Publicidade
22/09/2017
Login
Entrar

Economia

15/08/2017

Magnesita Refratários reporta prejuízo líquido de US$ 41,4 milhões

Resultado do semestre é atribuído a baixas contábeis e câmbio
Leonardo Francia
Email
A-   A+
Durante o primeiro semestre a companhia investiu US$ 21,7 milhões/Marcos Alvarenga
A Magnesita Refratários S/A, com sede em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), apurou prejuízo líquido de US$ 41,4 milhões no fechamento do primeiro semestre deste ano. No mesmo período de 2016, a empresa registrou lucro líquido de US$ 45,4 milhões.

Segundo informou a companhia, a queda aconteceu devido, principalmente, a baixas contábeis (impairments) dentro de despesas e receitas operacionais e do imposto de renda. Além disso, as despesas relativas às variações cambiais também contribuíram para o resultado pior na primeira metade deste ano.

Apesar do prejuízo no semestre, o presidente do Conselho de Administração da companhia, Octavio Pereira Lopes, afirmou, em seu pronunciamento durante conferência com investidores e acionistas, realizada nesta segunda-feira, durante o primeiro semestre, “observamos um ambiente mais favorável nos nossos mercados estabelecidos, especialmente na América do Sul, onde a produção de aço está se recuperando”.

A receita operacional do primeiro semestre somou US$ 552,2 milhões, contra US$ 486,8 milhões em igual período de 2016, um aumento de 13,4%. O segmento de soluções refratárias gerou US$ 484,3 milhões do total e com volume de vendas de 491,5 mil toneladas, com alta de 12,6%, em valor, e crescimento de 6,8% em quantidade, no mesmo confronto.

O presidente do conselho da companhia explicou que o avanço da receita da área de refratários no primeiro semestre foi alavancado especialmente pelo maior volume de vendas e pelo efeito do câmbio nas vendas reais, devido à apreciação do real frente ao dólar.
No segmento de minerais industriais, a receita da companhia somou US$ 33,1 milhões entre janeiro e junho contra US$ 27,3 milhões em igual semestre de 2016, uma evolução de 21%. Em igual base de confronto, o faturamento com serviços alcançou US$ 34,9 milhões sobre US$ 29,2 milhões, com aumento de 19,3%.

Durante o semestre, a companhia investiu US$ 21,7 milhões, valor 8,8% menor do que no mesmo período de 2016, quando os aportes somaram US$ 23,8 milhões. A queda se deve ao fim de um ciclo de investimentos na área de tecnologia da informação (TI), finalizado em 2016.

O Ebitda ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da empresa somou US$ 91,2 milhões entre janeiro e junho, ante US$ 80,5 milhões nos mesmos meses do ano passado, evolução de 13,2%. A margem Ebitda do período foi de 16,5%, estável na mesma comparação.

Ao final do semestre, o capital de giro da companhia era de US$ 234,9 milhões, 7,2% de queda em relação aos US$ 253 milhões do mesmo período de 2016. A redução, conforme a companhia, refletiu os esforços em diminuir a intensidade do capital de giro, suportado por ganhos sustentáveis de eficiência.

RHI Magnesita - Sobre o acordo celebrado em 2016 com a gigante austríaca de materiais térmicos refratários RHI para combinar operações, formando a RHI Magnesita, Lopes afirmou que os acionistas da RHI já aprovaram a operação em assembléia realizada no começo deste mês.

“Esses eventos representaram marcos importantes, e nos aproximaram muito da conclusão da transação. O próximo passo importante é a listagem da RHI Magnesita na Bolsa de Valores de Londres, o que é esperado para o último trimestre deste ano”, disse o presidente do Conselho.

Conforme já anunciado, a operação deve movimentar pelo menos 118 milhões de euros e sua conclusão está prevista para este ano e ainda está sujeita a aprovações. O novo conglomerado será líder global do setor de refratários.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/09/2017
Minas Gerais tem saldo negativo de 9.445 postos
Resultado é referente a agosto
22/09/2017
Elmo Calçados fecha acordo com credores e evita falência
Dívida gira em torno de R$ 46 mi
22/09/2017
Agência Nacional pode modernizar gestão governamental sobre a indústria da mineração
Para o diretor-geral do DNPM, a autarquia, prevista em medida provisória, vai destravar processos
22/09/2017
Empresas fazem aportes para leilão de usinas da Cemig
Ao mesmo tempo, são realizadas reuniões de conciliação com o governo federal para prorrogar concessões
22/09/2017
Setor de construção civil volta a apresentar melhora no Estado
Sondagem divulgada pela Fiemg e Sinduscon-MG registrou em julho a segunda alta consecutiva
› últimas notícias
Editorial
"A Costa dos Murmúrios", da portuguesa Lídia Jorge
CCPR assume 100% de participação na Itambé
Temer recebeu propina, afirma Funaro
Banco Central reduz as projeções para a inflação deste ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.