Publicidade
27/07/2017
Login
Entrar

Política

13/04/2017

Lista de Fachin afeta agenda de reformas

A inclusão de pré-candidatos à sucessão de Temer entre os investigados mexe no tabuleiro de 2018
Email
A-   A+
Temer quer evitar paralisação/José Cruz/ABr
Brasília - A abertura de inquéritos para investigar políticos e autoridades determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin pode atrapalhar os planos de conhecidos pré-candidatos ao Palácio do Planalto em 2018 e a agenda de reformas do governo do presidente Michel Temer.

Relator da Operação Lava Jato no STF, Fachin autorizou a abertura de 76 inquéritos para investigar 98 pessoas a partir das delações premiadas feitas por executivas da Odebrecht, no maior desdobramento da operação em relação a autoridades com foro privilegiado, que serão alvos de apurações pela prática principalmente dos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e fraude à licitação.

Políticos cotados para disputar o Planalto no próximo ano entraram na mira da delação da Odebrecht. Além do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve pedido remetido a instância inferior, dois outros estão no foco: o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), alvo de cinco inquéritos no STF abertos por Fachin, e o governador paulista, o tucano Geraldo Alckmin, a quem o relator da Lava Jato remeteu um caso dele para avaliação se abre inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde ele tem foro.

Além do caso de Alckmin, Fachin remeteu ao STJ o de outros oito governadores. No Supremo, três governadores serão investigados ao lado de autoridades com foro na Corte.
Até o momento, as delações não implicaram outros potenciais nomes para 2018, como o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), a ex-ministra Marina Silva (Rede), o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

A partir de agora, os inquéritos terão de ser instruídos com a colheita de provas e, se houver indícios robustos de ocorrência de crime, a Procuradoria-Geral da República deverá oferecer denúncia contra os acusados.

O fato de investigações contra autoridade com foro privilegiado historicamente demorar para serem concluídas dificulta os planos de candidatura dos nomes tradicionais da política, porque ficará aquele “peso indefinido” contra os políticos.

No caso de Aécio e Alckmin no PSDB, isso pode ajudar a abrir espaço para uma alternativa como Dória.

Ministros - No momento em que o governo se prepara para votar na Câmara as reformas da Previdência e trabalhista, a abertura de investigações contra oito ministros de Temer, quase um terço das 28 pastas do Executivo Federal, tem potencial desestabilizador, especialmente porque dois alvos de inquérito são do núcleo restrito de Temer, os titulares da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco.

Temer, no entanto, procurou mandar um recado ontem tanto ao Executivo como ao Congresso, para evitar qualquer tipo de paralisia. “Nós não podemos jamais paralisar o governo. Nós temos que dar sequência ao governo, nós temos que dar sequência à atividade legislativa, nós temos que dar sequência à atividade judiciária”, disse o presidente em evento no Palácio do Planalto.

Braço direito de Temer, o ministro da Casa Civil tornou-se alvo de dois inquéritos. Em um deles, dois diretores da Odebrecht afirmaram em delações que Padilha pediu “vantagens indevidas” para a construção de uma linha de metrô no Rio Grande do Sul, obra orçada em R$ 324 milhões. Ele teria pedido 1% do valor do contrato.

No outro caso, em que Padilha é investigado juntamente com Moreira Franco, a dupla teria recebido propina de R$ 4 milhões travestida de doação eleitoral para a campanha de 2014.

Segundo delatores, Padilha foi a pessoa indicada por Moreira para arrecadar a verba. A empresa tinha interesses em garantir cláusulas contratuais em concessões aeroportuárias, setor comandado na ocasião por Moreira, então ministro da Aviação Civil da gestão Dilma.
Nesse inquérito, segundo a delação de Cláudio Mello Filho, um encontro com a participação do hoje presidente Michel Temer, Padilha e o ex-dono da empreiteira Marcelo Odebrecht, teria sido solicitado o repasse de R$ 10 milhões, a pretexto da campanha de 2014.

No caso, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reconheceu que Temer tem “imunidade temporária”, o que impossibilita ele ser investigado no exercício do mandato de presidente por fatos “estranhos ao exercício de suas funções”.

O ministro da Casa Civil não quis comentar as decisões de Fachin e afirmou que só se pronunciaria nos autos. A assessoria de imprensa de Moreira Franco também disse que ele não vai se manifestar.

Também foram alvos de inquéritos os ministros Gilberto Kassab (PSD), da Ciência e Tecnologia; Helder Barbalho (PMDB), da Integração Nacional; Aloysio Nunes (PSDB), das Relações Exteriores; Blairo Maggi (PP), da Agricultura, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades; Marcos Pereira (PRB), da Indústria e Comércio Exterior. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

27/07/2017
Ex-presidente do BB e da Petrobras pediu R$ 20 milhões em propina, diz Lava Jato
Aldemir Bendine foi preso temporariamente hoje (27) em São Paulo
27/07/2017
Governo acredita que terá 300 votos contra denúncia
Temer se empenha pessoalmente para conquistar os 80 indecisos
27/07/2017
Janot pede manutenção de Cunha atrás das grades
Brasília - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, manifestou-se na última terça-feira pela manutenção da prisão do ex-deputado...
27/07/2017
Governo tem déficit de R$ 19,798 bilhões
Brasília - O governo central registrou um déficit primário de R$ 19,798 bilhões em junho, o pior desempenho para o mês em toda a série...
27/07/2017
Liberação de verba para Carnaval gera revolta
Brasília - A liberação de R$ 13 milhões para o desfile das escolas de samba do carnaval do Rio de Janeiro pode abrir uma nova crise entre o governo e a bancada do...
› últimas notícias
Taxa de juros de pagamento mínimo do cartão cai para 230,4% em junho
Caixa Econômica começa a pagar hoje abono do PIS/Pasep
Ex-presidente do BB e da Petrobras pediu R$ 20 milhões em propina, diz Lava Jato
Produção da indústria mineira tem queda
Faturamento da indústria em 2017 deve recuar 10%
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Mineração: Setor ganha hoje novo marco regulatório
MRV planeja atingir marca de 500 mil unidades em 10 anos
Precon recebe certificação inédita no País
Caixa Econômica começa a pagar hoje abono do PIS/Pasep
Drogarias e cosméticos têm expansão em BH
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› DC Auto
VW amplia a linha Pepper para 2018
Marcopolo apresenta o novo Torino S
BMW convoca proprietários das R 1200 GS e R 1200 GS Adventure
Cinto de segurança deve ser usado pelos passageiros do banco traseiro
Kicks passa a ser produzido no Brasil
Leia todas as notícias ›
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


28 de July de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.