Publicidade
23/07/2017
Login
Entrar

Internacional

16/03/2017

Inovar-Auto acaba antes de OMC punir o Brasil

Email
A-   A+
Genebra - As políticas de incentivo fiscal do governo para o setor automotivo, conhecidas como Inovar-Auto, vão terminar antes de o Brasil ser condenado em última instância na Organização Mundial do Comércio (OMC), livrando o País de uma eventual retaliação por parte de europeus e japoneses.

No fim de 2016, o governo sofreu sua maior derrota nos tribunais da OMC. A entidade, em primeira instância, aceitou os argumentos de Japão e Europa e condenou a política industrial brasileira. Com isso, exigiram que sete políticas de incentivos fiscais e redução de IPI adotados ainda pelo governo de Dilma Rousseff sejam abandonadas ou completamente reformadas.

O governo brasileiro indicou que vai recorrer da decisão. Mas, para que isso possa ser feito, o relatório inicial, de cerca de 400 páginas, precisa ainda ser oficialmente publicado e traduzido em três línguas. Só então o Itamaraty poderia apresentar um recurso.

Inicialmente, a previsão era de que isso ocorreria em fevereiro. Mas, diante do acúmulo inédito de disputas comerciais na OMC, a tramitação e tradução de documentos enfrenta importantes atrasos O jornal “O Estado de S. Paulo” apurou que, no caso do IPI, a condenação brasileira em primeira instância apenas estaria pronta em meados do ano. A partir daí, o Itamaraty teria mais de 60 dias para apresentar um recurso. Isso jogaria o caso para setembro.

Mas o Inovar-Auto está previsto para acabar em dezembro, assim como oito programas de incentivo fiscal, como o Fundos de Desenvolvimento da Amazônia e do Nordeste. O Ministério da Fazendo estuda não renovar o incentivo ao setor automotivo, o que daria fim ao caso também na OMC.

No informe confidencial de 400 páginas, os juízes alegaram que a política de incentivos fiscais aos setores de telecomunicações, automóveis e tecnologia é ilegal e afeta empresas estrangeiras de forma “injusta”. Iniciado em 2014, o processo constatou que as leis nacionais são “inconsistentes” com as regras internacionais, “ilegais” do ponto de vista dos acordos assinados pelo Brasil e que a isenção é, no fundo, um “subsídio proibido”.

O jornal apurou que a entidade indicou que dar incentivos fiscais a determinados objetivos, por si mesmo, não seria violação das regras. Mas a forma usada pelo Brasil representou ilegalidade. Isso por conta das exigências que o governo fez para beneficiar as empresas com taxas menores. Uma das exigências é de que montadoras produzissem localmente.

Para os juízes, o critério é uma espécie de subsídio disfarçado e que, portanto, seria vetado.

O principal foco foi o Inovar Auto, mecanismo que garantiu redução de impostos ao setor automotivo com fábricas instaladas no País.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/07/2017
Acordo com a FAO objetiva proteger agricultura no bloco
Ao impulsionar ações contra a fome, pacto quer tonificar setor agrícola
22/07/2017
Tarifa de importação com a Colômbia vai a zero
Brasília - Mercosul e Colômbia assinaram na sexta-feira (21) um acordo que reduzirá a zero as tarifas de importação de 97% dos itens da pauta comercial a...
21/07/2017
Mais rigor na inspeção de voos para os EUA
Brasil está entre os 105 países cujos passageiros já têm suas bagagens de mão revistadas com cautela
20/07/2017
Chanceleres começam reunião hoje
hile, Peru, Equador, Colômbia, Suriname, Guiana e Bolívia,
20/07/2017
Incertezas políticas e eleições tornam avanço econômico da AL mais lento
Brasília - As economias latino-americanas provavelmente estão crescendo mais lentamente do que o esperado neste ano, diante das incertezas políticas antes de uma série...
› últimas notícias
Alta de imposto reduz atividade produtiva
PBH anuncia reajuste de 2,53% para 50 mil servidores
Localiza fecha semestre com lucro recorde
Varejo: Vendas recuaram 3,2% no semestre, sinalizando melhora
TJLP onerou o Tesouro Nacional em R$ 240 bilhões
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Região de Arinos investe na castanha de baru
VW amplia a linha Pepper para 2018
Fnac venderá operações da rede no Brasil para a Cultura
Mineira Teresinha Soares expõe no Masp até o dia 6
Monetizze é eleita melhor plataforma
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› DC Tecnologia
Brasileiros buscam Vale do Silício
Ensino pode sofrer desmonte
Para analistas, políticas podem trazer mudança
Mineira Learncafe é selecionada para programa de aceleração no Chile
Minas Gerais na rota de ampliação da Beblue
Leia todas as notícias ›
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de July de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.