Publicidade

Economia

17/02/2017

Indicador do CNI já sinaliza um otimismo

Email
A-   A+
Azevedo: "O pior ficou para trás"/Glauber Queiroz/CNI
Brasília - A confiança dos empresários da indústria atingiu o melhor nível desde setembro do ano passado, de acordo com dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Indicador de Confiança do Empresário Industrial (Icei) aumentou três pontos entre janeiro e fevereiro e chegou ao patamar de 53,1 pontos.

Nessa pesquisa, leituras acima de 50 indicam otimismo e números inferiores sinalizam prevalência do pessimismo. Em janeiro, o indicador registrava 50,1 pontos. Em relação a fevereiro do ano passado, quando estava em 37,1 pontos, o Icei aumentou 16 pontos Apesar da alta, o dado segue abaixo da média histórica de 54,1 pontos.

“A falta de confiança está menos intensa e menos disseminada. Os empresários percebem que o pior ficou para trás”, disse o economista da CNI, Marcelo Azevedo, em nota divulgada pela entidade.

Em fevereiro, houve melhora em todos os itens que compõem o indicador de confiança. O índice de expectativas, em que os industriais revelam suas impressões sobre os próximos seis meses, subiu 2,8 pontos em relação ao mês passado e chegou aos 57,5 pontos. As expectativas em relação à economia do País atingiram 53,7 pontos, ante 50,2 pontos em janeiro. E as expectativas em relação à própria empresa avançaram para 59,4 pontos, ante 56,9 pontos no mês anterior.

Os indicadores que mostram a avaliação dos empresários em relação às condições atuais, em que os empresários comparam o presente com os últimos seis meses, ainda permanecem abaixo dos 50 pontos. O índice de condições atuais atingiu 44,7 pontos, ante 41,2 pontos em janeiro. A avaliação sobre a situação atual da economia brasileira subiu para 43,4 pontos, ante 38,2 pontos em janeiro. E a avaliação a respeito da própria empresa chegou a 45,5 pontos, ante 42,8 pontos no mês passado.

Segmentos - Entre os vários segmentos da indústria, o índice de confiança é mais forte na indústria de transformação (53,8 pontos), seguida da extrativa (52,6 pontos) e de construção (50,9 pontos). Por ramo, a confiança está mais alta entre a indústria calçadista (59,7 pontos), depois biocombustíveis (58,2 pontos) e de perfumaria (56,9 pontos).

Dos 32 setores considerados, apenas sete ficaram abaixo dos 50 pontos, menos que os 21 registrados em janeiro. Os piores resultados foram da indústria de produtos minerais não metálicos (45,9 pontos), outros equipamentos de transporte (47,2 pontos) e serviços especializados para construção (47,5 pontos).

Por porte da empresa, companhias pequenas continuam mais pessimistas, com índice em 49,2 pontos, mas houve melhora em relação a janeiro (46,3 pontos). As médias e as grandes registraram, respectivamente, 52,2 pontos e 55,5 pontos.

A pesquisa ouviu 3.080 empresas em todo o Brasil entre os dias 1º e 13 de fevereiro. Do universo pesquisado, 1.222 são pequenas empresas, 1.159 são médias e 699 são de grande porte. (AE)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

30/03/2017
Abimaq-MG registra avanço de 10%
Apesar da receita maior em fevereiro, setor de máquinas e equipamentos soma perdas
30/03/2017
Prefeitura de Betim lança programas para enxugar folha
A Prefeitura de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), lançou dois novos programas: o Plano de Incentivo à Aposentadoria (PIA) e o Programa de Desligamento...
30/03/2017
Setor de serviços registra queda de 0,4% em Minas
O setor de serviços em Minas Gerais em janeiro apresentou uma pequena retração de 0,4% em relação a dezembro de 2016 e queda de 0,1% no comparativo com janeiro do...
30/03/2017
Carne Fraca desestimula o consumo em MG
Pesquisa da FCDL mostra que, em abril, 78,3% dos consumidores pretendem investir ao invés de comprar
30/03/2017
Recuperação de crédito sobe 1,37% em BH
Para a CDL-BH, alta em fevereiro reflete a queda nas taxas de juros e inflação, indicando tendência
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.