16/07/2018
Login
Entrar

Economia

14/04/2018

Liberação de FGTS pode impactar crédito imobiliário, diz presidente

Email
A-   A+
São Paulo - A liberação do saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para trabalhadores que pedirem demissão teria forte impacto no crédito imobiliário, disse o presidente da Caixa Econômica Federal, Nelson Antonio de Souza.

“O impacto seria significativo”, disse Souza à Reuters, contando que os cálculos sobre a dimensão dessa medida estão sendo feitos pelo banco estatal, responsável por cerca de 60% do financiamento para compra da casa própria no País.

Atualmente, só trabalhadores demitidos por seus empregadores podem ter acesso imediato aos recursos do fundo. A proposta de abrir acesso ao dinheiro do fundo aos que também se demitirem foi aprovada, nesta semana, pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado e agora segue para votação na Câmara dos Deputados. O governo federal é contra a proposta.

Historicamente, o FGTS responde por quase metade dos recursos direcionados para financiar a compra de moradia. É a linha mais concorrida no mercado, por ser a mais barata. O restante tem lastro em depósitos da caderneta de poupança.

Em 2017, porém, o FGTS respondeu por R$ 58 bilhões dos R$ 101 bilhões desembolsados por elas, segundo dados da Abecip, que representa as financiadoras de imóveis. O FGTS ganhou terreno, em parte, devido ao menor volume de recursos da poupança nos últimos anos, em um cenário de juros mais altos, que estimulou migração de investimentos para títulos públicos.

Com a queda da Selic para a mínima recorde de 6,5% ao ano, especialistas do setor avaliam que a poupança tende e ganhar predominância no financiamento para habitação.

Efeitos - Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a aprovação da medida aprovada na comissão do Senado nesta semana teria um impacto anual de R$ 28 bilhões no FGTS, o que afetaria diretamente nos recursos para habitação e, em menor medida, projetos de mobilidade urbana e de saneamento também financiados com recursos do fundo.

“Esse é um assunto que preocupa não só a Caixa, mas todo o setor da construção civil”, disse Souza. “Então, estamos conversando com o governo e outros interessados para ver como lidar com o assunto”.

A expectativa da Abecip é de que o financiamento imobiliário no País voltará a crescer em 2018, após forte queda nos últimos três anos.

Souza, ex-vice-presidente de habitação da Caixa, assumiu o comando do banco estatal na semana passada, substituindo Gilberto Occhi, nomeado para ministro da Saúde.

Com os níveis de capital enfraquecidos após anos de fortes desembolsos de crédito em um país em recessão, a Caixa agora luta para elevar seus níveis de patrimônio líquido, à medida que se prepara para exigências de capitalização mais rígidas em 2019.

Como consequência, a carteira de crédito da Caixa fechou 2017 com retração de 0,4%. Para 2018, a previsão do banco é de estabilidade.

Previsão de orçamento - Segundo Souza, o orçamento previsto para empréstimo imobiliário da Caixa em 2018 é de cerca de R$ 82 bilhões, incluindo todas as linhas, nível similar ao do ano passado.

A Caixa Econômica deve divulgar, na semana que vem, um corte nas taxas de juros para financiamento habitacional com recursos da caderneta de poupança (SBPE), disse Souza, sem dar detalhes.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

14/07/2018
Setor de serviços encolhe 6,7% em maio em Minas Gerais
Recuo foi apurado na comparação com igual período de 2017
14/07/2018
Cemig pretende alongar prazo de dívida
Companhia anunciou reabertura de eurobonds lançados no ano passado com vencimento em 2024
14/07/2018
Arrecadação da Cfem em Minas tem aumento de 44%
Os R$ 405,4 mi do 1º semestre de 2017 subiram para R$ 584 mi
14/07/2018
Aposentadoria preocupa brasileiros
País é o que tem maior temor quanto a perda de benefícios
14/07/2018
TJ suspende operação financeira do governo de MG
AGE deve recorrer da decisão
› últimas notícias
JPMorgan encerra trimestre com receita 6,5% maior e lucro acima das expectativas
Setor de serviços encolhe 6,7% em maio em Minas Gerais
Cemig pretende alongar prazo de dívida
Faemg concede Medalha do Mérito Rural aos que contribuem com a agropecuária
Mercado de eventos dribla a crise em Belo Horizonte
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


14 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.