Publicidade
26/04/2018
Login
Entrar

Economia

11/01/2018

Minas é destaque na geração solar

Estado responde por um quarto da produção no País, com capacidade de 250 MW
Mara Bianchetti
Email
A-   A+
Parque gerador por meio de fonte solar no Estado é o segundo maior do Brasil, perdendo apenas para a produção da Bahia, conforme a Absolar/Divulgação
Minas Gerais foi responsável por um quarto da potência instalada em usinas de fonte solar fotovoltaica conectadas à matriz elétrica nacional no decorrer do ano passado. Isso significa que da marca histórica de 1 gigawatt (GW) de potência gerada no Brasil em 2017, cerca de 250 megawatt (MW) partiram de cidades mineiras.

Os dados foram levantados pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), e conforme o presidente-executivo da entidade, Rodrigo Sauaia, confirmam a importância e contribuição do Estado para o setor.

“Minas é referência em energia fotovoltaica, tanto pelas usinas de grande porte quanto pela geração distribuída, por meio de projetos aplicados no comércio, indústria ou serviços públicos”, disse.

Segundo ele, tamanha é a representatividade que o Estado fica atrás somente da Bahia na geração centralizada em âmbito nacional. Minas possui, ao todo, 618 megawatts contratados, dos quais 233 já estão em operação. Já na geração distribuída, a unidade federativa aparece em primeiro lugar no ranking de projetos de geração, sendo responsável por cerca de 20% de tudo o que é originado no País.

“Existe um grande complexo de usinas na região Norte do Estado, que tem sido fundamental para esta representatividade. Trata-se de uma área com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), com solo ruim e infértil, o que fez com que a energia solar se tornasse uma nova fonte de geração de riqueza, renda e emprego para a população”, explicou.

Leia também:
Liquidação atinge os R$ 7,44 bi
Chuvas surpreendem e bandeira deve continuar verde


Legislação - Mas, de acordo com Sauaia, a participação de Minas Gerais no contexto da geração de energia solar vai além. Conforme o dirigente, o Estado conta hoje com a melhor legislação brasileira em desenvolvimento para o setor, sendo um exemplo a ser seguido pelo restante do País.

Ele se refere à legislação, à isenção de determinados tributos e até incentivos de investimentos por fundos de fomentos, podendo desenvolver opções de financiamento específicas para micro e médias empresas e cooperativas que desejam investir no setor.
“O Estado tem feito um bom trabalho na área e tem condições de manter esse protagonismo, especialmente porque possui taxa de energia elevada e, ao mesmo tempo, bons recursos solares e incentivos que podem ajudar os negócios a se concretizarem”, explicou.

O presidente-executivo se refere aos incentivos a fontes renováveis criados no âmbito estadual, como o decreto que isenta de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), os projetos de micro e minigeração distribuída solar fotovoltaicas até 5 megawatts e em todas as modalidades de compensação de energia, bem como os equipamentos, peças, partes e componentes utilizados no setor.
Além disso, acabou de ser publicada uma nova lei que altera e incorpora a micro e minigeração ao Fundo de Fomento e Desenvolvimento Socioeconômico de Minas Gerais (Fundese): Lei 22.866.

“A alteração permite que o fundo financie a implantação de sistemas de energia elétrica de fonte solar fotovoltaica. Com isso, as empresas e cooperativas conseguirão reduzir gastos com energia elétrica, economizando e aumentando sua competitividade produtiva, ao mesmo tempo em que contribuem para a preservação do meio ambiente, através desta fonte renovável, limpa, sustentável e cada vez mais competitiva”, destacou.

Potência - Em relação à potência instalada em usinas no âmbito nacional, Sauaia lembrou que indica avanços, mas também mostra que o País ainda está abaixo de seu potencial. “O Brasil está mais de 15 anos atrasado no uso da energia solar fotovoltaica. Temos condições de ficar entre os principais países nesse mercado, assim como já somos em energia hidrelétrica, biomassa e eólica”, resumiu, lembrando que o resultado colocou o Brasil entre os 30 países, de 195, que possuem mais de 1 GW de fonte solar.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/04/2018
Incertezas do Brasil e juros dos EUA levam o dólar a subir
Moeda norte-americana chega a superar R$ 3,50
26/04/2018
Porto de Santos atinge nível recorde no movimento de cargas em março
São Paulo - O movimento de cargas no Porto de Santos em março alcançou recorde de 12,24 milhões de toneladas (t), o que corresponde a um aumento de 12,7% em...
26/04/2018
Confiança do consumidor sobe só 0,3%
Aumento do índice é considerado fraco pela CNI e insuficiente para reativar o consumo
26/04/2018
Caixa retoma 1.089 imóveis em Minas
Alta registrada no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2017 é de 40%
26/04/2018
Santander reduz juros anuais para 8,99%
São Paulo – O Santander informou ontem que reduziu os juros anuais de crédito imobiliário para 8,99% ao ano no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e...
› últimas notícias
Incertezas do Brasil e juros dos EUA levam o dólar a subir
Porto de Santos atinge nível recorde no movimento de cargas em março
Confiança do consumidor sobe só 0,3%
Caixa retoma 1.089 imóveis em Minas
Santander reduz juros anuais para 8,99%
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


26 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.