Publicidade
22/10/2017
Login
Entrar

Internacional

12/05/2017

México apela a Donald Trump para que não cancele tratado

Reuters
Email
A-   A+
Cidade do México - O México fez um apelo ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que mantenha o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), argumentando que desfazer a integração econômica prejudicaria ambas as nações, reduzindo as exportações dos EUA e pondo empregos norte-americanos em risco.

Em reação a um decreto presidencial de Trump de 31 de março pedindo uma análise do déficit comercial dos EUA, o México ponderou que seu superávit comercial com o vizinho rico foi mal compreendido e que o verdadeiro golpe nos empregos de manufatura norte-americanos resultou da filiação da China à Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2001.

O déficit dos EUA com o México no ano passado, de US$ 63,2 bilhões, também refletiu o peso mexicano fraco, que foi afetado pela incerteza a respeito do futuro das relações comerciais bilaterais, de acordo com um documento publicado pela embaixada mexicana em Washington.

“A integração crescente de nossas economias torna o México criticamente importante para a economia dos EUA, não somente como mercado de exportação, mas também como um parceiro na produção”, escreveu o diretor do escritório de comércio e do Nafta da embaixada, Kenneth Smith.

O México reagia a um pedido de participação pública do Departamento de Comércio dos EUA enquanto prepara um relatório para Trump a respeito do déficit comercial anual norte-americano de US$ 500 bilhões. O relatório e os comentários públicos serão enviados a Trump em junho.

O México argumentou que, sem o Nafta, a tarifa média sobre as exportações mexicanas aos EUA seria de 3,5%, ou cerca de metade da tarifa média sobre exportações em sentido contrário, em função da cláusula de “nação mais favorecida” que se aplicaria de acordo com as regras da OMC.

As relações comerciais entre os dois países se tensionaram devido à promessa repetida de Trump de descartar o Nafta se não conseguir obter termos melhores para os trabalhadores e a indústria de seu país.

Trump citou o déficit comercial com o México como prova de que os EUA saem perdendo no relacionamento, dizendo que os norte-americanos ficariam melhores se as duas nações não tivessem nenhuma relação comercial.

Mas o México afirmou que 75% de suas exportações aos EUA beneficiam processos de produção do parceiro, que tem superávit de US$ 8 bilhões no setor de serviços.
“Trabalhadores dos dois lados de fronteira trabalham juntos em sua produção de bens para competirem com sucesso nos mercados globais”, disse Smith.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.