Publicidade
13/12/2017
Login
Entrar

Internacional

08/12/2017

Juiz pede prisão de ex-presidente Cristina Kirchner

Congresso precisa aprovar remoção de sua imunidade
Reuters
Email
A-   A+
Cristina Kirchner convocou coletiva no Congresso para negar a irregularidade/Divulgação
Buenos Aires - Um juiz federal argentino indiciou e pediu a prisão da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner na quinta-feira (7), por tentar ocultar o possível papel do Irã na explosão de um centro comunitário judaico, que deixou 85 mortos em 1994, segundo despacho judicial.

Como Cristina Kirchner é senadora, o Congresso precisa aprovar a remoção de sua imunidade parlamentar antes que ela possa ser detida. O juiz federal Claudio Bonadio também indiciou e pediu que o ex-ministro de Relações Exteriores de Cristina Hector Timerman cumpra prisão domiciliar.

Tanto Cristina Kirchner como Timerman já negaram ter cometido qualquer irregularidade.
Embora a remoção da imunidade de autoridades do Congresso seja rara na Argentina, o Congresso o fez no dia 25 de outubro para o ex-ministro de Planejamento de Cristina Julio De Vido e ele foi preso no mesmo dia. De Vido é acusado de fraude e corrupção, o que ele nega.

Mais cedo na quinta-feira, outros dois aliados de Cristina Kirchner foram presos com base na mesma decisão de Bonadio: Carlos Zannini, um assessor jurídico, e Luis D’Elia, o líder de um grupo de manifestantes aliado a seu governo.

Há um ano, um tribunal de recursos ordenou a reabertura de uma investigação sobre a possibilidade de uma ocultação relacionada à explosão. Em janeiro de 2015, o promotor que fez a acusação inicial, Alberto Nisman, foi encontrado morto no banheiro de seu apartamento em Buenos Aires.

A morte foi classificada como um suicídio, embora uma autoridade investigando o caso tenha dito que o incidente parecia ser homicídio. O corpo de Nisman foi descoberto algumas horas antes de quando ele deveria passar informações para o Congresso sobre a explosão do centro.

Nisman havia dito que Cristina trabalhou nos bastidores para livrar o Irã e normalizar as relações bilaterais para fechar um acordo de grãos por petróleo com Teerã.

Bonadio escreveu que evidências do caso demonstraram que o Irã, com a ajuda de cidadãos argentinos, pareceu atingir seu objetivo de evitar ser declarado como um Estado “terrorista” pela Argentina.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

13/12/2017
EUA: reforma tributária pode ser votada em uma semana
Washington - Os negociadores republicanos da Câmara dos Representantes e do Senado estão apressados para finalizar um projeto de lei tributária para que uma...
13/12/2017
Presidente da França teme que humanidade esteja perdendo batalha
Paris - O presidente da França, Emmanuel Macron , fez uma avaliação desoladora da luta global contra a mudança climática a dezenas de líderes mundiais e...
13/12/2017
Argentina quer se abrir ao comércio eletrônico
Buenos Aires - O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, disse ontem, após reunião entre representantes do Mercosul e da União Europeia, que o bloco...
13/12/2017
Mercosul entrega nova proposta para a UE
Blocos se reúnem em Buenos Aires
08/12/2017
Brasil mantém postura histórica
Brasília - Diante do anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o governo brasileiro manteve sua postura...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.