Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Internacional

12/10/2017

Inflação definirá trajetória dos juros

Reuters
Email
A-   A+
Janet Yellen reconhece incerteza/Federal Reserve/Divulgação
Washington - Os membros do Federal Reserve tiveram um debate prolongado sobre as perspectivas de aceleração da inflação e a trajetória de futuras altas dos juros se os preços não subirem mais, de acordo com a ata do encontro de setembro de política monetária do banco central norte-americano divulgada na quarta-feira (11).

O documento, no qual o Fed anunciou que começará neste mês a reduzir sua carteira de títulos acumulada após a crise financeira e decidiu manter os juros, também mostrou que os membros continuaram otimistas em relação ao impacto econômico dos furacões recentes.

“Muitos participantes demonstraram preocupação de que a inflação baixa neste ano pode refletir... a influência de acontecimentos que podem se provar mais persistentes, e foi destacado que alguma paciência em remover a política expansionista enquanto avalia as tendências na inflação é justificada”, informou o Fed na ata.

Vários membros disseram que vão se concentrar nos dados de inflação nos próximos meses ao decidir sobre os juros no futuro. Contudo, muitos ainda sentiam que outra alta dos juros neste ano “deve ser justificada”, completou o Fed.

A chair do Fed, Janet Yellen, reconheceu repetidamente desde a reunião que existe crescente incerteza sobre a trajetória da inflação, que vem se afastando da meta de 2% do Fed nos últimos meses.

Entretanto, Yellen e uma série de outros membros deixaram claro que esperam continuar a elevar gradualmente os juros, dada a força da economia e o contínuo aperto do mercado de trabalho.

Custos de energia - Na ata, várias autoridades do Fed também destacaram que a interpretação das leituras de inflação nos próximos meses devem ser complicadas pelo aumento temporário nos custos de energia e nos preços de outros itens afetados pelos problemas provocados pelas tempestades.

O banco central dos EUA já elevou os juros quatro vezes em seu ciclo de aperto monetário que começou no fim de 2015. O Fed prevê atualmente mais um aumento neste ano e três no próximo.

O Fed tem mais duas reuniões de política monetária neste ano, sendo a próxima nos dias 31 de outubro e 1º de novembro. Os investidores projetam atualmente novo aumento dos juros em dezembro.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.