Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Economia

12/10/2017

MAN apresenta caminhão elétrico brasileiro

AE/Reuters
Email
A-   A+
Caminhão desenvolvido pela montadora no Brasil deverá iniciar a operação em fase de testes no próximo ano/MAN/Divulgação
Pequim e São Paulo - A Volkswagen lançou na quarta-feira o primeiro caminhão leve 100% elétrico desenvolvido no Brasil. O modelo, apresentado em um evento da empresa do grupo MAN Latin America na Alemanha, deve iniciar a operação em frotas piloto em 2018.

O modelo, chamado de e-Delivery, foi desenvolvido em parceria com empresas com a WEG e a Eletra para tração de veículos comerciais e tem autonomia de até 200 quilômetros, a depender da aplicação e configuração do veículo.
A recarga, outro desafio para a competitividade dos veículos elétrico, terá duas opções no caminhão da Volks. A fabricante afirma ser possível carregar 30% da bateria em 15 minutos. Essa é a alternativa para aumentar a autonomia do veículo. Já a recarga completa leva três horas.

A companhia está de olho no nicho de caminhões para grandes centros urbanos e demandas por logística verde, zero emissões e circulação em locais com baixo ruído.
“Trata-se de uma plataforma totalmente nova, desenvolvida no Brasil, na busca de alternativas de mobilidade nas cidades. Ele insere, definitivamente, a engenharia brasileira na rota global de tecnologia”, afirmou o presidente e CEO da MAN Latin America, Roberto Cortes, em nota.

BMW - A montadora de luxo alemã BMW está buscando formar uma joint venture com a Great Wall Motor na China, a qual poderia se concentrar em veículos elétricos, disseram duas fontes familiarizadas com o assunto.

Um empreendimento com a Great Wall, cujas ações cotadas em Hong Kong saltaram 20% com as notícias, seria o segundo da BMW no maior mercado de automóveis do mundo, onde as montadoras estrangeiras precisam fazer parceria com empresas locais para atuar.

“Estamos em discussões com a Great Wall sobre a criação de uma joint venture para produzir carros em Changshu”, disse um executivo da BMW, falando em condição de anonimato por não estar autorizado a revelar as conversas.

Outra pessoa familiarizada com o assunto disse que a nova joint venture não trabalharia com carros movidos a gasolina ou diesel, indicando um provável foco em veículos elétricos.

As vendas da BMW na China cresceram 11,3% no ano passado. É a segunda maior marca do país depois da Audi, da Volkswagen. A BMW está tentando se manter à frente da terceira posição, mantida pela Mercedes-Benz, unidade da Daimler, que registrou crescimento de 26,6% nas vendas chinesas em 2016, graças a uma nova linha de modelos.

Outras montadoras anunciaram recentemente uma série de investimentos e parcerias na China. Tesla, Ford Motor, Daimler e General Motors estão entre as que já anunciaram planos para desenvolver veículos elétricos na China.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
Indústria mineira projeta crescimento
Indicadores de renda e de inflação já favorecem o setor, que prevê aumento de 2% na produção neste ano
21/10/2017
PIB brasileiro volta a crescer em agosto, estima a FGV
Alta atingiu 0,2% no período
21/10/2017
Consumo de bens industriais no Brasil tem aumento de 2,5% em agosto
Rio - O consumo de bens industriais no País cresceu 2,5% em agosto ante julho, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Consumo Aparente da...
21/10/2017
Privatização pode onerar a indústria nacional
O alerta é do professor da UFRJ, Eduardo Costa Pinto, que propõe a abertura de capital das subsidiárias
21/10/2017
Cemig dispensa diretor, com previsão de novas substituições
Luiz Fernando Paroli estaria cotado para a presidência
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.