Publicidade
17/02/2018
Login
Entrar

Política

07/12/2017

Ministro do Planejamento prevê votação da Previdência neste ano apesar de data não ter sido marcada

Reuters
Email
A-   A+

BRASÍLIA  - O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou nesta quinta-feira que segue acreditando na aprovação da reforma da Previdência neste ano pela Câmara dos Deputados, pontuando que apesar de ainda não ter sido marcada uma data para votação o texto em discussão hoje é palatável do ponto de vista político.

Em encontro com jornalistas, Oliveira disse estar “muito otimista” com a reforma por não ouvir mais parlamentares questionando se a investida é de fato necessária.

“Na reunião de ontem houve líder de partido que falou que há duas semanas o cenário era péssimo para a Previdência e que hoje o cenário passou para razoável, não passou nem para ruim”, disse ele, referindo-se a jantar promovido pelo presidente Michel Temer.
No encontro, o presidente fez um apelo às lideranças partidárias para garantir apoio da base para aprovar a nova versão da reforma da Previdência na Câmara ainda neste ano, de acordo com dois participantes.

Oliveira reconheceu que não houve a possibilidade de definir claramente agenda para votação e que o trabalho prosseguirá até que haja clareza nesse sentido. Mas ele destacou que há engajamento do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e de líderes partidários para análise do texto ainda neste ano.

O mercado reagiu negativamente nesta manhã à falta de definição quanto a um calendário para a apreciação da matéria diante da incerteza do governo de possuir os votos necessários para sua aprovação. Enquanto dólar e curva de juros longos seguiam em trajetória de alta, a bolsa caía refletindo o temor de investidores de que a proposta não vá adiante.

Para aprovar a reforma na Câmara são necessários os votos de 308 dos 513 deputados em dois turnos de votações no plenário da Casa. Posteriormente, a Proposta de Emenda à Constituição que muda as regras previdenciárias terá ainda de ser analisada pelo Senado.
Questionado sobre os riscos de votação apenas na última semana de trabalho no Legislativo, entre 18 e 22 de dezembro, Oliveira disse não valer a pena ficar conjecturando sobre decisões que não foram tomadas.

O ministro do Planejamento ressaltou que a continuidade das reformas é crucial para garantir um crescimento econômico sustentável. Sem a alteração das regras da Previdência, a dívida bruta chegará a 100 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021, afirmou ele. Com a reforma, esse nível se estabilizará em torno de 80 por cento, defendeu.

“Não é porque o ambiente (econômico) melhorou que você não precisa fazer. O ambiente melhorou porque as reformas estão sendo feitas”, disse.

Ele avaliou ser bastante improvável que o Produto Interno Bruto cresça menos que 1 por cento neste ano. Para o ano que vem, a projeção oficial do governo é de um avanço de 2 por cento, mas o relatório de receitas do Orçamento de 2018 já calcula uma expansão de 2,5 por cento.

“Estamos muito otimistas a respeito da arrecadação para o ano que vem. Particularmente acredito que teremos a continuidade de um processo que já temos desde agosto”, disse.

“Fomos muito conservadores nas projeções para 2018 (no Orçamento). Até deixamos de fora das projeções de receita alguns elementos que podem performar em 2018, como a questão da cessão onerosa com a Petrobras”, completou.


Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/02/2018
Câmara só regulamentará benefício após STF
Cármen Lúcia marcou para março o julgamento das ações que tratam de prerrogativas do Judiciário
17/02/2018
Partidos de esquerda apresentarão manifesto
São Paulo - Os principais partidos de esquerda do País uniram-se em uma agenda comum, pregando a necessidade de um Estado forte, com atuação dos bancos públicos...
17/02/2018
Câmara deve votar projeto de privatização até abril
Brasília - O cronograma de votação do projeto de lei com regras para a privatização da Eletrobras está “tranquilo”, em meio a...
17/02/2018
Temer decreta intervenção federal no Rio de Janeiro
Durante a votação da PEC da Previdência, medida será revogada
17/02/2018
General Braga Netto terá o comando das polícias
Brasília - O decreto assinado na sexta-feira, 16, pelo presidente Michel Temer que institui intervenção federal no estado do Rio de Janeiro tem como “objetivo pôr...
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Carnaval aqueceu setor de brindes na Capital
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Fiat Argo Drive tem bom desempenho
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.