Publicidade

FAPEMIG - Ciência e Inovação em Minas

27/07/2016

Mel de aroeira contribui para o desenvolvimento do Norte de Minas

Assessoria de Comunicação da Fapemig
Email
A-   A+
O mel de aroeira é produzido pela abelha Apis mellifera a partir do néctar da planta/Divulgação
Com características próprias, o mel de aroeira tem se apresentado como um produto diferenciado no mercado. Pouco mais escuro que outros meles, ele tem demonstrado propriedades medicinais, e contribuído para o desenvolvimento econômico da região de mata seca, no Norte de Minas, área de extrema pobreza e com poucas alternativas de fortalecimento do homem no campo.

Desenvolvido pela Fundação Ezequiel Dias (Funed), em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), o projeto tem o objetivo de caracterizar o mel de aroeira a fim de possibilitar a certificação de um produto genuinamente brasileiro.

Produzido em 53 municípios da região Norte de Minas Gerais, o mel de aroeira, além de um produto atraente comercialmente, possui componentes que o caracteriza como uma fonte rica em nutrientes saudáveis com atividades biológicas, como destaca a coordenadora do projeto, Esther Bastos, diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Funed: “Mel de aroeira é o mel produzido pela abelha Apis mellifera a partir do néctar da planta. Ele é diferenciado, possuindo inúmeros compostos que lhe confere propriedades antibacteriana, antifúngica e antiviral”, fala.

Além disso, com a denominação de origem, o mel do Norte de Minas irá ter um selo de qualidade que certificará sua procedência, como acontece, por exemplo, com o bacalhau de Portugal ou o vinho do Porto. Segundo o presidente da Federação Mineira de Apicultura (Femap), Jose de Calazans, seu processo de produção é similar ao dos outros tipos de mel, com as colmeias sendo preparadas entre os meses de maio a julho, período de florada das aroeiras que dura, em média, 70 dias.

O projeto Indicação Geográfica do Mel de Aroeira é desenvolvido pelo Serviço de Recursos Vegetais e Opoterápicos da Funed, tendo o aporte financeiro do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e da Companhia de Desenvolvimento dos Vales dos Rios São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

Desenvolvimento econômico - Conhecida por ser uma região pobre, o Norte de Minas tem contribuído para a produção do mel de aroeira. A pesquisa desenvolvida pela Funed demonstra a capacidade da região na produção do produto e como ele pode ser uma grande fonte na geração de emprego e renda, uma vez que as aroeiras são plantas nativas do Norte de Minas. Esta iniciativa também valoriza o homem do campo em uma área extremamente seca.

A coordenadora do projeto, Esther Bastos, explica que “este mel até pouco tempo atrás não era bem-aceito no mercado, exatamente por sua coloração escura. Quando iniciamos o estudo e começamos a divulgar os resultados, o Norte de Minas começou a vender todo o mel produzido antes da obtenção da Denominação de Origem do produto”, afirma.

Os textos publicados nesta editoria são de responsabilidade da Fapemig. O Diário do Comércio não se responsabiliza e nem poderá ser responsabilizado pelas informações e conceitos emitidos e seu uso correto.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/11/2016
Inatel oferece workshop sobre tecnologia 5G na Fapemig
O padrão da nova geração da comunicação móvel vai ser definido em 2020, mas instituições de pesquisa e empresas do mundo todo já...
03/11/2016
Pesquisa contribui para a melhoria do plantio de café em Minas Gerais
Responsável pelo cultivo de aproximadamente 50% do café tipo exportação, Minas Gerais é o maior produtor do fruto no Brasil. Pensando em melhorar a qualidade da...
14/09/2016
Fórum debate novos rumos para a mineração
Com o objetivo de encontrar novas saídas para a mineração, de modo a transformá-la em uma atividade mais sustentável, a Fundação de Amparo à...
10/09/2016
Estudantes desenvolvem sistema de segurança para bicicletas
Cada vez mais comum nos grandes centros, as bicicletas são um veículo de transporte caracterizado pelo baixo custo de manutenção e por possibilitarem boa prática...
24/08/2016
Peixe-zebra torna-se modelo de pesquisa científica
O peixe-zebra, também chamado zebrafish ou peixe paulistinha, tem se tornado uma espécie aliada da ciência nas pesquisas da área biomédica, nos estudos...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.