17/06/2018
Login
Entrar




Política

10/03/2018

Juíza decide bloquear bens de ex-presidente da Assembleia do Rio no valor de R$ 4 mi

AE
Email
A-   A+
Brasília - A Justiça bloqueou na última quinta-feira R$ 4 milhões em bens do presidente afastado da Assembleia Legislativa do Estado do Rio, Jorge Picciani (MDB). Também foram bloqueados R$ 2,28 milhões de seu filho Felipe Picciani e de duas empresas da família. Pai e filho respondem por atos de improbidade administrativa e estão presos desde novembro do ano passado.

A juíza Ana Paula Gomes de Almeida, da 6ª Vara de Fazenda Pública da Capital, determinou o bloqueio com base em “fortes indícios da prática de atos de improbidade administrativa que causam danos ao erário”.

A empresa de agropecuária Agrobilara, de propriedade de Jorge Picciani e de seus filhos Leonardo Picciani, atual ministro do Esporte, e Rafael Picciani, deputado estadual pelo MDB-RJ, é citada nas investigações da Lava Jato no Rio.

Segundo delações premiadas, a Agrobilara lavou dinheiro de corrupção por meio da venda de vacas superfaturadas.

Os réus teriam usado a empresa e também a Agrocopa entre 2014 e 2015. A primeira teve R$ 2,1 milhões bloqueados na decisão da 6ª Vara e a segunda, R$ 1,2 milhão. André Monteiro, sócio de Felipe Picciani na Agrocopa, teve R$ 780 mil indisponibilizados.

De acordo com a Procuradoria da República, o “principal propósito” das empresas era lavar dinheiro de corrupção. O esquema se comunica, conforme os procuradores, com o do ex-governador Sergio Cabral (MDB), preso desde novembro de 2016.

Então presidente da Alerj, Picciani foi preso sob a acusação de receber propina da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor) entre os anos de 2010 e 2017. Ele teria ficado com R$ 77,2 milhões. O deputado teve pedido de prisão domiciliar negado pela Justiça Federal no mês passado.

A defesa de Jorge Picciani impetrou habeas corpus no Supremo Tribunal Federal, pedindo que ele deixe a cadeia de Benfica e siga para prisão domiciliar, por motivos de saúde.

Segundo os advogados de Picciani, o político não pode ficar na cadeia porque recentemente foi submetido a uma “complicadíssima cirurgia, de quase dez horas”, em função de um câncer na bexiga.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/06/2018
Moro avalia conexão sítio-Petrobras
Juiz apura suposta propina de empreiteiras com reformas em imóvel de Atibaia
16/06/2018
Bolsonaro lidera pesquisa sem Lula
Pré-candidato é superado pela intenção de votos brancos e nulos com petista fora
16/06/2018
Arquiteta diz que conheceu Marisa Letícia
São Paulo - A arquiteta Maria Cecília de Castro afirmou, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, na sexta-feira (15), ter apresentado à ex-primeira-dama Marisa...
16/06/2018
Fachin pauta pedido de liberdade para Lula
Brasília - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu que seja incluída na pauta da Segunda Turma do próximo dia 26 um pedido da defesa do...
16/06/2018
Ex-presidente será comentarista da Copa na TVT
São Paulo - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Lava Jato, será comentarista da Copa do Mundo da Rússia. Mesmo detido, o petista...
› últimas notícias
BDMG reduz juros para MPEs
Valor de dívidas de estados e municípios foi de R$ 594,1 mi
Fazenda critica MP do frete ao STF
Liberação de saque deve injetar R$ 39,3 bi no mercado
Uberlândia está no rumo da universalização
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


16 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.