Publicidade
23/05/2018
Login
Entrar

Política

21/11/2017

Maia critica que recorrer a MPs é agir como "ditador"

Presidente da Câmara volta a reprovar alterações na lei trabalhista
FP
Email
A-   A+
Rodrigo Maia defende as mudanças por projeto de lei/Lula Marques / AGPT
Porto Alegre - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), criticou o uso de medidas provisórias pelo presidente Michel Temer. Para ele, recorrer às MPs não ajuda a democracia e se assemelha à forma como age um ditador.

“Pensando que um ditador é assim. Ditador faz aquilo que pensa, certo ou errado, sozinho. A MP é isso durante quatro meses. Por isso, o que eu acho, no futuro tem que acabar com a medida provisória, porque ela não ajuda a democracia brasileira”, falou Maia, durante evento ontem, em Porto Alegre.

Na última semana, Temer editou uma MP que altera pontos da reforma trabalhista, que havia entrado em vigor quatro dias antes. Maia, que queria que a alteração fosse feita através de um projeto de lei, afirmou que esse é um instrumento que vem de sistema autoritário de governo.

O presidente da Câmara afirmou ainda que o que mais lhe assusta é que até agora nenhuma central sindical tenha vindo questionar a atitude do governo. “A partir daí, qualquer presidente pode entrar e fazer uma reforma trabalhista por medida provisória. Será que é isso que nós queremos?”.

Apesar das críticas, Maia afirmou que a Medida Provisória que altera a reforma trabalhista deve ser votada dentro de, no máximo, quatro semanas pela Câmara dos Deputados. Apesar de ter validade imediata, ela precisa ser aprovada pelo Congresso para continuar em vigor após o prazo de quatro meses.

Leia também:
Sistemas financeiro e de capitais precisam mudar


Previdência - A defesa da reforma da Previdência foi o ponto principal do discurso de Maia, que trabalha com a ideia de aprovar um texto que represente pelo menos 50% do original. Maia destacou a necessidade de discutir a inclusão dos membros das Forças Armadas e das polícias militares na reforma.

“São dois temas que vão ter que ser tratados, principalmente das polícias militares. A gente não tem mais condição de ter na reserva, como a gente tem em São Paulo, 1.800 coronéis e 80 na ativa. Isso do ponto de vista fiscal é inviável”.

Os policiais militares foram excluídos do projeto de reforma da Previdência no final do ano passado. Já a situação das Forças Armadas, segundo Maia, ainda está sendo discutida internamente pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Perguntado sobre a escolha de seu amigo pessoal, deputado federal Alexandre Baldy, para assumir o Ministério das Cidades, Maia negou que a indicação tenha relação com a sua disposição em ajudar o governo a aprovar a reforma da Previdência.

Eleições - Maia defendeu que o Democratas tenha candidatura próprio à Presidência, e que o nome mais preparado do partido seria o de ACM Neto, prefeito de Salvador.
“Para governador hoje é favorito, mas se ele topasse um sonho maior, uma campanha presidencial, ele é um nome muito forte.”

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/05/2018
Meirelles é oficializado pelo MDB
Michel Temer lança a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda para sua sucessão
23/05/2018
Controlador da Marfrig aceita pagar R$ 100 mi
Brasília - O Ministério Público Federal, no Distrito Federal, firmou termo de compromisso de reparação com Marcos Antônio Molina dos Santos, investigado...
23/05/2018
Tribunal de Minas rejeita último recurso de Azeredo
Desembargadores determinam a emissão de mandado de prisão
23/05/2018
Governo decide desbloquear R$ 2 bilhões
Brasília - O governo desbloqueou R$ 2 bilhões do Orçamento de 2018, ano marcado pelas eleições presidenciais, diante da previsão de maior receita gerada...
23/05/2018
Celso de Mello defende restrição do foro privilegiado para governadores
Brasília - O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu que a restrição do foro privilegiado de parlamentares, decidida neste mês...
› últimas notícias
Uso de térmicas pressionou elevação
Reajuste tarifário médio chega a 23,19% em Minas
Dia da Liberdade de Impostos terá adesão de cerca de 800 lojas
Cide deve ser zerada sobre o diesel
Acordo de líderes pode destravar a pauta
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.