Publicidade
23/07/2017
Login
Entrar

Negócios

20/05/2017

Modelo de fomento americano é destaque

Bem-sucedido, projeto da SBA assegura que pelo menos 23% dos gastos do governo sejam destinados a PMEs
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Cornelius Jr elogiou a atuação do Sebrae Minas/Alisson J. Silva
No momento em que empresários brasileiros tentam se situar no meio do caos do mercado financeiro provocado pela intensificação da crise política, o Consulado dos Estados Unidos em Minas Gerais, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae Minas) e o jornal DIÁRIO DO COMÉRCIO promoveram em Belo Horizonte uma palestra  com Eugene Cornelius Jr., que é Administrador Adjunto da US Small Business Administration – SBA (Agência para Pequenos Negócios), criada em 1953 como órgão independente do governo norte-americano que apoia pequenas e médias empresas.
O encontro, que buscou apresentar a experiência internacional sobre a “sobrevivência de pequenos negócios”, aconteceu na sexta-feira, na sede do Sebrae Minas.

Antes de iniciar a palestra, o executivo se reuniu com o diretor Técnico do Sebrae Minas, Anderson Cabido, e com o diretor de Operações do Sebrae Minas, Marden Márcio Magalhães. Eles explicaram sobre a atuação do Sebrae em Minas Gerais e sobre a cobertura que a entidade faz de 100% dos municípios mineiros. Eles conversaram sobre o apoio da instituição à inovação e a evolução dos processos para a abertura de empresas no Estado, que estão cada vez mais facilitados. Cornelius se disse muito satisfeito com o que ouviu e garantiu que o governo dos EUA tem todo o interesse em desenvolver parcerias com a instituição para fomento das pequenas e médias empresas.

Leia também:
Eugene Cornelius elogia atuação do Sebrae


A visita do executivo norte-americano foi possível graças à insistência da Cônsul dos EUA em Minas Gerais, Rita Rigo, que alertou Cornelius que “ele não poderia vir ao Brasil e deixar de visitar Minas Gerais”. Ao subir ao palco para iniciar a palestra, o executivo disse ter entendido o porquê dessa insistência. “Agora eu entendi porque a nossa cônsul foi tão enfática sobre a minha vinda a Belo Horizonte. Vocês têm uma bela cidade e, preciso dizer, estou impressionado sobre o que ouvi a respeito da atuação do Sebrae no Estado”, elogiou.

Ele explicou que a SBA foi criada nos EUA com o objetivo de reduzir a taxa de desemprego naquele país. Dessa forma, o modelo lógico para o governo norte-americano foi o fomento de pequenos e médios negócios. “Alguém pode perguntar o que tem a ver fomentar pequenas empresas e reduzir taxas de desemprego. Tem tudo a ver: são as pequenas e médias empresas que mais geram oportunidade de trabalho e em regiões menos favorecidas”, disse.

De acordo com o executivo, a agência adotou um modelo guiado por quatro eixos: contratação, aconselhamento, capital e assistência a situações de desastre. Cornelius disse que a SBA garante que pelo menos 23% dos gastos do governo federal sejam destinados a pequenas e médias empresas. “Não estamos falando de empréstimo e nem de financiamento a fundo perdido. Estamos falando de contratos fechados, que permitem as empresas receberem capital, contratarem pessoas e desenvolverem seus negócios”, frisou. As pequenas e médias empresas são responsáveis por 68% do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA.

No eixo aconselhamento, a preocupação da SBA é com a capacitação dos empresários, trabalho que a agência faz em parceria com as universidades. Entre as iniciativas da SBA nesse sentido, está o Score, projeto que traz os executivos aposentados para ensinar os empreendedores mais jovens. “Esse trabalho é muito interessante porque estamos falando de empresários que aprenderam muito na vida e passaram por todas as etapas para a construção de uma empresa. Então, agora, eles podem passar essas experiências”, disse.

Além disso, a agência também tem uma atuação dedicada exclusivamente aos momentos de desastres, que podem ser tanto catástrofes naturais quanto momentos de crises que de alguma forma atrapalham a atividade comercial. Segundo Cornelius, a SBA garante linhas de crédito com juros baixos para que as empresas passem por esse momento o mais rápido possível. “Sabemos que quanto mais uma empresa demora para se recuperar menos chances ela tem de sobreviver e manter os empregos. Essa linha ajuda essas empresas a, pelo menos, colocarem a cabeça para fora d’água”, explicou.

De acordo com o executivo a agência conta com dois tipos de financiamentos para as empresas. Um deles empresta até US$ 5 milhões para qualquer investimento no negócio e o outro oferece até US$ 30 milhões para investimentos em infraestrutura. As taxas de juros dependem de cada financiamento, mas de maneira geral elas costumam ficar abaixo de 2% ao ano.




Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/07/2017
Multilaser prevê faturar R$ 1,950 bilhão
Aposta da empresa está no lançamento das linhas de notebooks e eletroportáteis
22/07/2017
Cursos de produção de cerveja em alta
Versão artesanal da bebida tem gerado oportunidades de negócios em diversos segmentos na Capital
22/07/2017
Smartphones lideraram vendas no 1º trimestre
Estudo apresentado pela GFK - um dos maiores institutos de análise de mercado global - durante a Eletrolar Show 2017, revelou aumento nas vendas de três categorias de bens...
22/07/2017
Eletrolar movimentou R$ 1,57 bilhão
São Paulo - Os fabricantes e varejistas de todas as regiões do Brasil e também de países da América Latina se reuniram entre os dias 17 e 20 de julho na...
22/07/2017
ASC forma, por semestre, 420 sommeliers
Na Academia Sommelier de Cerveja (ASC), fundada pelos sócios Fabiana Arreguy, Marco Falcone e Jaqueline Oliveira, passam, em média, 420 alunos por semestre. O número...
› últimas notícias
Alta de imposto reduz atividade produtiva
PBH anuncia reajuste de 2,53% para 50 mil servidores
Localiza fecha semestre com lucro recorde
Varejo: Vendas recuaram 3,2% no semestre, sinalizando melhora
TJLP onerou o Tesouro Nacional em R$ 240 bilhões
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Região de Arinos investe na castanha de baru
VW amplia a linha Pepper para 2018
Fnac venderá operações da rede no Brasil para a Cultura
Mineira Teresinha Soares expõe no Masp até o dia 6
Monetizze é eleita melhor plataforma
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› DC Tecnologia
Brasileiros buscam Vale do Silício
Ensino pode sofrer desmonte
Para analistas, políticas podem trazer mudança
Mineira Learncafe é selecionada para programa de aceleração no Chile
Minas Gerais na rota de ampliação da Beblue
Leia todas as notícias ›
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de July de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.