Publicidade
19/02/2018
Login
Entrar

Finanças

08/12/2017

Indústria de fundos acumula patrimônio de R$ 4,1 trilhões

Resultado líquido reflete captação recorde em 2017, aponta Anbima
AE
Email
A-   A+
Participação das pessoas físicas cresceu de 2,2% no ano passado para 4,5%em 2017/Alisson J. Silva
São Paulo - A indústria de fundos atingiu o patrimônio líquido de R$ 4,1 trilhões este ano, refletindo uma captação recorde no acumulado até novembro, de R$ 232 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira das entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais  (Anbima). Em 2016, no acumulado do mesmo período, a indústria de fundos captou R$ 95,2 bilhões.

Segundo Carlos Ambrósio, diretor da associação, a queda na taxa do juro contribuiu para essa captação recorde na base histórica da casa, com destaque à categoria multimercado, onde a captação foi igualmente recorde.

Os números da Anbima mostram que a categoria multimercado captou R$ 91,7 bilhões no acumulado do ano até novembro, contra R$ 13,6 bilhões no mesmo comparativo de 2016. O recorde anterior foi alcançado em 2006, quando os fundos multimercados captaram R$ 56 bilhões.

Outros produtos destacados foram os fundos de produtos estruturados, como FIPs e ETFs, onde as captações cresceram para R$ 1,7 bilhão e R$ 25,3 bilhões até novembro de 2017, de R$ 100 milhões e R$ 15,1 bilhões no mesmo período de 2016.

As captações líquidas dos fundos devem seguir em patamares elevados no ano que vem, com investidores focados, provavelmente, em ativos de maior valor agregado, previu Ambrósio em conversa com jornalistas. “No entanto, não consigo prever se haverá outro recorde, como em 2017, no volume captado pela indústria”, disse.

A queda na taxa de juro é o principal motor da alta nas captações, a qual a Anbima acredita que deverá seguir baixa. Ele pontuou, ao mesmo tempo, que esse cenário positivo para as captações depende também de condições favoráveis no mercado de modo geral, sem elevada volatilidade, incluindo para o cenário eleitoral.

Leia também:
Otimismo com emissões de títulos
Pessimismo com reforma faz bolsa cair 1,07%


Debêntures - O perfil dos investidores de debêntures registrou mudança importante este ano, com 68% do que foi emitido até novembro tendo sido distribuído ao mercado, notadamente entre investidores institucionais, destacou o diretor da Anbima, José Eduardo Laloni, também em conversa com jornalistas. No mesmo período do ano passado, o porcentual das emissões que chegou ao mercado foi de 30,8%.

De acordo com números da associação, a participação dos investidores institucionais subiu para 63,2% nas emissões de debêntures distribuídas ao mercado até novembro, de 28,6% no mesmo período do ano passado. Das pessoas físicas cresceu para 4,5%, de 2,2%, nos mesmos períodos comparativos. Nos anos cheios de 2016, 2015 e 2014, a participação dos institucionais estava na casa de 30% e das pessoas físicas, de 3%, com exceção de 2015, onde alcançou 5%.

A queda no juro contribui para esse movimento, uma vez que leva investidores a buscarem produtos de maior retorno, demanda essa que a indústria de fundos atende, especialmente no público de varejo.

Outro destaque feito pelo diretor da Anbima foi as emissões de notas promissórias, que tiveram aumento de 217% no acumulado deste ano em comparação a 2016, para R$ 21,8 bilhões. “São papéis de menor complexidade e boa aceitação no mercado”, citou Laloni.

O montante deste ano ainda está abaixo do emitido em 2014, quando de janeiro a novembro, alcançou R$ 31,2 bilhões, sendo 81,1% com prazo de 91 a 180 dias. Neste ano, as notas promissórias emitidas nesse prazo representaram 14,1% do total, enquanto 54,8% se concentraram em prazo acima de 366 dias.

As notas promissórias são tradicionalmente papéis aos quais as companhias recorrem em momentos de crise, por serem de menor complexidade e de prazos mais curtos, normalmente para rolar dívidas com bancos.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/02/2018
Dólar tem a maior queda semanal em sete meses
Divisa norte-americana acumulou baixa de 2,45% no período
17/02/2018
Ibovespa mantém trajetória ascendente
São Paulo - O Ibovespa operou na sexta-feira em torno da estabilidade, sem força para se firmar em uma direção única. De acordo com analistas, tanto o bom humor...
17/02/2018
Wall Street continua em franca recuperação e influencia Europa
São Paulo - O S&P 500 encerrou com ligeira alta na sexta-feira e fechou sua semana de mais rápida alta desde 2013, embora tenha devolvido a maior parte de seu ganho do...
16/02/2018
Bolsa de valores registra alta de 0,90% em dia estável
Negociações na sessão de ontem movimentaram R$ 11,1 bilhões
16/02/2018
Analistas estimam que déficit primário ficará abaixo da meta em 2018
Brasília - Os analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Fazenda continuam prevendo que o governo entregará um déficit primário neste ano menor que a meta...
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Carnaval aqueceu setor de brindes na Capital
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.