Publicidade
23/05/2018
Login
Entrar

Finanças

06/12/2017

Investidores voltam a ficar cautelosos com a reforma da Previdência e bolsa cai

Índice Bovespa registrou queda de 0,74% na sessão de ontem
Reuters
Email
A-   A+
Ações ordinárias da Vale recuaram 2,2% no pregão/Olli Geibel/Divulgação
São Paulo - O principal índice da bolsa paulista fechou em queda ontem, com investidores retomando a cautela rumo ao fechamento dos negócios, diante das expectativas em meio às negociações para a reforma da Previdência e após subir nos dois pregões anteriores.
O Ibovespa fechou em queda de 0,74%, a 72.546 pontos. Nos dois pregões anteriores, o índice acumulou alta de 1,55%, subindo mais de 1% apenas na véspera. O giro financeiro desta sessão somou R$ 8 bilhões.

Após operar em alta a maior parte do dia, chegando a subir quase 1,5% na máxima da sessão, amparado na melhora do humor em relação à reforma da Previdência, o mercado deu início a um movimento de ajuste rumo ao fim dos negócios.

Mais cedo, o bom humor ganhou respaldo das notícias de que a bancada do PMDB na Câmara dos Deputados decidiu pelo fechamento de questão a favor da reforma da Previdência e deve pedir à Executiva Nacional do partido que formalize a decisão. Além disso, outro aliado que discute o fechamento de questão é o PP.

O mercado segue atento a essas negociações e a expectativa é que alguns partidos, incluindo o PSDB, decidam se vão fechar questão para votar a favor da reforma, o que deixaria o governo mais perto de conseguir os 308 votos necessários na Câmara.
“Os investidores ainda estão mais confiantes na aprovação da reforma, mas como foram altas razoavelmente fortes, é natural ter alguma realização”, disse o diretor de operações da Mirae, Pablo Spyer.

O tom de cautela também permanece, acrescentou Spyer, uma vez que apesar da melhora no humor, ainda há incertezas e o patamar elevado do Ibovespa não abre espaço para ganhos mais fortes antes de se ter mais clareza sobre o avanço da reforma da Previdência.

Leia também:
Dólar tem leve retração
PagSeguro pretende realizar oferta pública em Nova Yorkde 0,29% frente ao real

Destaques
- Vale ON caiu 2,2%, devolvendo os ganhos vistos mais cedo, em sessão de perda para os contratos futuros do minério de ferro na China. As altas vistas no início do pregão, no entanto, vieram na esteira da elevação de recomendação feita pelo Credit Suisse para os ADRs da empresa para outperform, ante neutra, elevando o preço-alvo para US$ 15, de US$ 9,50. Na máxima da sessão, a ação subiu 1,55% e alcançou R$ 37,4 , maior valor intradia desde setembro de 2011.

Usiminas PNA perdeu 4,23%, CSN ON cedeu 3,46% e Gerdau PN teve baixa de 1,42%, também na esteira das perdas para os contratos futuros do minério de ferro e do aço na China e após ganhos recentes.

Petrobras PN caiu 1,1% e Petrobras ON teve baixa de 1,06%, cedendo à cautela do mercado, apesar da sessão positiva para os preços do petróleo no mercado internacional.
Hypermarcas ON avançou 3,24%, liderando a ponta positiva do Ibovespa. Segundo analistas do BTG Pactual, apesar de contratempos de curto prazo devido à perspectiva de inflação mais baixa para preços de medicamentos, a empresa parece bem posicionada para capturar oportunidades valiosas em todos os segmentos em que opera. Na véspera, em encontro com analistas e investidores, a Hypermarcas informou que espera expansão de 2% a 3% da companhia acima do crescimento do mercado brasileiro entre 2017 e 2021.

Santander Unit ganhou 0,53%, única empresa do setor bancário do índice a fechar no azul nesta sessão, tendo no radar a informação de que a gestora de recursos do banco assumirá a gestão de fundos locais do J.P. Morgan no Brasil. Segundo analistas da corretora Coinvalores, a notícia é favorável para o banco, mas tem um impacto apenas marginal no seu resultado consolidado.

Bradesco PN cedeu 1,03% e Itaú Unibanco PN perdeu 0,6%, revertendo os ganhos iniciais e ajudando a tirar fôlego do Ibovespa devido ao peso desses papéis em sua composição.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/05/2018
Nubank alcança marca de 4 milhões de clientes em maio
Fintech havia encerrado último ano com 3 milhões de consumidores
23/05/2018
Ibovespa avança 1,13%, e dólar volta a recuar no País
São Paulo - O principal índice da bolsa paulista fechou em alta ontem, apoiado na recuperação de ações atreladas à economia doméstica,...
22/05/2018
Itaú reduz juros e acirra disputa entre bancos
Antes da instituição, outros concorrentes privados também já tinham realizado cortes em suas taxas
22/05/2018
Dólar encerra dia com queda de 1,35%, após intervenção do BC
São Paulo - A atuação mais forte do Banco Central (BC) no mercado de câmbio e o aviso de que poderia ir além surtiu efeito e o dólar fechou ontem com...
22/05/2018
Mercado eleva projeção para inflação
Brasília - O mercado financeiro aumentou a projeção de inflação para este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo...
› últimas notícias
Uso de térmicas pressionou elevação
Reajuste tarifário médio chega a 23,19% em Minas
Dia da Liberdade de Impostos terá adesão de cerca de 800 lojas
Cide deve ser zerada sobre o diesel
Acordo de líderes pode destravar a pauta
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.