Publicidade
11/12/2017
Login
Entrar

Economia

21/11/2017

Meirelles não confirma troca no comando do BNDES

AE
Email
A-   A+
Meirelles: decisão sobre candidatura à presidência em abril/Valter Campanato/ABr
Salvador - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse não saber se haverá troca no comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O atual titular do BNDES, Paulo Rabello de Castro, é alvo de pressão por parte de líderes da base governista, depois de ele ter sido lançado pelo PSC como pré-candidato à Presidência, durante convenção do partido.

“Vamos aguardar do que se trata. O BNDES não é vinculado ao Ministério da Fazenda, não estou participando diretamente de discussão sobre presidência”, afirmou o ministro, após participar de evento em Salvador (BA) ontem.

Meirelles ressaltou que ministros do governo Michel Temer decidiram deixar o cargo para se dedicar à campanha de 2018, e citou o ex-ministro das Cidades Bruno Araújo, que saiu do governo em meio à disputa interna do PSDB.

Candidatura - Em relação à sua candidatura à Presidência da República, Meirelles voltou a dizer que está hoje focado no trabalho no Ministério da Fazenda e que, até abril do ano que vem, decidirá o que fazer. Questionado se será candidato pelo PSD, Meirelles disse não saber. “Para o meu legado, é importante que eu esteja 100% concentrado em meu trabalho no Ministério da Fazenda. Se todo mundo começar a pensar em outras coisas, e, com isso a economia cair, vai ser ruim para todos”, afirmou.

Meirelles disse que o governo vai rever a projeção de crescimento do PIB de 2018, atualmente em 2%, no início de dezembro. O ministro disse que a atual estimativa tem “viés de alta” e lembrou que há economistas prevendo aumento de mais de 3% no ano que vem.

Após participar de evento em Salvador (BA), Meirelles disse que um dos desafios para o Brasil é o aumento do crédito, e que é importante que bancos expandam crédito e que os juros caiam.

Durante sua palestra no IV Fórum Bahia Econômica, o ministro disse que é necessário viabilizar a criação de empregos. “O Bolsa Família é muito importantes e tem que ser mantido, mas o melhor programa social é emprego”, afirmou.

Meirelles citou projetos já em tramitação no Congresso Nacional e que têm o apoio do governo, para melhoria da regulação setorial e aumento da eficiência, como o que aumenta a governança nas agências reguladoras, o projeto que permite que a Funpresp (fundo dos servidores da União) administre regimes de Previdência estaduais e outro que prevê transparência em benefícios fiscais concedidos.

Ele lembrou ainda leilões e concessões já realizados e disse que existem 92 projetos de licitações em andamento. “Estamos no início de um novo ciclo de crescimento sustentável, ideia agora é ter crescimento de longa duração”, completou.

Eficiência – O Ministério do Planejamento anunciou ontem que o governo lançará nesta terça-feira o ‘Relatório Sobre Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil’, com apresentação do documento e debate. Os ministros do Planejamento, Dyogo Oliveira, e da Fazenda, Henrique Meirelles, participam do evento em Brasília.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

08/12/2017
Governo quer mais celeridade nos processos
Plano de Eficiência Ambiental permitirá aprovações concomitantes das diferentes etapas de um empreendimento
08/12/2017
Vulcabras investirá R$ 100 mi em suas três fábricas em 2018 para ganhar em produtividade
São Paulo - A fabricante de calçados Vulcabras retomou investimento em seu parque fabril e está se preparando para reativar sua marca voltada ao público feminino...
08/12/2017
Indústria fecha 2017 com bons resultados e prevê geração de 20 mil postos de trabalho em 2018
São Paulo - A indústria têxtil deve encerrar 2017 com crescimento de 3,5% na produção de vestuário, alcançando 5,9 bilhões de peças....
08/12/2017
Trabalhadores da Jucemg mantêm a greve
Sem consenso com o governo estadual, imbróglio deverá ser resolvido na Justiça
08/12/2017
BNDES planeja se desfazer de 10% das participações em grandes grupos privados
Rio de Janeiro - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve se desfazer de, pelo menos, 10% das participações que possui em grandes grupos privados. O...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.