18/06/2018
Login
Entrar




Economia

25/05/2018

Mudanças no comando da JBS são insatisfatórias, avalia direção do BNDES

Reuters
Email
A-   A+
Rio de Janeiro - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ainda não está satisfeito com as mudanças feitas no comando da processadora de carne JBS, afirmou o presidente do banco de fomento, Dyogo Oliveira, que vê necessidade de melhorias na governança da companhia da família Batista.

Os irmãos Wesley e Joesley Batista, que comandaram a empresa e já estiveram presos acusados de manipulação do mercado financeiro e uso de informação privilegiada, estão afastados da JBS e da controladora J&F, mas ainda há representantes da família Batista em posições importantes da companhia.

“Algumas coisas têm sido feitas, algumas coisas têm avançado, mas há muita coisa para avançar ainda”, disse o presidente do BNDES. O banco tem participação de cerca de 21% na JBS.

Ele citou que a presença do patriarca da família Batista, João Batista Sobrinho, na presidência-executiva da JBS, além de outros membros do clã, como Wesley Mendonça Batista Filho - diretor sem designação específica - cria um desgaste para a imagem do grupo, assim como os escândalos revelados na delação premiada dos irmãos.

“Acho que isso não contribui para a imagem da empresa e atrapalha a imagem da companhia. Só uma melhoria da governança da empresa é que poderia amenizar isso”, avaliou Oliveira. “Mas, eles são acionistas da empresa e não tenho mecanismos para obrigá-los a deixarem de ser acionistas. O que temos feito, como minoritários, é batalhar muito para que a empresa evolua em termos de controles, governança e transparência. Essa é nossa briga cotidiana”, acrescentou.

Oliveira afirmou que apesar das turbulências enfrentadas pelo grupo desde a delação premiada dos irmãos Batista no ano passado, a JBS continua sendo um ativo atrativo, com vários grupos interessados em ingressar na empresa de proteína animal.

“Existem vários grupos interessados...há muito grupos interessados em comprar participação na JBS. Não necessariamente a participação do BNDES na JBS. Tem todo tipo de proposta”, disse Oliveira sem dar detalhes.

Fundos - Em outra frente, Oliveira afirmou que o BNDES vai detalhar na próxima semana um novo programa para fomentar a criação de fundos voltados para financiamento de infraestrutura. O banco quer atuar com o investidor âncora desses fundos para atrair novos investidores.

O BNDES terá disponível R$ 6 bilhões no primeiro ano para atuar nesses fundos. “O BNDES quer ancorar as emissões e assumir mais riscos em alguns casos através de cotas subordinadas e de mezanino para alavancar os recursos”, disse Oliveira.

“Estamos falando de emissão de dívida...É pequeno perante as necessidades de infra-estrutura do país, mas é uma largada, um teste», afirmou, acrescentando que se o modelo for bem sucedido, os recursos do banco poderão ser ampliados para a modalidade.
Segundo o presidente do BNDES, o banco nunca terá uma participação majoritária no fundo, preferindo uma parcela menor “porém não tão pequena, porque senão não vai remunerar a atividade do BNDES”.

Um acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para a criação de um outro fundo voltado para infraestrutura, também deve ser anunciado na semana que vem. “Queremos desenvolver e ampliar a participação do mercado no financiamento de longo prazo”, disse Oliveira.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/06/2018
BDMG reduz juros para MPEs
Empréstimos para capital de giro agora têm taxas a partir de 1,27% ao mês e prazo de 51 meses
16/06/2018
Valor de dívidas de estados e municípios foi de R$ 594,1 mi
Brasília - O Tesouro Nacional pagou, em maio, R$ 594,10 milhões em dívidas atrasadas de estados e municípios, informou o órgão na sexta-feira (15). Do...
16/06/2018
Fazenda critica MP do frete ao STF
Parecer vê adoção de tabelamento em setor de livre concorrência sem análise de impacto
16/06/2018
Liberação de saque do PIS/PASEP deve injetar R$ 39,3 bi no mercado
Rio de Janeiro - A decisão do governo federal de liberar o saque das contas inativas do PIS/Pasep para quem tem direito ao benefício é positiva para o comércio do Rio...
16/06/2018
Uberlândia está no rumo da universalização
Município é o único de Minas a figurar em ranking, em nível nacional, entre polos com mais de 100 mil habitantes
› últimas notícias
Economistas veem dólar acima de R$3,50 este ano e Selic a 6,5% esta semana, mostra Focus
BDMG reduz juros para MPEs
Valor de dívidas de estados e municípios foi de R$ 594,1 mi
Fazenda critica MP do frete ao STF
Liberação de saque do PIS/PASEP deve injetar R$ 39,3 bi no mercado
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


16 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.