22/07/2018
Login
Entrar




Finanças

20/06/2018

Moeda americana fecha praticamente estável, em meio a tensões comerciais

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - O dólar terminou ontem praticamente estável ante o real, com um movimento de correção que desobrigou o Banco Central (BC) a atuar extraordinariamente no mercado e colocou o Brasil na contramão do exterior, onde predominou a aversão ao risco com o recrudescimento das tensões comerciais entre Estados Unidos (EUA) e China.

O dólar avançou 0,11%, a R$ 3,7443 na venda, depois de marcar a máxima de R$ 3,7855 e a mínima de R$ 3,7176. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,05%. “Passou a histeria. O mercado sabe que o BC está atuando, deu uma acomodada”, comentou o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

Os profissionais das mesas não viram uma justificativa para a correção do dólar em um dia de grande nervosismo no mercado internacional. Citaram, além da forte alta recente da moeda, zeragem de algumas posições compradas bem como o ajuste em baixa da curva de juros para a possível manutenção da Selic em 6,50% hoje.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou impor tarifa de 10% sobre US$ 200 bilhões em bens chineses e Pequim alertou que irá retaliar, em um rápido agravamento do conflito comercial entre as duas maiores economias do mundo. O Ministério do Comércio da China disse que Pequim vai reagir com medidas “qualitativas” e “quantitativas” se os EUA publicarem uma lista adicional de tarifas sobre bens chineses.

O aumento da retórica entre os dois países trouxe um forte movimento de aversão ao risco, que içou o dólar ante a grande maioria das moedas no exterior, subindo ante a cesta e ante divisas de emergentes, como o peso chileno e o rand sul-africano.

“A China teria de impor tarifas sobre tudo o que comprasse dos EUA para manter essa resposta na mesma medida. Mas ela tem outras ferramentas que poderia usar, incluindo pressionar diretamente as empresas norte-americanas que operam na China”, afirmou a empresa de pesquisas macroeconômicas Capital Economics (CE) em relatório.

BC surpreende - O mercado também trabalhou sob a expectativa de atuação do Banco Central por meio de leilão de novos contratos de swaps cambiais tradicionais -equivalentes à venda futura de dólares -, mas, pela primeira vez desde 14 de maio, o BC não ofertou swaps adicionais ao mercado. A moeda norte-americana valorizou 6,66% em maio e, no acumulado de junho, apenas 0,20% ante o real.

No mês passado, para tentar conter a elevada volatilidade e dar liquidez aos agentes, o Banco Central vendeu US$ 7,250 bilhões em novos contratos de swap, volume que já somava US$ 32,366 bilhões neste mês até segunda-feira (18).

Na sessão de ontem, o BC fez apenas o leilão de swap para rolagem, no qual vendeu integralmente a oferta de até 8.800 contratos, já rolando US$ 5,720 bilhões do total de US$ 8,762 bilhões que vence no mês que vem. Se mantiver e vender esse volume até o final do mês, fará rolagem integral.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
Governo reduz projeção de crescimento do País
Em novo documento, estimativa para avanço do PIB sofreu corte significativo, saindo de 2,5% para 1,6%
21/07/2018
Dólar despenca e tem maior recuo semanal em 5 meses
São Paulo - O dólar despencou e foi abaixo de R$ 3,80, na sexta-feira (20), com os investidores respirando mais aliviados diante da cena eleitoral doméstica e sob...
21/07/2018
Caixa pode receber R$ 1,8 bi da União
São Paulo - A Caixa Econômica Federal receberá neste ano uma capitalização de R$ 1,8 bilhão de seu controlador, o governo federal, com recursos de...
21/07/2018
Alocação de recursos ainda será discutida
Brasília - O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, disse, na sexta-feira (20), que o governo decidirá até o fim deste mês onde irá alocar os R$ 666,6...
20/07/2018
Dinheiro lidera meios de pagamento
Apesar de uso ter caído em 5 anos, cédulas e moedas ainda são as preferidas da população
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.