Publicidade
12/12/2017
Login
Entrar

Finanças

06/09/2017

Lucro da Caixa mais que dobra no 1º semestre

Resultado da instituição financeira atingiu R$ 4,1 bilhões no período, de acordo com o Banco Central
AE
Email
A-   A+
Resultado operacional do banco cresceu 1.500% no primeiro semestre, para R$ 3,9 bilhões/Alisson J. Silva
São Paulo - A Caixa Econômica Federal mais que dobrou o seu lucro líquido no primeiro semestre, impulsionada pela melhora dos números operacionais em meio à queda dos gastos com provisões e maiores receitas com serviços. De janeiro a junho, o resultado líquido do banco, conforme dados disponibilizados pelo Banco Central (BC), totalizou R$ 4,1 bilhões, cifra 104% maior que a registrada em idêntico intervalo do ano passado, de R$ 1,9 bilhão.

A Caixa é o único grande banco que ainda não divulgou seus números do semestre e do segundo trimestre - embora estejam no site do BC. A divulgação de resultados da instituição pública era para ter ocorrido há semanas, na esteira dos anúncios dos demais grandes bancos, de acordo com fontes, mas atrasou. A expectativa é que a Caixa abra seus números na próxima semana, afirma um executivo próximo ao banco. Oficialmente, a instituição não comenta.

O resultado operacional da Caixa saltou de R$ 244,498 milhões no primeiro semestre do ano passado para R$ 3,918 bilhões, um aumento de mais de 1.500%, conforme dados do Banco Central. O crescimento foi possível graças ao aumento de 11,5% nas receitas com serviços e tarifas bancárias e recuo de cerca de 3% nas despesas com provisão para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, ambas no primeiro semestre ante um ano.

A carteira de crédito da Caixa totalizou R$ 703,7 bilhões ao final de junho, montante 3,54% maior que o registrado na primeira metade de 2016. Na comparação com março, o saldo dos empréstimos teve leve alta de 0,20%.

Os ativos totais do banco público foram a R$ 1,277 trilhão no primeiro semestre deste ano, aumento de 5,2% ante idêntico intervalo de 2016, de R$ 1,214 trilhão. O índice de Basileia, que mede quanto um banco pode emprestar sem comprometer o seu capital, foi a 14,42% ao final de junho, segundo dados do BC, ante 13,5% em março e 12,7% um ano antes.

Estrutura de capital - A Caixa está debruçada em melhorar sua estrutura de capital. Além de desacelerar a oferta de crédito, o banco monitora o mercado externo para eventual captação, conforme noticiou a Coluna do Broadcast, e também a venda de ativos. Dentre eles, está o leilão da Lotex, rede de loteria instantânea do banco público, previsto para ocorrer neste ano.

Outra iniciativa da Caixa está no seu braço de seguros. Depois de negociações frustradas com a sócia francesa CNP Assurances, o banco prepara a venda fatiada do seu braço securitário. A Caixa Seguros, de acordo com fontes, está sendo dividida entre três e quatro seguradoras e será ofertada ao mercado em um leilão. No entanto, o contrato com a CNP Assurances vai até 2021.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

12/12/2017
PIB do Brasil deve crescer acima do esperado neste ano
Entidades revisaram para cima suas projeções
12/12/2017
Cautela ainda dita o ritmo na bolsa de valores
São Paulo - A valorização de ativos no mercado externo foi essencial para a leve alta do Índice Bovespa ontem, que avançou 0,09%, aos 72.800,04 pontos....
12/12/2017
Inflação deverá ficar abaixo da meta
São Paulo - O mercado voltou a ver a inflação abaixo do piso da meta neste ano e ainda elevou a expectativa para o crescimento da economia, mostrou a pesquisa Focus do Banco...
12/12/2017
IGP-M avança 0,73% na 1ª semana
Rio - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,73% na primeira prévia de dezembro, após ter recuado 0,02% na primeira prévia de novembro. A...
08/12/2017
Indústria de fundos acumula patrimônio de R$ 4,1 trilhões
Resultado líquido reflete captação recorde em 2017, aponta Anbima
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.