22/07/2018
Login
Entrar




Finanças

10/07/2018

IPC-S desacelera na 1ª semana de julho e fecha a 1,01%

Agência Estado e Reuters
Email
A-   A+
Rio de Janeiro - A desaceleração da inflação de alimentos, prevista para julho, já começou e deverá ganhar tração até o fim do mês, afirmou ontem o economista André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). A FGV informou que o IPC-Semanal (IPC-S) ficou em 1,01% na primeira quadrissemana de julho, ante 1,19% na última leitura de junho.

A desaceleração da classe de despesa Alimentação (de 1,59% para 1,17%) foi destaque no arrefecimento da inflação. Segundo Braz, o movimento foi sentido inicialmente nos alimentos in natura, primeiros a sofrerem alta quando a greve dos caminhoneiros provocou desabastecimento, no fim de maio.

O item hortaliças e legumes passou de uma queda de 1,90% na última leitura de junho para uma redução de 10,27% na primeira quadrissemana de julho. Com a continuidade do processo, Braz crê que o IPC-S poderá chegar à última quadrissemana de julho abaixo de 0,50%. “A normalização dos preços dos alimentos só não vai ser mais rápida por causa das carnes, das aves e do leite”, disse Braz.

Reflexo duradouro - Carnes, aves e leite, segundo o economista da FGV, ainda sofrem algum reflexo mais duradouro da greve de caminhoneiros, como a perda de matrizes nos criadouros, que necessitam de um tempo maior para serem repostas, mas também passam por movimentos sazonais e enfrentam a alta do câmbio.

No caso do leite, o período de seca deixa os pastos mais áridos e reduz a produção. No caso do câmbio, a cotação mais elevada da moeda americana encarece o milho e a soja, insumos básicos da produção da ração que alimenta os rebanhos. O câmbio também encarece o trigo, matéria-prima de massas, pães e biscoitos, que também chegam mais caros ao consumidor.
Ainda assim, Braz acredita que a demanda fraca, resultado da saída ainda lenta da recessão, impedirá repasses mais fortes do câmbio para os preços finais. Segundo o economista, parte da alta que houve até aqui, do patamar de R$ 3,30 por dólar para R$ 3,80, já foi repassada, enquanto outra parte foi absorvida nas margens de lucro das empresas.

Agora, os próximos movimentos do câmbio preocupam menos o cenário de inflação, porque, ainda que o quadro eleitoral leve a novas altas, a incerteza sobre a sustentação do dólar em nível mais elevado tenderá a adiar repasses ao consumidor, na avaliação de Braz.

ALIMENTOS AINDA PRESSIONARAM IGP-DI DE JUNHO

São Paulo - O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) desacelerou a alta a 1,48% em junho, ante 1,64% no mês anterior, mas os preços de alimentos seguiram pressionados, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) ontem.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI), que responde por 60% do indicador todo, abrandou o avanço para 1,67% em junho, de 2,35% no mês anterior, com destaque para o movimento nos preços de matérias-primas brutas. O aumento dos valores desses produtos ficou em 0,89% em junho, contra 2,80% em maio.

No varejo, o movimento foi contrário, uma vez que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) avançou no período 1,19%, ante elevação de 0,41% em maio. O IPC-DI corresponde a 30% do IGP-DI.

A principal contribuição para o avanço da taxa do IPC partiu dos alimentos, que apuraram alta de 1,59% no mês passado, contra acréscimo de 0,24% em maio. Nessa classe de despesa, o destaque foi para o item laticínios, cuja taxa de crescimento passou de 1,60% para 5,70%.
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI) registrou alta de 0,97% no mês, sobre 0,23% antes.

O IGP-DI é usado como referência para correções de preços e valores contratuais. Também é diretamente empregado no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) e das contas nacionais em geral.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
Governo reduz projeção de crescimento do País
Em novo documento, estimativa para avanço do PIB sofreu corte significativo, saindo de 2,5% para 1,6%
21/07/2018
Dólar despenca e tem maior recuo semanal em 5 meses
São Paulo - O dólar despencou e foi abaixo de R$ 3,80, na sexta-feira (20), com os investidores respirando mais aliviados diante da cena eleitoral doméstica e sob...
21/07/2018
Caixa pode receber R$ 1,8 bi da União
São Paulo - A Caixa Econômica Federal receberá neste ano uma capitalização de R$ 1,8 bilhão de seu controlador, o governo federal, com recursos de...
21/07/2018
Alocação de recursos ainda será discutida
Brasília - O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, disse, na sexta-feira (20), que o governo decidirá até o fim deste mês onde irá alocar os R$ 666,6...
20/07/2018
Dinheiro lidera meios de pagamento
Apesar de uso ter caído em 5 anos, cédulas e moedas ainda são as preferidas da população
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.