16/07/2018
Login
Entrar

Opinião

11/04/2018

Minirreforma do PIS/Cofins

Luciano di Biasi*
Email
A-   A+
Há duas semanas, num evento no interior de São Paulo, o então ministro da Fazenda Henrique Meirelles apresentou uma lista de propriedades do governo. Dentre as quais, ele citou a minirreforma do PIS/Cofins. Segundo o ministro, na ocasião, a minirreforma seria apresentada ao Congresso até o final de março. Desde então, nada de mais concreto ocorreu nesse âmbito. Como se sabe, a legislação dessas contribuições é complexa e as lacunas existentes têm dado espaço para interpretações diversas, contribuindo para a insegurança jurídica, uma vez que decisões administrativas e jurisprudências têm servido muitas vezes de base de orientação para as empresas.

Atualmente, 80% dos litígios tributários em discussão no Carf se referem ao PIS e à Cofibns. Assim, diante dos cenários político e econômico o que devemos esperar dessa reforma ou minirreforma?

Recentemente, Jorge Rachid, secretário da Receita Federal, teceu com um pouco mais de detalhes de como seria essa reforma. Segundo o secretário, a reforma do PIS/Cofins seria feita em duas etapas, com o objetivo final de unificar as duas contribuições. O cronograma esperado para uma reforma completa, no entanto, pode chegar a dois anos. Se considerarmos, ainda, o atual cenário político-eleitoral, esse prazo pode ainda ser maior. Por isso, o governo decidiu fazer essa reforma em duas etapas, chamando o primeiro passo de minirreforma.

No entanto, essa urgência do governo parece ser muito mais para evitar uma sangria de caixa a facilitar a vida das empresas, sangria essa causada por boa parte das decisões do Carf favoráveis aos contribuintes e, principalmente, pelo recente veredito da 1ª seção do STJ sobre a matéria permitindo que as empresas tomem créditos de insumos com base na essencialidade para as atividades econômicas. Essa decisão, de caráter repetitivo, e que, portanto, deve ser aplicada a todos os processos em julgamento sobre o assunto, pode gerar uma perda de R$ 50 bilhões aos cofres da União.

Nesse sentido, Rachid, apesar de propor uma minirreforma com fins de simplificação, permitindo que as empresas tomem crédito de todos os insumos, indica também um aumento de alíquota tributária, na mesma proporção do aumento da base dos créditos para não perder a arrecadação. Hoje, esses dois tributos representam a maior fatia da arrecadação tributária federal. Cerca de 30% da arrecadação com tributos federais (excetuando-se a receita previdenciária) vem do PIS e da Cofins. Portanto, são tributos muito relevantes para a União. No entanto, o secretário não detalhou até o momento de quanto seria esse aumento.

Se, além do exposto, adicionarmos o esfriamento da reforma de Previdência na equação, o que devemos esperar, de fato, é uma repetição do que ocorreu quando da criação do sistema não cumulativo do PIS e da Cofins. Em 2003, o então ministro da Fazenda Antonio Palocci, com o pretexto de criar um sistema não cumulativo, segundo ele mais justo, propôs ao Congresso a elevação das alíquotas combinadas desses tributos de 3,65% para 9,25% aumentando demasiadamente a carga tributária das empresas optantes pelo Lucro Real, principalmente as prestadoras de serviços as quais os custos de mão de obra são mais significativos.

Enfim, mesmo sob o pretexto da simplificação, é bem provável infelizmente que qualquer alteração na sistemática de apuração do PIS e da Cofins provocará novamente um aumento da carga tributária desses tributos que incidem diretamente sobre as receitas da pessoa jurídica, o que nos tornará cada vez mais caros e menos competitivos.

*Mestre em Ciências Contábeis e sócio-diretor da De Biasi Auditoria, Consultoria e Outsourcing

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

14/07/2018
EDITORIAL | Andando em círculos
“Reafirmo a absoluta incompetência do juízo plantonista para deliberar sobre questão já decidida por este Superior Tribunal de Justiça e pelo Supremo...
14/07/2018
Prevenção à lavagem de dinheiro
Nos últimos anos, o brasileiro passou a conviver diariamente com notícias sobre a corrupção nos mais diversos níveis dentro e fora de todas as esferas dos...
14/07/2018
Estultícias machistas milenares
“Tirante a mulher, o resto é paisagem.” (Dante Milano, poeta) As estultices milenares, muitas retiradas de textos sagrados, enfeixadas no comentário passado,...
14/07/2018
Proteção de dados na América Latina
Com a transformação digital, as empresas estão adotando soluções na nuvem, Internet das Coisas (IoT), big data e outras iniciativas digitais, reinventando e...
13/07/2018
EDITORIAL | Mudar, mas para melhor
Um acelerado e desordenado processo de urbanização, notadamente a partir da segunda metade do século passado, ajuda a explicar boa parte dos males que os brasileiros, com...
› últimas notícias
JPMorgan encerra trimestre com receita 6,5% maior e lucro acima das expectativas
Setor de serviços encolhe 6,7% em maio em Minas Gerais
Cemig pretende alongar prazo de dívida
Faemg concede Medalha do Mérito Rural aos que contribuem com a agropecuária
Mercado de eventos dribla a crise em Belo Horizonte
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


14 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.