22/07/2018
Login
Entrar




Internacional

10/07/2018

May descarta novo referendo sobre Brexit após saída de ministros

Renúncias, porém, abalaram planos da governante
Reuters
Email
A-   A+
Theresa May agiu rápido e já definiu os nomes dos substitutos para os cargos desocupados/AXEL SCHMIDT/REUTERS
Londres - O Reino Unido não vai realizar um referendo sobre o acordo para deixar a União Europeia (UE) e também não pretende adiar a data de saída do bloco, afirmou ontem a primeira-ministra britânica, Theresa May, depois da saída de dois ministros de seu governo, o que colocou em risco o plano da premiê para o Brexit.

May disse que o Reino Unido não vai postergar a aplicação do Artigo 50, cláusula que permite a retirada de um país-membro da UE, e que os britânicos querem que o Brexit seja implementado e não votar novamente o acordo.

O Reino Unido deve deixar a UE no dia 29 de março de 2019, mas a proposta de May para finalizar a estratégia foi abalada ontem pela saída do ministro de Relações Exteriores, Boris Johnson, e do ministro do Brexit, David Davis, em protesto ao plano de saída do bloco da premiê.
Ao ser perguntada sobre o risco de seu poder ser questionado devido à divisão em seu governo, May sorriu e afirmou: “Boa tentativa, mas eu vou adiante com o trabalho de entregar o que o povo britânico quer”.

Membros do Partido Conservador, de May, podem ter conseguido apoio suficiente para levar adiante uma moção de confiança sobre May, informou a editora de política da BBC, Laura Kuenssberg, em sua conta no Twitter.

Renúncias - O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, e o negociador do Brexit pelo lado do governo britânico, David Davis, renunciaram ontem em protesto contra os planos da primeira-ministra Theresa May de manter laços próximos com a União Europeia após o país deixar o bloco, gerando rebelião dentro do partido governista.

Principal rosto do Brexit para muitos, dentro e fora do Reino Unido, Johnson renunciou poucas horas após o pedido de demissão do ministro do Brexit Davis, encorajando alguns dentro do Partido Conservador a organizarem um plano para afastar May a menos de nove meses da saída oficial do Reino Unido da UE, em março do ano que vem.

May nomeou Jeremy Hunt, que era ministro da Saúde há bastante tempo, como ministro das Relações Exteriores após a saída de Johnson.

As duas demissões aparentam despedaçar a proclamação de May, na sexta-feira (6), de unidade de seu gabinete, quando ela disse acreditar que havia conseguido, após dois anos de esforços, assegurar um acordo sobre a maior mudança de política externa e comercial do Reino Unido em quase meio século.

No entanto, May foi aplaudida e elogiada por muitos parlamentares conservadores em encontro particular ontem, após ter passado mais de duas horas no Parlamento respondendo questões muitas vezes hostis. Tanto eurocéticos, quanto legalistas disseram que ela havia se mantido firme e aparenta ter conseguido manter o cargo, ao menos por ora.

As renúncias não ajudam May a mostrar a unidade que desejava apresentar em Bruxelas, na próxima fase de negociações sobre os futuros laços do Reino Unido com o bloco. Ao invés disso, as demissões fomentaram uma profunda descrença entre muitos eurocéticos dentro do partido de May, prejudicando sua posição e levantando dúvidas sobre o processo do Brexit.

“O Brexit deveria ser sobre oportunidade e esperança”, destacou Johnson, em sua carta de renúncia. “O sonho está morrendo, sufocado por insegurança desnecessária”.

“Colônia” - Ele se queixou sobre como “decisões cruciais” haviam sido adiadas, levando ao que descreveu como um “semi-Brexit”, com o Reino Unido incapaz de desviar, ou se afastar, de regras e regulações estabelecidas em Bruxelas. “No que diz respeito a isso, nós estamos verdadeiramente seguindo para o status de colônia”.
O agora ex-ministro do Brexit, Davis havia anteriormente chamado o plano de May de perigoso e disse que daria “muitas coisas, muito rápido” para negociadores da União Europeia. May o substituiu por outro defensor do Brexit, Dominic Raab, que afirmou estar pronto para “os desafios do Brexit”.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
Trump se diz pronto para tarifar China em mais US$ 500 bilhões
Americanos pressionam chineses por redução de desequilíbrio comercial
21/07/2018
Mercosul avalia acordos com Aliança e Tunísia
São Paulo/Brasília - O Brasil quer avançar na discussão sobre possíveis acordos envolvendo o comércio digital com os países da Aliança do...
20/07/2018
UE alerta que tarifas dos EUA sobre carros serão um desastre
Vendas do setor do bloco ao país americano superam 50 bi de euros por ano
20/07/2018
Trump critica altas de juros pelo Fed
São Paulo - O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, criticou o movimento de aperto monetário do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e disse que...
19/07/2018
UE anuncia medidas de proteção contra importações de produtos de aço
Salvaguardas entram em vigor hoje
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.