23/07/2018
Login
Entrar




Negócios

03/01/2018

Maricota prevê faturamento de R$ 180 mi este ano

Em 2017, empresa luzense movimentou R$ 150 mi
Daniela Maciel
Email
A-   A+
A Maricota faz aportes de R$ 2,5 milhões para elevar a capacidade de produção em Luz/Divulgação
O sucesso do mineiríssimo pão de queijo é inegável. O produto, típico das montanhas mineiras, já ganhou o Brasil e aos poucos conquista paladares estrangeiros. Nascido, principalmente, da combinação de queijo e polvilho, é, sem dúvida, o carro-chefe da Maricota Alimentos, instalada em Luz, na região Centro-Oeste do Estado.

Somente em 2017, a empresa luzense apurou expansão de 17% sobre o ano imediatamente anterior, somando faturamento de R$ 150 milhões. Em 2016, a Maricota já havia registrado um avanço de 12% no faturamento na comparação com 2015. Para este ano, a previsão é crescer entre 18% e 20%, totalizando receita de até R$ 180 milhões.

De acordo com o diretor comercial da Maricota Alimentos, Ronaldo Evelande, atualmente a empresa exporta para mais de 20 países. Apesar dos embarques terem crescido, o bom resultado está calcado no mercado nacional. “As exportações são responsáveis por 5% do faturamento total, com grande potencial de crescimento, porém, ainda estão longe de ser o nosso principal negócio. Desenvolvemos uma logística capaz de atender todo o País, com 50% de frota própria e uma lista de parceiros bem escolhida. Nos lugares mais difíceis, como Norte, Nordeste e Rio de Janeiro, fazemos o transporte com os nossos carros para garantir a qualidade dos produtos na entrega. O Brasil é muito grande e diverso. Sempre digo que quem consegue abastecer o Brasil de Norte a Sul consegue entregar em qualquer lugar do mundo”, afirma Evelande.

Leia também
Maricota muda estratégia nos EUA
Apostando no mercado externo, Maricota inicia embarques para Alemanha

Ampliação - A planta está passando por ampliação, que deverá ser entregue ainda em janeiro, passando de 9 mil metros quadrados para 12 mil metros quadrados, e capacidade de produção de 360 toneladas por mês. O espaço, que consumiu recursos de R$ 2,5 milhões, vai abrigar uma nova linha de produção e deve gerar entre 50 e 60 novos postos de trabalho. Atualmente, a fábrica conta com 420 colaboradores e os escritórios outros 100.

“A fábrica está ganhando em automação e, especialmente, equipamentos de congelamento. Isso nos permite redução do custo industrial e o lançamento de novos produtos como espetinhos e nuggets de frango”, destaca o diretor.

Para enfrentar a crise, a empresa apostou nos produtos da chamada linha “primeiro preço”, com formulações menos elaboradas e custo final mais acessível para o consumidor. A categoria foi a que mais cresceu, dobrando o volume de produção em 2017. A estratégia é não deixar o cliente escapar. “São produtos mais simples, com menos insumos, mas que mantém a qualidade dentro do seu segmento. O importante para nós é que o consumidor continue comprando. Quando a economia melhorar é certo que ele migre para outras faixas de preço, então, não podemos perdê-lo agora que a conjuntura está mais complicada. Temos que dar opções a ele”, analisa o empresário.

Para o mercado externo, as estratégias variam de acordo com a cultura e os objetivos do parceiro local. As conquistas mais recentes são Portugal e Uruguai. Nos Estados Unidos agora são dois parceiros e o primeiro embarque para o Panamá deve ser feito nos primeiros meses deste ano. O processo para a entrada nos países podem demorar até dois anos entre solicitação, entrega de documentos e certificações até o embarque.

“Em alguns países trabalhamos o pão de queijo como um produto étnico, voltado para as colônias brasileira e latina. Em outros, o ponto principal é a saudabilidade. O pão de queijo não contém glúten e é assado. Ele é um alimento muito prático, que pode ser servido quente ou frio e admite um número muito grande de acompanhamentos e recheios, com potencial para se tornar um produto global”, avalia o executivo.

A abertura de novos mercados parece uma obsessão da empresa, que trabalha uma linha Halal - produzida de acordo com os preceitos muçulmanos. Até agora, são 24 itens que vão de pão de queijo, passando por bolinho de bacalhau, escondidinho de frango, até lasanha a bolonhesa, entre outros itens. Para atender todas as recomendações, a Maricota precisa rastrear toda a sua cadeia de fornecedores e conquistar as certificações necessárias.

“Os muçulmanos são um público crescente no Brasil e ainda muito mal atendidos. É uma alimentação saudável, que exige muito controle. Existe pouco conhecimento sobre o assunto. É um trabalho custoso, que exige atenção e parceiros certificados. Acredito que não vai demorar muito a termos seções especializadas em comida Halal nos supermercados a exemplo do que já começa a acontecer com a comida Kasher, dos judeus”, pontua Evelande.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
CasaCor Minas começa em agosto
Edição deve atrair cerca de 50 mil pessoas até setembro e gerar 550 novos negócios
21/07/2018
Empresas usam redes como ferramenta de gestão
Nos últimos três anos, os pequenos negócios no Brasil apostaram na informatização e na utilização de novas ferramentas digitais, em especial nas...
21/07/2018
Profissionais precisam reagir com ânimo à crise
O cenário político e econômico atual faz com que instabilidade tome conta nas empresas. O resultado disso são as várias demissões que ocorrem, deixando um...
21/07/2018
IDEIAS | A melhor forma para se tornar uma empresa inovadora
O mundo está cada vez mais dinâmico e os consumidores mais empoderados. Por isso, inovar é o caminho natural das empresas, que precisam estar em constante...
21/07/2018
Funcionários não conseguem se desligar do trabalho durante as férias
Manter completa distância do trabalho durante o período de férias talvez seja coisa do passado. De acordo com uma pesquisa da Robert Half realizada em maio de 2018, com base...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.