Publicidade

FETCEMG - Painel do Transporte

30/10/2015

Investimentos no estado em xeque e um 2016 de dúvidas

Assessoria de Comunicação da Fetcemg
Email
A-   A+
Desde 2014 vivemos um cenário pessimista em diversos setores, com mudanças econômicas consideráveis, que afetam diretamente os brasileiros. Reajuste de preços e inflação tomam conta do nosso noticiário. Juros altos, queda da renda, produção e vendas somam-se ao desemprego, falências, falta de confiança dos consumidores e investidores, dando forma ao momento delicado pelo qual o país passa.

Essa desconfiança generalizada e o desequilíbrio fiscal são frutos de más escolhas dos governantes. Nos últimos anos, o país foi tomado por ações irresponsáveis e mau planejamento.

O Decreto nº 46.859, que aumenta as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) para 150 produtos, assinado pelo governo do Estado no início do mês, foi a “cereja do bolo” para o quadro caótico da economia, e deixou claro que, ao contrário do que anunciam, 2016 está longe de ser o ano da retomada.

Para os veículos de cargas, assim como diversos outros produtos, a alíquota do ICMS será ampliada de 12% para 18%, um aumento de 50%. Para se ter uma ideia, na simulação para a compra de um caminhão que vale R$ 400 mil, com a alíquota de 12%, o ICMS será de, aproximadamente, R$ 48 mil. Com o novo ajuste o valor passaria para R$ 72 mil.
O transporte convive, há tempos, com a desvalorização do setor, defasagem de frete, concorrência desleal de empresas que não respeitam a legislação, dentre outras mazelas.

Quando seus representantes lutam pela profissionalização e valorização da categoria, mesmo diante da crise e das “pedaladas” do governo, recebem de presente um aumento de carga tributária desproporcional e ilógica porque reduz sua eficiência e a arrecadação. É um tiro no próprio pé.

O empresário do setor é um herói. Tolera aumentos constantes do preço dos combustíveis (quando o diesel representa, em média, 40% do custo da operação do setor) e a falta de infraestrutura que prejudica a produtividade – a BR-381 está aí para provar, figurando, há anos, entre as piores rodovias do país, embora seja um dos principais trechos para o escoamento da nossa produção.

Muitas transportadoras estão preferindo parar seus caminhões e não aceitar serviços para não trabalhar com margens tão reduzidas que sequer cobrem seus custos. Ampliar os tributos é agravar mais ainda a situação do setor. O aumento da alíquota de ICMS para caminhões e outros veículos de carga afastará negócios daqui que “cairão no colo” de outros estados, assim como o emplacamento dos veículos. Isso vai reduzir também a arrecadação do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Logo, Minas Gerais só tem a perder.

Se o governo não repensar sua política tributária e a prioridade nos seus investimentos, os empresários ficarão de mãos atadas. Sem gerar trabalho e renda o Brasil não voltará a crescer.

Os textos publicados nesta editoria são de responsabilidade da Fetcemg. O Diário do Comércio não se responsabiliza e nem poderá ser responsabilizado pelas informações e conceitos emitidos e seu uso correto.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/12/2016
Reforma trabalhista: uma medida de sobrevivência
Dentre os muitos desafios que temos pela frente para recolocar o Brasil na estrada do desenvolvimento, um deles atende pelo nome de reforma trabalhista. Seja pelo fato de que nossa...
21/09/2016
Por um Brasil melhor
É tempo de reformas estruturantes no ambiente econômico brasileiro. O governo Temer se diz  disposto a apoiá-las e nós, brasileiros, não podemos perder a...
22/06/2016
Licenciamento ambiental
As entidades envolvidas na defesa ambiental recebe ram, com muita desconfiança, o Projeto de Lei (PL) nº 654/15, que dispõe sobre o procedimento de licenciamento ambiental...
20/04/2016
RNTRC - Por que é importante
O transporte rodoviário de cargas, durante décadas, sofreu com a ausência de  regulamentação. O desconhecimento estatístico de sua frota nunca permitiu...
02/03/2016
Brasil, meu Brasil brasileiro urubatan Helou, diretor presidente e fundador da Braspress e Vice-presidente da NTC&Logística
Este meu Brasil, que de mulato inzoneiro não tem nada, em apenas 25 anos construiu  2ª maior democracia do mundo, provando a enorme musculatura institucional  que vigora no...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.