, o investimento ainda está sendo analisado, mas provavelmente deve ser direcionado aos chips de smart cards, especificamente para os setores bancário, de telefonia e de transporte público. Caso seja aprovado, o processo deverá acontecer em uma nova estrutura, fora da atual fábrica que está sendo finalizada em Ribeirão das Neves.

Leia também

Superar gargalos para garantir a oferta
Brasil, historicamente, é um péssimo vendedor
Planejamento é fundamental
Manter-se em evolução é o maior desafio do agronegócio
Acesso ao conhecimento ainda é restrito no campo

Impacto - O CEO afirma que a indústria de semicondutores tem a vocação de gerar impacto socioeconômico onde se instala. Segundo ele, esse tipo de empreendimento atrai mão de obra qualificada, o que incentiva o desenvolvimento das instituições de ensino. Em Minas Gerais, esse impacto já começa a ser percebido por meio da parceria da Unitec com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A instituição de ensino está adequando os currículos de alguns cursos na área de engenharia a fim de que os alunos se formem com os conhecimentos básicos para atuar nessa indústria.

Além disso, Blumenschein cita a atração de fornecedores de insumos e serviços essenciais, como energia e água. "Tudo isso cria um ecossistema interessante e uma infraestrutura eficiente que acaba atraindo novas empresas no local. Há diversas experiências positivas provocadas pela indústria de semicondutores em locais como Vale do Silício, nos Estados Unidos, e na Alemanha. Em Minas, o impacto também será muito grande, principalmente porque Ribeirão das Neves ainda é uma cidade pouco desenvolvida", avalia.

Para o CEO, as empresas da área de tecnologia são importantes para complementar a economia do Estado, que já é bastante diversificada. Ele destaca a importância de Minas Gerais já ser referência em segmentos como mineração, agricultura e automotivo e acredita que a indústria tecnológica vem não para substituir esses setores, mas ajudá-los a se desenvolverem. "A ideia não é desacelerar essas atividades tradicionais, mas torná-las ainda mais competitivas por meio da tecnologia", diz.




Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

11/11/2015
Superar gargalos para garantir a oferta
Ao traçar o panorama da situação atual do agronegócio brasileiro - apresentação que abriu o seminário Minas 2032 - Agronegócio - Desafios e...
11/11/2015
Brasil, historicamente, é um péssimo vendedor
O presidente da Faemg disse ver com muita tristeza a condução da política externa no tocante ao agronegócio. "O Brasil historicamente é um péssimo...
11/11/2015
Planejamento é fundamental
Como não poderia ser diferente, o presidente da Faemg considera fundamental os investimentos em pesquisas de base tecnológica para o avanço do agronegócio. "Chamo a...
11/11/2015
Manter-se em evolução é o maior desafio do agronegócio
Futuro pautado na produtividade, agregação de valor, redução de perdas e desenvolvimento sustentável
11/11/2015
Acesso ao conhecimento ainda é restrito no campo
Como produtor rural, o diretor da Rehgagro Clóvis Correa acredita que o agronegócio tem papel importante na retomada do crescimento da economia brasileira nos próximos anos....
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.