19/06/2018
Login
Entrar

Finanças

13/06/2018

Lucro atinge 14% do custo do crédito

Segundo BC, redução dos ganhos com maior concorrência pode baratear empréstimos
Abr
Email
A-   A+
BC vem se esforçando nos últimos tempos para reduzir o custo do crédito para os brasileiros/Pixabay/Divulgação
Brasília - O lucro dos bancos correspondeu a 14,04% do custo do crédito para famílias e empresas, de acordo com dados divulgados ontem pelo Banco Central (BC) no Relatório de Economia Bancária. Além da margem financeira (lucro) dos bancos, os custos do crédito são compostos por inadimplência (38,27%), despesas administrativas (25,55%) e tributos (22,13%). Esses dados são referentes ao ano passado.

Em relação a 2016, o lucro respondeu por 14,41% do custo do crédito para o tomador, a inadimplência por 38,57%, as despesas administrativas, 24,23%, e os tributos, 22,79%.
De acordo com o relatório, a ampliação da concorrência pode tornar os empréstimos mais baratos por meio da redução dos lucros. Segundo o BC, ainda que o lucro tenha menor peso nos custos para o tomador de crédito, ampliar a concorrência é uma “prioridade”.

“A instituição (BC) vem tomando medidas para aumentar a disponibilidade de informações às instituições financeiras, adaptar a regulação de acordo com o porte da instituição financeira, fomentar a portabilidade de empréstimos, facilitar o acesso ou mudança de instituição financeira pelos clientes e incentivar inovações financeiras”, diz o BC.

Para o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana, o custo do crédito no País precisa cair mais. Segundo ele, o “esforço” do Banco Central é para que essa redução seja feita de maneira “estrutural e sustentável”.

“Não só queremos, como estamos trabalhando para que as taxas de juros caiam mais rapidamente”, disse. Viana destacou que o peso da inadimplência é elevado e para mudar isso é preciso melhorar as garantias dos empréstimos e investir em educação financeira.

Leia também:
Empréstimo para empresas deve recuar
Gigantes de tecnologia podem se tornar concorrentes


Metodologia de cálculo - O diretor explicou que houve uma mudança na metodologia do cálculo do custo do crédito. Com isso, o peso dos custos administrativos passaram de cerca de 4% para 25% do custo do crédito. Já a parcela do lucro dos bancos, que antes era de cerca de 23%, recuou para 14%.

Segundo o diretor, anteriormente, subestimava-se o peso dos custos administrativos, ao subtrair as receitas com serviços prestados pelos bancos. “Anteriormente, a ideia era que os serviços não eram nada mais do que uma atividade que ajudava a cobrir os custos”, disse. Atualmente, segundo o diretor, os serviços são considerados parte dos negócios do banco, ao lado do crédito.

Concentração bancária - Para o BC, maior concorrência entre os bancos não requer necessariamente menor nível de concentração bancária. “O Banco Central monitora a concentração do Sistema Financeiro Nacional e está atento aos riscos para o sistema e aos possíveis efeitos sobre o spread (diferença entre taxa de captação do dinheiro pelos bancos e a taxa cobrada dos clientes) bancário e outros preços. Entretanto, a relação entre concentração e spreads não é tão direta quanto o senso comum pode sugerir”, pondera. De acordo com o BC, outros fatores estruturais são importantes para se explicar o custo do crédito: despesas administrativas, impostos, margem financeira (lucro) e inadimplência.

De acordo com o relatório, em 2016, o Brasil estava no grupo de países com os sistemas bancários mais concentrados, o que inclui Austrália, Canadá, França, Holanda e Suécia.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/06/2018
Mercado estima manutenção da Selic em 6,5% pelo Copom
Reunião do comitê se inicia hoje e decisão sai amanhã
19/06/2018
Dólar sobe e fecha a R$ 3,74; Ibovespa tem queda e fica abaixo dos 70 mil pontos
São Paulo - O dólar terminou ontem em alta ante o real, em meio a temores de guerra comercial entre Estados Unidos e China e de olho no quadro político doméstico, a...
19/06/2018
Alimentação acelera e IPC-S varia 1,00% na segunda semana de junho
O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) apresentou variação de 1,00%, na segunda quadrissemana de junho, 0,30 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada...
18/06/2018
Economistas veem dólar acima de R$3,50 este ano e Selic a 6,5% esta semana, mostra Focus
SÃO PAULO - Economistas de instituições financeiras passaram a ver o dólar acima de 3,50 reais no final deste ano, ao mesmo tempo em que a projeção para...
16/06/2018
Especialistas aprovam antecipação feita pela CMN
São Paulo – A decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de antecipar o fim do prazo médio de repactuação mínimo (PRC) para títulos...
› últimas notícias
Preço do diesel recua R$ 0,41 em Minas
Mais de 40% das empresas usam planilhas ao contratar
Inadimplência recua na Capital
TCU vai apurar se cobrança por despacho de bagagem reduziu preços das passagens
Governo espera movimentar a economia com liberação de saques
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.